Bem Vindos

Ola amigos bem vindos a Arcanoteca um espaço para RPG, mitologia, contos e curiosidades, esperamos que gostem do nosso conteúdo e nos visitem com frequência. (amigos nós não temos pop ups por favor deixem o seu ADblock desativado para nosso site pois isso nos ajuda muito a manter a Arcanoteca)

sábado, 18 de janeiro de 2014

Contos: Ector o Bardo

Eu me chamo Ector Vansentach o que vou contar par vocês agora é a origem de minha historia e também um grande segredo espero que vocês façam bom uso destas informações meus caros e nobres aventureiros.
Há muitos anos atrás eu era um simples bardo que andava por nosso belo mundo a procura de aventuras e de grandes historias, durante minhas andanças eu fiz grandes amigos, lutei muitas batalhas e conheci muitas pessoas dignas. Dentre essas pessoas conheci alguns clérigos, dentre estes clérigos eu me apaixonei por uma cleriga de Chauntea chamada Kalandra.
Ela era uma pessoa muito boa e muito poderosa depois de muitas tentativas consegui conquista-la e nós nos casamos no inverno. Juntos participamos de muitos confrontos e muitas aventuras como: selar Salazar em sua tumba, banir Melistrai e sua jóia negra, também enfrentamos klauth o dragão do norte, mas apenas o encerramos não conseguimos destruí-lo e por último derrotamos Mazus o guardião de Harlum. Kalandra me contou que todas nossas aventuras na verdade tinham sempre algo em comum, sem ao menos eu saber, sempre estávamos protegendo a Chave Matriz, mais tarde explicarei o que é a chave.
Enfim nossos esforços foram recompensados, pois as partes da chave estavam finalmente seguras então nós viajamos para Uthgar onde formamos nosso lar e família, tive quatro filhas com Kalandra e já com meia idade eu só queria curtir nossa bem vinda “aposentadoria”. Comecei a escrever e me apaixonei por essa arte eu passei a escrever alguns livros de contos sobre nossas aventuras e sobre lendas que conheci por todo nosso mundo e escrever se tornou quase uma segunda natureza para mim, minha vida era feliz, até que eu conheci Arathor um homem de físico fraco, porém de inteligência afiada que dizia servir a Talos o deus da destruição, eu jamais me importei com religião ou com a fé de cada um como fui tolo, se eu soubesse.
Arathor criou uma terrível intriga entre mim e minha esposa fazendo com que nós nos separássemos. Primeiramente ele me contou que Kalandra era fruto da união de Chauntea e Lathander, e que por uma decisão de uma força maior ela foi transformada em humana e que sua essência “alma” compunha uma das partes da tal Chave sendo esta a pedra de Kalandra, quando tentei conversar com minha esposa sobre essa suposta origem a sua atitude foi das piores disse-me que eu estava fazendo com que ela quebra-se seus votos, ficou muito magoada comigo e me mandou partir acusando-me de não ama-la, a verdade é que Arathor já havia envenenado a sua mente. Então deixei minha casa e filhos por alguns dias, afim de que minha esposa se acalmasse, e se aproveitando de que eu não estava em casa Arathor por magia tomou minha forma e fez as pazes com ela, só para poder apunhala-la pelas costas na frente de minhas crianças, ela morreu maldizendo o meu nome, pois estava certa de que eu só estava atrás da maldita pedra.
Quando voltei para casa havia uma enorme tempestade fora de época acontecendo o que me atrasou muito, após alguns pequenos problemas eu cheguei em casa e a encontrei morta, meus filhos não estavam em casa e havia poucas pistas do que tinha acontecido, passei quase a noite toda chorando minha perda, estava desesperado tamanha a dor que eu sentia. Então ela, a dama da noite, veio a mim, pois ela era a deusa da perda, ela me contou o que ocorrera, disse que minhas meninas estavam bem e protegidas na casa de um de meus vizinhos. Ela me confortou fez minha dor diminuir e fez com que eu me acalmasse nós conversamos muito ate o dia clarear quando ela partiu. Passei a ser um fervoroso devoto de Shar a partir desse momento e declarei total guerra a Talos e seus servos agora o deus da destruição deveria sentir de seu próprio dogma.
Shar me guiou por vários lugares e me protegeu muitas vezes enquanto os anos se passavam eu realizava minha vingança. Acabei com mais de 2000 templos de Talos e matei muitos de seus seguidores, infelizmente eu não conseguia encontrar Arathor ate que comecei a seguir um vampiro que servia a ele, esse vampiro havia conseguido a aliança de uma Ordem de Cavaleiros e os estava manipulando para tomar controle do reino, mas isso não era problema meu, só me interessava Arathor, finalmente eu o encurralei e obriguei o morto vivo a me contar onde estava o seu mestre, mas quando ia mata-lo o vampiro foi salvo pelo maior campeão da ordem de Cavaleiros que me feriu brutalmente me obrigando a fugir, pelo menos havia conseguido a informação que precisava.
Bastante ferido pelo cavaleiro eu parei para me recuperar por alguns dias mesmo não estando totalmente curado segui viagem. Consegui com muito custo invadir a fortaleza de Arathor, mas o maldito já estava preparado me esperando, pois o vampiro já havia o alertado, o combate foi terrível, embora eu tenha conseguido ferir terrivelmente Arathor acabei sendo sobrepujado por seus servos e morri. Minha alma foi torturada por Talos durante alguns anos ate que minha senhora Shar me resgatou e criou esse plano para que eu pudesse ficar aqui agindo contra meu algoz e relembrando minha amada, aqui eu toco o réquiem que compus a ela e algumas vezes Chauntea permite que sua alma venha me visitar e ouvir. Só aqui posso vez por outra retornar a ver minha amada Kalandra mesmo não podendo mais sentir nem tocar isso me conforta e traz um pouco de paz para o efêmero de minha alma inquieta.
Arathor infelizmente não morreu, mas tem uma vida miserável por minha causa e eu me orgulho muito disso há há há há há há. Eu soube através de Shar que por matar a filha de Chauntea e Lathander a Tríade o amaldiçoou a nunca mais poder receber nenhum efeito da esfera cura e prepararam para ele uma punição horrível quando sua morte chegar, mas infelizmente “O aleijado”, como é agora conhecido, através de elixires consegue estender sua vida alem do limite mortal e pretende usar a chave para se libertar desta designação dos deuses. Pena que hoje em dia os deuses já não podem interferir em nosso mundo tão livremente quanto podiam antes.

Sobre a Chave Matriz

Quando o poderoso deus da magia Mystrill surgiu, da luta entre Shar e sua irmã gêmea Selune, ele criou a Weave (essência da magia) uma matriz de energia bruta que fornece poder para toda a magia que existe nesse plano e através dela é que os magos e outros usuários de magia, até mesmos os deuses, realizam seus poderosos efeitos mágicos.

A Weave é o que de fato fornece a energia para todo o tipo de efeito mágico desde o mais simples ao mais complexo. E para poder controlar e Weave Mystrill criou um poderoso artefato chamado “A Chave Matriz”, através do artefato o deus tinha total controle sobre a Matriz podendo ate mesmo restringir o acesso a ela a outros deuses, sendo assim um dos mais poderosos deuses de todo esse plano. Quando ele morreu no “Tempo das Perturbações” e Mystra assumiu, ela é quem ficou detendo poder sobre a chave. Mystra só precisou usar a chave uma única vez quando um mortal chamado Crassus criou uma terrível magia chamada “Crassus Avatar” esta magia tinha como efeito drenar a essência divina do deus alvo possibilitando assim que ele fosse destruído e elevando o mago que a lance à divindade.
Felizmente Crassus acabou sendo derrotado, mas devido a esse episódio Mystra se viu obrigada a modificar a Weave para que magias de tal poder não pudessem mais ser lançadas. Por incrível que parece alguns deuses não gostaram desta modificação e um deles foi Mask. E se aproveitando que Mystra é uma deusa relativamente nova Mask a enganou e roubou a chave matriz dela, mas ele não detinha o conhecimento necessário para poder usa-la e então resolveu recorrer a Ogma, mas o deus da sabedoria era aliado de Mystra e difícil de enganar, então frustrado por não poder usar a chave, Mask resolveu dividi-la em nove partes, nove jóias que detêm em seu interior a essência para restaurar a chave. Os deuses resolveram fazer uma conferencia onde participaram quase todos os deuses, pois mesmo impossibilitado de usar as jóias Mask se negava a devolve-las e alguns, os inimigos de Mystra, o apoiavam. Mystra tentou ameaçar Mask diretamente, mas o deus da trapaça apenas fez piadas de suas ameaças, por fim foi decidido com o apoio de todos que as jóias deveriam ser mandadas para o mundo mortal com os mais variados guardiões e que somente através deste mundo é que a chave poderia ser novamente montada para enfim poder ser recuperada por algum dos deuses que a desejam. Os aliados de Mystra querem a chave para poder devolve-la, os inimigos a querem para poder controlar a Weave e se não conseguirem pelo menos para tirar a possibilidade de Mystra a modifica-la ou restringi-la. É por isso amigos que a chave está em nosso plano e eu sei que Arathor a queira para se vingar dos deuses que o amaldiçoaram e se ele conseguir a chave temo que ele tera poder suficiente para tal.

Autor: MarcioLasombra

Nenhum comentário:

Postar um comentário