Bem Vindos

Ola amigos bem vindos a Arcanoteca um espaço para RPG, mitologia, contos e curiosidades, esperamos que gostem do nosso conteúdo e nos visitem com frequência. (amigos nós não temos pop ups por favor deixem o seu ADblock desativado para nosso site pois isso nos ajuda muito a manter a Arcanoteca)

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Magnífica Estatua da Mulher Maravilha

A Sideshow Collectibles anunciou o lançamento de Wonder Woman Premium Format Figure, uma impressionante estátua, em escala 1:4, da poderosa heroína da Liga da Justiça e DC Comics, a Mulher-Maravilha.
Wonder Woman Premium Format Figure, pintada à mão, pesa cerca de 6,8 kg, medindo pouco mais de 64 centímetros de altura e 53 centímetros de largura, e está disponível na pré-venda por 399,99 dólares, no site da Sideshow Collectibles.
wonder-woman-001 premium 

A princesa Diana de Themyscira, de grande beleza e feroz determinação, em seu traje icônico, jurou proteger o mundo e defender o seu manto como Mulher Maravilha. Concedido poderes sobre-humanos, divinos e habilidades de combate superiores, a princesa guerreira está pronta para aceitar graciosamente qualquer desafio, armado com seu laço de ouro da verdade, braceletes indestrutíveis, e tiara. Ela carrega uma longa lança sobre seus ombros, e agarra firmemente o escudo ao seu lado, entretanto acima de qualquer coisa, levará a mensagem de paz e justiça das amazonas.
Veja as Fotos:

CORIFEU, suplemento de Tragoedia RPG


Após o lançamento do livro básico de Tragoedia RPG da Tragos Games, Ricardo Peraça, disponibiliza gratuitamente o Livro do Corifeu, primeiro suplemento do jogo, em formato PDF, com 21 páginas distribuídas em sete capítulos. Confira a capa e informações sobre o suplemento,  
Livro do Corifeu - Tragoedia RPG

Voce pode fazer o donwload gratuito aqui:  Livro do Corifeu

O Livro do Corifeu é dividido em sete capítulos: o primeiro capítulo, Aventuras, traz diversas tabelas aleatórias que auxiliarão o Corifeu a criar o conflito que servirá de base a uma aventura.
O capítulo 2, Competições, traz mais detalhes sobre competições e sobre provas para Artistas, Filósofos e Guerreiros.
O capítulo 3, Fortificações, Labirintos e Ruínas, traz tabelas aleatórias com as quais o Corifeu pode criar uma ruína ou uma masmorra natural de forma rápida e imprevisível.
O capítulo 4, Ilhas, traz informações e tabelas aleatórias acerca das ilhas da Élada, nas quais vivem eladanos e estrangeiros, e que podem apresentar ótimas oportunidades de aventura.

Cenários: Sengir Mini Cenário para Old Dragon

Sengir – Mini-Cenário Old Dragon

Rafael Beltrame, disponibilizou um mini-cenário de campanha para Old Dragon, inspirado em cartas de Magic The Gathering, chamado Sengir. ( o sobrenome de uma poderosa familia de vampiros)
Você pode fazer o  download: Sengir, mini-cenário Old Dragon

SENGIR

O material está em formato PDF e contém 31 páginas, dividido em 4 capítulos, sendo o primeiro uma breve apresentação sobre o cenário, o segundo aborda detalhes para aventurar-se em Sengir, o terceiro apresenta as personalidades e o último traz novos monstros. Confira ao lado a excelente capa do suplemento


"Nas tristes terras do Baronato Sombrio fica o Castelo Sengir, governado por seu frio e calculista autocrata, simplesmente conhecido como Barão Sengir. A cidade vive uma noite eterna, amaldiçoada, com nuvens escuras que voam pesadamente por uma lua sinistra e doentia."

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Mitologia Grega: ULISSES E O CICLOPE POLIFEMO

ULISSES E O CICLOPE POLIFEMO

   Odisseu ou Ulisses  Foi um herói da guerra de Tróia. Rei de Ítaca. Foi o idealizador do cavalo de Tróia, que permitiu a entrada dos gregos nessa cidade.
  Após a derrota dos troianos ele iniciou uma viagem de volta para sua terra. Depois de muitas tempestades e apuros ele e sua tripulação chegaram a uma ilha. O lugar parecia até um paraíso com árvores frutíferas que ali cresciam sem a necessidade de cuidados.  Eles só não sabiam que esta era a ilha dos ciclopes, gigantes com um só olho no meio da testa. Nesta ilha eles encontraram uma caverna, entraram nela e descobriram lá dentro cabras e queijos, e começaram a se alimentar com eles. Mas a caverna tinha dono, o ciclope Polifemo, filho do deus do mar Poseidon.  Este chegou à tarde em sua casa e fechou a entrada com uma pedra gigantesca. Ao perceber a presença dos homens perguntou:
- Quem são vocês, que invadem a caverna de Polifemo?
  Ulisses respondeu:
-Somos gregos, participamos da guerra de Tróia e desejamos retornar às nossas casas. Estamos cansados e famintos. Por isso pedimos sua hospitalidade. Lembre-se que os deuses protegem a quem dá abrigo a quem precisa.
 O monstro agarrou um daqueles homens e disse:
-Vou mostrar a vocês minha hospitalidade.
    Levantou então o tal homem e o devorou. Depois disso adormeceu.

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Mitologia Grega: A tapeçaria de Aracne

A TAPEÇARIA DE ARACNE

Na Grécia Antiga há muito tempo atrás, era contado que Palas, deusa da sabedoria, mais tarde conhecida como Minerva, ensinava os segredos de fiação e tecelagem a uma moça chamada Aracne. A moça era de origem humilde, mas muito habilidosa com o tear,  todos vinham vê-la exercer seu magnífico oficio que produzia desenhos divinos. Pelo trabalho da moça Palas era coberta de elogios, pois ao serem observados todos sabiam que a deusa havia ensinado a Aracne. A moça ofendia-se pelos elogios que a deusa recebia, dizia-se melhor que ela e disposta a concorrer com Palas, se esta a vencesse poderia fazer da moça o que desejasse. Antes de aceitar o desafio a deusa disfarçou-se de uma humilde velhinha e visitou Aracne, aconselhou a moça que pedisse perdão a Palas que esta a perdoaria, porém a moça não aceitou seus conselhos e mais uma vez desafiou a deusa dizendo que esta não havia ido a sua casa por medo, neste momento a Palas deixou cair seu disfarce todos ao redor ficaram surpresos, Aracne manteve seu desafio. Desta forma as duas de posse de seus apetrechos de trabalho puseram-se a tecer, Palas tecia a historia dos homens que desafiaram os deuses e os castigos aos quais haviam sido destinados, Aracne tecia a historia dos crimes que os deuses haviam cometido.

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Regras Opcionais (d20): Called Shot

Ola aventureiros hoje trago para vocês regras opcionais para dar uma cor a mais aos jogos de D20. O Called Shot, mas o que seria isso, bem simplificando o called shot seria uma ataque desferido contra uma parte especifica do corpo do inimigo, cabeça, braços, pernas ou torso.

Manobra - Called Shot:


-Realizar um Called Shot é uma Full-round action, que gera ataque de oportunidade (para qualquer atacante em condições de efetuar ataques de oportunidade) e causa penalidades no bônus final de ataque, dependendo da área do corpo que o personagem visa atingir.

-As penalidades iniciais (enquanto realizando a manobra sem nenhum dos talentos específicos dela), gera, por parte do corpo, as seguintes penalidades:

Cabeça: -10; Braços e Pernas: -8; Torso: -6.

-Além do dano normal do ataque, um called shot pode causar determinados efeitos, variando entre o dano não-letal, letal e crítico:



Efeitos por parte do copo:

Dano não-letal (subdual damage):

Cabeça: Atordoamento (Stun) por 1d4 rodadas* - Teste de Fortitude para negar o efeito DC: 5+dano (mínimo 1 round)

Regras Opcionais (d20): Desmembramento/Mutilação

Ola amigos trago para vocês hoje outro post de regras opcionais visando tornar suas partidas de D20 mais emocionantes.


Desmembramento/Mutilação: Um Desmembramento/Mutilação ocorre toda vez que um personagem recebe dano proveniente de crítico (acerto ou falha), igual ou maior a 2x o seu valor de Constituição (Ex: O personagem tem valor de Constituição 13 e recebe 26 ou mais pontos de dano provenientes de um crítico). Quando vítima de um Desmembramento/Mutilação, o personagem precisa rolar 1d6 para descobrir o membro mutilado (a menos que o crítico seja proveniente de um Called Shot, nesse caso, o membro afetado é decidido pela manobra ou no caso do personagem não ser humanóide, onde o bom senso do GM deve ser usado para decidir) e depois rolar 1d100 para descobrir a Severidade da Mutilação.

Mitologia Oriental: Origem da Tatuagem da Yakuza

A ORIGEM DA TATUAGEM NA YAKUZA

A prática do fechamento de grandes pedaços de pele remonta a um dos grupos que, acredita-se, deu origem à própria Yakuza: o Bakuto. Jogadores itinerantes no período do Japão feudal (por volta do século XVIII), os Bakuto eram foras da lei que viajavam pelos feudos ganhando dinheiro com jogos de azar tradicionais, como hanafuda (jogo japonês de cartas) e dados. Eventualmente, durante a era Edo (em que o Japão foi governado pelos shoguns da família Tokugawa), os Bakuto eram contratados pelo governo para entreter os trabalhadores dos feudos – os jogadores podiam ficar com o dinheiro dos trabalhadores, desde que pagassem uma porcentagem ao governo. Os apostadores fechavam os braços e peito com tatuagens elaboradas que escondiam os códigos reveladores de seus crimes e número de condenações. Na medida em que os apostadores se organizavam e ampliavam seus negócios, envolvendo-se com agiotagem, cobrança de proteção, tráfico de drogas, casas de prostituição, entre outros, iam aparecendo as famílias da Yakuza. Os tatuadores acabavam também se associando a alguma família criminosa e até hoje são, eles mesmos, responsáveis pela escolha dos desenhos a serem feitos em cada indivíduo – que levará ainda a assinatura do artista. Para elaborar a “segunda pele”, chamada, no Japão, de irezumi, é preciso que o tatuador conheça bem o cliente: além dos valores da organização, as imagens refletem também a personalidade e as crenças de cada um, de acordo com sua história pessoal.

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Mitologia Grega: Hellena de Troia

HELENA DE TROIA

Segundo a mitologia, a jovem Helena era filha de Zeus e da rainha Leda. Ela tinha uma irmã gêmea, Clitemnestra, que viria a ser a esposa de Agamenon de Micenas. E tinha mais dois irmãos, Castor e Pólux. Seu pai adotivo era o rei Tíndaro de Esparta. Por ser filha de Zeus, Helena tinha a beleza estonteante das deusas, causando o desejo dos homens e a inveja das mulheres.
Anos antes, em Tróia, nascia Alexandre, filho do rei Príamo. Ele tinha, dentre outros, dois irmãos, Heitor e Cassandra. Esta previu a seu pai que Alexandre seria a ruína de Tróia, e no exato momento de seu nascimento bradava: "Mate-o! Mate-o!" Príamo, que tinha fé nas visões de Cassandra, mandou que jogassem o bebê de um precipício. O servo não teve coragem e o deixou numa rocha de uma ilha distante. Quem o encontrou foi o pastor Agesilau, que lhe deu o nome de Páris. O garoto também era muito bonito, e se tornou um pastor de ovelhas. Quando cresceu, foi atrás de uma ovelha perdida, adentrando numa caverna. Lá deu-se com as deusas Hera e Atena, que lhe subornaram para saber quem era a mais bela. Prometeram riquezas e sabedoria, mas Afrodite, deusa do amor, também estava lá, e prometeu-lhe o amor da mais bela mulher: Helena. Este, é claro, aceitou.
Numa competição, Páris foi descoberto como sendo Alexandre, e Príamo reconsiderou-o como seu filho legítimo, para a tristeza de Cassandra. Como príncipe, ele fazia muitas viagens em nome do rei. Uma destas visitas foi a Esparta. Nesta época, Menelau já havia se casado com Helena. Como era de se esperar, a promessa de Afrodite se cumpriu e Páris e Helena amaram-se de forma visceral, fugindo de livre e espontânea vontade para Tróia. Agamenon disse a Menelau que ele deveria declarar guerra à Tróia, por sua honra, e as deusas rejeitadas, Hera e Atena, viriam a ajudar. Com a ajuda de Odisseu, Agamenon e Menelau convocaram toda a Grécia para cercar Tróia. Mas os ventos não estavam bons, e um vidente disse a Agamenon que sua filha Ifigênia deveria ser sacrificada pelo próprio pai, que assim o fez. Deu certo e todos foram para Tróia. Por dez anos, nenhuma tentativa deu certo, até que Odisseu teria a magnífica ideia: construir um gigantesco cavalo de madeira oco onde os melhores guerreiros ficariam escondidos e prontos para atacar.

domingo, 23 de fevereiro de 2014

Mitologia Oriental: Amaterasu

AMATERASU

Mitologia Japonesa - Mito de Amaterasu: a deusa da luz
Na mitologia japonesa, o sol é representado pela deusa Amaterasu, que comandava as altas planícies do paraíso. Este comando lhe foi transmitido pelo deus Izanagi, que na divisão do mundo deixou com Tsuki-yomi, a deusa da lua, o comando do reino da noite e com Susanowo, deus da tempestade, o domínio dos mares.
Amaterasu e Tsuki-yomi estavam contentes com o que receberam, mas o deus da tempestade revoltou-se e bradou que não queria comandar os oceanos. Então passou a ir e vir do paraíso para a terra, sempre provocando confusão por onde passava, destruindo as plantações e derrubando as construções.
Um dia, Amaterasu estava com suas donzelas, trabalhando e tecendo o mundo com ordem e padrão, no saguão sagrado da tecelagem, quando de repente é surpreendida por uma forte pancada no teto. Era mais um dos desatinos de Susanowo. O deus da tempestade havia lançado sobre o saguão a pele de um pônei malhado, assustando Amaterasu, que fugiu e trancou-se numa caverna, de onde recusou-se a sair.
Com a ausência de Amaterasu, o mundo inteiro mergulhou na mais profunda escuridão. Sem a luz da deusa do sol, nada nascia nem crescia.
Os outros deuses, temendo a instalação do caos, reuniram-se na entrada da caverna e decidiram armar uma estratégia para tirar Amaterasu de seu esconderijo. Colocaram um grande espelho mágico nos galhos da árvore Sakaki, localizada bem na entrada da caverna, e fizeram com que todos os galos cantassem incessantemente para parecer que o dia raiava. Depois, acenderam grandes fogueiras para iluminar o local, providenciaram música e passaram a se divertir com a dança apresentada pela deusa Uzume. Esta dançava de tal forma que os milhares de deuses riram com grande alarido. E riram tanto que o paraíso tremeu, o que atiçou a curiosidade de Amaterasu.

Mitologia Oriental: Ushi Oni

USHI ONI

うしおに。。O nome  Oni  é geralmente dado a uma variedade de monstros que se assemelham a bois. O termo foi utilizado em torno da era  Heian. Ele aparece em uma lista de contos com o título “Coisas com nomes aterradores.
Oni é relacionado a personagens de inúmeros contos e lendas japonesas. Uma criatura misteriosa e por muitas vezes representada com forma humana, mas com estatura muito maior e exibindo dois chifres na cabeça. Embora alguns o vejam como um guardião do inferno, ele é um pouco diferente do diabo ou demônio imaginado pelos ocidentais.
É dito que às vezes é a própria encarnação do mal, outras vezes chega a ser adorável. Ora é um monstro terrível a ser derrotado pelo herói, outra pode até salvar a vida de um ser humano mesmo sabendo que isto lhe custará a existência. As vezes se transfigura em uma mulher, geralmente para atrair um ser humano ingênuo com o intuito de devorar-lhe a sombra, e/ou simplesmente para aproximar-se, atraído por mera curiosidade. Ele figura até mesmo nos contos infantis japoneses, podendo ser comparado ao bicho-papão ocidental. Seu papel é causar medo nas crianças para que elas não se desviem do bom caminho. Portanto, o “ Oni ” simboliza quase tudo o que é misterioso ou estranho.
No Japão, o dia 3 de fevereiro é conhecido como  Setsubun , que significa “divisor de estação”. Ele marca a passagem do inverno para a primavera, segundo o antigo calendário japonês.
Na noite do  Setsubun , os japoneses costumam espalhar grãos de soja pela casa proferindo palavras como: “Oni wa soto, fuku wa uchi” (Para fora demônio, para dentro a boa sorte) e para espantar os maus espíritos e atrair a felicidade. Neste caso, o “Oni” representa também o espírito do frio e do inverno.

sábado, 22 de fevereiro de 2014

OS 10 MAIORES VILÕES DO RPG

Esta é uma lista pessoal que com certeza trará um bom debate para os aficionados por RPG. Não é uma lista exaustiva nem fixa já que cada um, com certeza, já passou por diversas experiências contra inúmeros vilões nos diversos mundos nos sistemas de RPG e terão sugestões diferentes da minha. Esta é a intenção, critiquem a lista, detonem com alguns, acresçam outros ou até mesmo façam sua própria lista, pois a dificuldade de determinar quem seria o maior vilão de todos os tempos é uma tarefa árdua para nós RPGistas. Vamos a lista:
11356person 3979 10 Maiores Vilões I RPG

10º COLOCADO – MESTRE ARSENAL


Último sobrevivente de um mundo de guerras e batalhas, ele chegou a Arton em um Colosso (chamado Kishin) e se tornou o sumo-sacerdote de Keenn, o deus da Guerra. Mestre Arsenal também é o pai da druida Lisandra, membra dos "Holy Avengers". Recentemente, através de maquinações que culminaram na aparente destruição do Paladino e na volta do deus SszaasMestre Arsenal obteve a Holy Avenger, a espada sagrada do Paladino. Sua compulsão em colecionar armas mágicas tem motivos desconhecidos alguns acham que ele quer desarmar o mundo, outros acham que ele pretende se tornar um deus.



Mitologia: Gigantes Biblicos

GIGANTES BIBLICOS

Um exemplo clássico de referência histórica à existência de gigantes é um texto da Bíblia judaico-cristã:
"Quando os homens começaram a multiplicar-se sobre a terra, e lhes nasceram filhas, os filhos de Deus viram que as filhas dos homens eram belas e escolheram esposas entre elas. O Senhor então disse: "Meu espírito não permanecerá para sempre no homem, porque todo ele é carne, e a duração de sua vida será só de cento e vinte anos. Naquele tempo viviam gigantes na terra, como também daí por diante, quando os filhos de Deus se uniam às filhas dos homens e elas geravam filhos. Estes são os heróis, tão afamados em tempos antigos."[GENESIS 6:1-4]
Os registros sobre os gigantes aparecem sempre relacionados a uma época bem anterior ao "Adão bíblico". Muitos estudiosos, entre os quais o mais popular é autor de best sellers Eric Von Daniken (Eram os Deuses Astronautas e outros), têm interpretado os "anjos caídos" ou a "queda dos anjos" como uma visita de seres extraterrestres que chegaram a este planeta em um tempo que a ciência ortodoxa denomina de pré-história. Tais seres teriam realizado um mega-processo de colonização da Terra que incluiu interferências na atmosfera e experiências genéticas cujo resultado foi a espécie humana; uma espécie que evoluiu através de diferentes tipologias cuja descendência é a humanidade contemporânea.

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Mitologia Oriental: A Lenda da Orquídea

A LENDA DA ORQUÍDEA

Como muitas flores, a orquídea tem uma lenda. Eis a encantadora história, como é contada nas terras da Indochina. Na cidade de Anam, existia uma jovem chamada Hoan-Lan, que divertia-se em fazer penar suas paixões aos seus numerosos adoradores. Por um sorriso, o jovem Kien-Fu tinha cinzelado o ouro mais fino e trabalhado com infinita paciência as mais lindas peças de jade. A ingrata, após se adornar com todos os presentes do nobre apaixonado, riu-se dele e o desprezou. Kien-Fu, desesperado, acabou com a própria vida atirando-se ao Rio Vermelho.
O pintor Nguyen-Ba conseguiu obter cores desconhecidas para pintar o retrato de sua amada. Esta, porém, depois de ter exibido para a satisfação de sua vaidade a magnífica pintura, desprezou o artista que desapareceu para sempre no mistério das selvas. Mai-Da, apaixonado também, quis patentear seu amor à jovem volúvel, inventando um perfume delicioso somente digno dos anjos. A ingrata perfumou-se e mandou pôr na rua o seu adorador que, nada mais aspirando na vida, se envenenou.
Cung-Le levou sua perseverança a incrustar nácar numa pulseira de ébano que foi recebida pela ingrata. O pobre endoideceu.
Mas o poderoso Deus das Cinco Flechas, que a tudo via e tudo ordenava, julgou que era o momento de castigar tanta maldade, fazendo a jovem volúvel apaixonar-se pelo formoso Mun-Cay. E desde então, Hoan-Lan sonhava no seu leito de nácar e sedas bordadas com seu adorado, cujo nome esvoaçava sobre seus lábios de carmim, como uma borboleta sobre a rosa. Ao despertar, descia à piscina, banhava-se e adornava-se com suas jóias mais preciosas para ver passar seu querido Mun-Cay, que apenas se dignava a levantar os olhos para ela. Nunca tinha considerado a formosa jovem, nem se interessado pela fama de beleza que tinha ardido à sua volta.
Os dias iam passando, e Mun-Cay não saía de sua indiferença cruel. Um dia, Hoan-Lan decidiu sair-lhe ao encontro e declarar-lhe paixão. Não me interessas, rapariga ! - disse ele. - És como todas as outras. Para mim não vales nada. Se fosses como aquela que eu amo... Esta sim, é uma deusa. Tu, mísera Hoan-Lan, com toda tua vaidade, não serves nem para atar-lhe as fitas das sandálias. E, com um sorriso desdenhoso, afastou-se.
Em meio de seu desespero, Hoan-Lan lembrou-se do Deus Todo Poderoso que vivia na montanha de Tan-Vien. Talvez ele pudesse lhe valer. Apesar da noite escura e chuvosa, a jovem dirigiu-se ao monte sagrado, onde residia sua última esperança. A entrada do templo subterrâneo era guardada por um terrível dragão. Suplicou-lhe a concessão de entrada e ao cabo de muitos pedidos conseguiu penetrar num extenso corredor, por entre serpentes horríveis que lhe babujavam os pés nus.

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Mitologia Grega: OS 12 Trabalhos de Hercules

OS XII TRABALHOS DE HERÁCLES (Hércules)

Alcmena era esposa de Anfitrião. Quando seu marido estava na guerra, Zeus tomou a sua forma para fazer amor com Alcmena. Anfitrião desconfiou da infidelidade da esposa, e no fim, Zeus esclareceu-lhe tudo. Mas, surpreendentemente, Anfitrião ficou contente e honrado com a presença do deus em sua casa. A partir daí, o termo anfitrião passou a ter o sentido de "aquele que recebe em casa". Daquela noite de amor nasceu o semi-deus Hércules (ou Héracles, em grego).O nascimento de Hércules provocou a ira de Hera, a ciumenta esposa oficial de Zeus, que mandou duas serpentes matarem o recém-nascido fruto do adultério. Este, porém, sem grande esforço, estrangulou as cobras, mostrando desde cedo possuir uma força descomunal. Hércules cresceu, mas Hera continuou a persegui-lo e usou seus poderes para provocar um acesso de loucura no herói, que acabou matando a própria esposa, Mégara, e os filhos, ateando fogo na própria casa. Quando Hércules recuperou a razão, procurou o Oráculo de Delfos - o mais famoso templo de consulta às divindades gregas - para buscar orientação sobre como enfrentar a tragédia.O Oráculo mandou-o se entregar em servidão a Euristeus, rei da cidade de Micenas, que ordenou a realização das 12 famosas tarefas. Os 12 trabalhos foram realizados para que Hércules se redimisse das mortes que cometeu.  Conheça as 12 tarefas colossais realizados pelo herói.


1. O LEÃO DE NEMÉIA
Um gigantesco leão aterrorizava a população da região de Neméia, assustando e matando gado e pessoas. Como o animal se entocava em uma caverna com duas saídas, era muito difícil aproximar-se dele. Os caçadores da região pediram ajuda ao rei Euristeu, pois o animal havia se revelado invulnerável às suas armas. O rei enviou Hércules para aquele que seria o seu primeiro trabalho: exterminar o leão de Neméia. O herói fechou uma das saídas da caverna, obrigando o animal a abandoná-la pelo outro lado. Hércules, que o aguardava, desferiu-lhe um violento golpe com sua clava e ao perceber que o animal ficara tonto, em rápida ação, montou sobre ele e o estrangulou até a morte. Hércules decepou uma das garras do leão e com ela conseguiu arrancar a dura pele o animal, passando a usar o seu resistente couro como uma capa protetora. 
Outra versão: 
Filho de Equidna e de Ortro, irmão da Esfinge de Tebas, o leão era de tamanho descomunal e ainda por cima invulnerável. Devastava a região de Neméia, perto de Micenas e de Corinto, e devorava rebanhos e pessoas do lugar. Euristeu mandou Héracles acabar com o monstro.
Héracles primeiro tentou atingir o gigantesco leão com a clava e depois com as flechas, sem sucesso. Com súbita inspiração, encurralou-o em seu próprio antro, atacou-o diretamente, prendendo-o em seus braços, e apertou até o monstro morrer asfixiado. Morto o leão, Héracles esfolou-o com as próprias garras e passou a vestir a pele invulnerável, daí em diante uma de suas "marcas registradas".
Em Neméia, Héracles recebeu a hospitalidade de um camponês pobre, Molorco, cujo filho havia sido morto pelo leão, e que forneceu ao herói seu único carneiro para que ele, em agradecimento, fizesse um sacrifício a Zeus. Nesse local, Héracles instituiu em honra de seu pai os Jogos Nemeus.
De acordo com algumas versões tardias, Hera colocou o leão nos céus, formando uma das constelações do zodíaco (Leo, a Constelação do Leão, entre Cancer, a oeste, e Virgo, a leste).

Mitologia Grega: Aquiles

AQUILES

Nascido como filho de Tétis e Peleu, rei dos mirmidões, Aquiles nasceu como uma lenda, pois diziam algumas profecias que o filho de tal mulher seria um homem de grande poder e importância. Sabendo de todos os perigos que ele acabaria passando em sua vida, sua mãe Tétis quis torna-lo em um imortal, para isso o levou até o rio Estige, um dos que banha o inferno de Hades. Mas para banha-lo em tal água a mulher teve que segura-lo pelos calcanhares, dessa maneira dizem que seu corpo se tornou impenetrável, mas a única parte que não foi banhada pelas águas era vulnerável e mortal.  Ainda muito jovem Aquiles foi enviado ao monte Pélion, sob os cuidados do centauro chamado Quíron, onde ele estudaria, aprenderia a lutar, caçar e todas as outras coisas que um bom cidadão precisava saber naquele tempo.
Sua vida começou a mudar quando Calcas, uma pessoa que conseguia ver o futuro, declarou que Aquiles era arma indispensável para a tomada de Tróia. Temendo a morte de seu filho, Tétis o disfarçou de mulher e enviou o garoto para rei Licomedes, onde viveria com as filhas dele e receberia educação.  Pouco tempo depois, Odisseu foi enviado a morada do rei Licomedes para trazer de volta o menino  que era a esperança do povo. Com informações de Calcas, o vidente, foi descoberto o golpe de Tétis, que havia escondido Aquiles no meio das meninas. Para descobrir quem era ele no meio de todas, Odisseu se disfarçou de mercador de joias e foi até o quarto das garotas, no meio de todo o ouro e pedras havia um escudo e uma espada. Na hora em que todas as filhas do rei admiravam as joias, uma trombeta de guerra foi tocada, nesse momento Aquiles esqueceu seu disfarce e o instinto fez com que pegasse as armas, dessa maneira foi descoberto e levado de volta a sua terra.

Mitologia Nordica: Ymir

YMIR - O DEUS GIGANTE DO GELO

De acordo com a mitologia nórdica, no início, antes do despertar dos deuses, havia apenas um grande precipício vazio chamado Ginnungagap.
Ao norte do vazio estava a região de névoa e gelo chamada Nifleheim, e ao sul a região de fogo Muspelheim. No meio de Nifleheim corre Hvergelmir, uma cascata de onde saem onze rios conhecidos coletivamente como Elivagar. Conforme estes afastavam-se de sua fonte até as bordas do Ginnungagap, o frio congelou suas águas e vapores transformando-os em gelo e neve. Quando as labaredas de Muspelheim encontraram-se com os Elivagar, o calor derreteu o gelo e formou um grande gigante de gelo, Ymir. Enquanto ele dormia, o suor de seu corpo formou o primeiro de sua prole de gigantes de gelo glacial.
Tempos mais tarde, o derretimento do gelo criou uma vaca deusa chamada Audhumbla, e de seu úbere corriam quatro rios de leite, de onde se alimentavam Ymir e seus filhos. Para se alimentar, a vaca lambia as pedras de gelo salgado, e após três dias ela descobriu no gelo um homem forte e esbelto chamado Buri.
Buri casou-se com uma das filhas de Ymir e teve um filho, Bor, que teve três filhos com outra donzela gelada, chamados Odin, Vili e Ve, os primeiros Aesires.
Logo que os gigantes tornaram-se cientes dos deuses eles começaram uma guerra, que acabou quando os três deuses mataram Ymir, cujo sangue afogou todos os gigantes de gelo exceto Bergelmir, do qual teve origem uma nova raça de gigantes de gelo. Odin e seus irmãos carregaram o corpo de Ymir para fora do Ginnungagape fizeram a Terra de seu corpo e as rochas de seus ossos.

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Primeiro Trailler dos Guardiões da Galaxia.

Um dos filmes mais esperados no cenário dos super heróis Os Guardiões da Galaxia tem seu primeiro trailler oficial:

Mitologia Nordica: A morte de Balder

A MORTE DE BALDER

Este deus nórdico da eloquência e da paz também chamado de Baldr era filho de Frigg e Odin e irmão de Hermod e Hod. O seu irmão Hod era cego, sendo por conseguinte o deus das Profundezas. Casado com Nana, era o mais belo e o favorito dos deuses, morando num palácio que ficava na claridade de uma noite de verão. Nunca participava em festas no Valhalla, pois considerava-as demasiado barulhentas. É um deus bastante diferente dos outros, solar e pacífico, de influência talvez oriental como se pode deduzir do seu aspeto físico (parecido a Adónis ou Tammuz) e pelo seu nome (que significa "senhor"), muito semelhante ao de Baal. Balder teve um sonho a anunciar a sua morte, e que esta seria uma das causas e um dos sinais da proximidade do dia de Ragnarok, o fim do mundo. O seu pai Odin perguntou depois à profetisa da morte o significado do sonho, com a esperança que não tivesse um sentido profético. Este deus ficou invulnerável a todo e qualquer ataque, inclusive ao das doenças, depois da sua mãe ter mandado Gna, a sua mensageira, percorrer o mundo no seu cavalo mágico recolhendo o juramento de todas as criaturas vivas que não lhe fariam qualquer mal. Frigg tinha o dom de prever o futuro e tinha visto que o seu filho ia sucumbir ao destino que o sonho transmitira; assim, recorreu a este estratagema para retardar a morte de Balder. Os deuses atiraram-lhe então todo o tipo de objetos afiados e confirmaram alegremente a sua imunidade.

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Jogar RPG por Teleconferência Gratuitamente

Ola amigos, seu grupo de RPG se separou porque alguns membros foram morar em outra cidade? Bom isso já não é mais problema ! Agora você pode jogar RPG com seus amigos a longas distancias via computador, com teleconferência, jogadas de Dados, Batleground, fichas e miniaturas digitais tudo gratuitamente e adaptável a qualquer sistema conheçam o Roll20:

 

Aqui um tutorial básico em português, Existem muitos mais no youtube assim como exemplos de jogos a maioria em inglês mas tem alguns em espanhol e português de Portugal. 


Visite e cadastre-se gratuitamente no site: Roll20 
Espero que tenham gostado porque eu gostei !! 
Att. MárcioLasombra

Mitologia Grega: Teseu e o Minotauro

TESEU E O MINOTAURO


O mito de Teseu e o Minotauro,  um mito que fala sobre coragem e amor e traição.
Tudo começou quando Minos ficou indgnado ao saber que Dédalo e Ícaro tinham fugido e como Dédalo era ateniense, o rei de Creta resolveu punir o povo de Atenas.
O Minotauro, criatura com cabeça de touro e corpo de homem, era mantido preso pelo rei Minos no centro do labirinto construído por Dédalo sob o palácio de Creta. E um dos problemas do rei era fornecer alimento ao monstro, que se alimentava principalmente de carne humana. Assim, o rei decretou que a cada ano, 7 moças e 7 rapazes deveriam ser enviados de Atenas para alimentar o Minotauro. Egeu era então o rei de Atenas. Seu filho, Teseu, cerrava os punhos, enraivecido toda vez que via um navio a vela partindo para Creta levando as jovens vitimas. Indignado com tudo isso, Teseu pediu que fosse levado para o labirinto, seu pai, Egeu, discordou com a idéia, afinal Teseu era seu único filho e se ele morresse no labirinto não haveria ninguém para governar Atenas. Porem Teseu disse que não pretendia morrer,e que iria matar o Minotauro. Então Teseu decidiu que no próximo ano seria uma das quatorze vitimas.
No dia da triste partida, Teseu combinou com seu pai que se estivesse morto, o navio retornaria ao porto com as velas negras de sempre e se estivesse vivo as velas seriam brancas. Assim que chegaram em Creta os jovens foram levados a presença de Minos. O rei de Creta queria saber se algum deles desejava pedir clemência, porem Teseu disse as seguintes palavras “Você nunca ofereceu clemência antes, por que o faz agora? Preferimos morrer em pé a nos ajoelhar aos seus!”. As palavras encorajaram seus companheiros que o apoiaram. Então o rei Minos ordenou que eles fossem levados ao labirinto para ver se eles continuariam corajosos frente a frente com o Minotauro.

Mitologia Grega: Orfeu e Euridice

ORFEU E EURÍDICE



Grande herói da Trácia, Orfeu era conhecido não pelas suas qualidades de guerreiro, mas pelas suas qualidades musicais. Filho de Apolo e da musa Calíope, recebeu do pai uma lira como presente e aprendeu a tocar com tanta dedicação e beleza, que ninguém conseguia ficar indiferente ao encanto da sua música. Tanto os seres humanos como os animais, e diz-se que até as árvores e os rochedos, se rendiam ao seu fascínio.Orfeu amava apaixonadamente a ninfa Eurídice. No dia do casamento de ambos, esteve presente Himeneu para abençoar a união, mas o fumo da sua tocha fez lacrimejar os noivos, o que não trouxe augúrios favoráveis. Pouco tempo depois, Eurídice passeava com as ninfas, quando foi surpreendida pelo pastor Aristeu, que, ao vê-la, se apaixonou perdidamente e tentou conquistá-la. Na sua fuga, Eurídice pisou uma cobra e morreu da mordedura que esta lhe fez no pé. Orfeu, inconsolável, tocou e cantou aos homens e aos deuses, mas nada conseguiu. Decidiu, então, descer ao reino dos mortos para conseguir recuperar Eurídice. Perante o trono de Hades e Perséfone, Orfeu cantou o seu desgosto e o seu amor dizendo que, se não lhe devolvessem Eurídice, ele próprio ficaria ali com ela, no reino dos mortos. Todos os fantasmas que o ouviam choravam e Hades e Perséfone ficaram tão comovidos que lhe devolveram Eurídice. Mas com uma condição:

Mitologia Grega: Apolo e Dafne

APOLO E DAFNE


Apolo era o mais belo dos deuses, senhor das artes, música e medicina. Sabendo de seus enormes predicados, Apolo se vangloriou dizendo para Cupido, o pequeno deus do amor, que suas flechas eram mais poderosas do que aquelas do pequeno deus. Cupido disse-lhe que as flechas de Apolo eram poderosas, pois podiam ferir a todos, porém as dele eram mais, pois podiam ferir até mesmo o próprio deus Apolo, esse não acreditou e riu de Cupido.
Cupido então lançou uma flecha com ouro na ponta, no coração de Apolo, gerando a paixão dele pela moça Dafne, uma bela ninfa, filha do rio-deus Peneu. Em Dafne, Cupido lançou uma flecha com chumbo na ponta, gerando a repulsão por Apolo.
O deus apaixonado perseguia sua amada e essa fugia dele o quanto podia, até que ela pediu a seu pai para que lhe ajudasse e mudasse sua forma. Peneu atendeu ao pedido de Dafne e a transformou em uma planta – o loureiro. Apolo chorou por ter perdido sua paixão e disse que a levaria para sempre consigo, por isso, desde então, o loureiro acompanhou o deus Apolo tornando seu símbolo por todo o sempre.

domingo, 16 de fevereiro de 2014

Mitologia Grega: Hades e Pesefone.

HADES E PERSÉFONE


Hades (Plutão), ao lado dos irmãos Zeus (Júpiter) e Poseidon (Netuno), travaram uma longa guerra de dez anos contra o pai Cronos (Saturno) e os Titãs. Após a vitória dos três irmãos, uma nova ordem e poder estabeleceu-se sobre o mundo e os deuses, na partilha dessa nova ordem, coube a Zeus o reino do céu e da terra, a Poseidon o mar, e a Hades as profundezas da terra, conhecidas por Érebo, Infernos ou Hades. Se Zeus reina do Olimpo, ao lado de mais 11 deuses, Hades é o senhor absoluto do reino dos mortos, o décimo terceiro deus.
Hades tem como súditos os mortos, mas o seu domínio é a extensão final de todos os vivos, daí ser respeitado e venerado por eles. Reina taciturno nos subterrâneos, sendo auxiliado pelas criaturas infernais, que ao seu lado, mantêm a ordem e as sentenças nos reinos das trevas. Hades traz um capacete mágico, feito pelos Ciclopes, que o torna invisível diante dos deuses e dos vivos. Esta capacidade é a raiz da origem do seu nome, Hades em grego significa invisível. O mito de Hades não gerou muitas lendas diretas, mas às criaturas adjacentes ao seu mundo. A lenda mais conhecida é a do seu amor por Perséfone (Prosérpina), movido por uma violenta e arrebatadora paixão que o faz raptar a jovem e levá-la da Terra para o subterrâneo do seu reino. No Érebo, o deus dos mortos faz de Perséfone a sua esposa, dividindo com ela o trono. A lenda do rapto de Perséfone, uma das mais belas da mitologia, retrata a origem da primavera sobre a terra. É o amor no mundo dos mortos estendo-se às belezas terrestres.

Mitologia Grega: Eros e Psique

EROS E PSIQUE


Psique era a mais nova de três filhas de um rei de Mileto e era extremamente bela. Sua beleza era tanta que pessoas de várias regiões iam admirá-la, assombrados, rendendo-lhe homenagens que só eram devidas à própria Afrodite.
Profundamente ofendida e enciumada, Afrodite enviou seu filho, Eros, para fazê-la apaixonar-se pelo homem mais feio e vil de toda a terra. Porém,ao ver sua beleza, Eros apaixonou-se profundamente.
O pai de Psique, suspeitando
que, inadvertidamente, havia ofendido os deuses, resolveu consultar o oráculo de Apolo, pois suas outras filhas encontraram maridos e, no entanto, Psique permanecia sozinha. Através desse oráculo, o próprio Eros ordenou ao rei que enviasse sua filha ao topo de uma solitária montanha, onde seria desposada por uma terrível serpente. A jovem aterrorizada foi levada ao pé do monte e abandonada por seus pesarosos parentes e amigos.
Conformada com seu destino, Psique foi tomada por um.profundo sono, sendo, então, conduzida pela brisa gentil de Zéfiro a um lindo vale.
Quando acordou, caminhou por entre as flores, até chegar a um castelo magnífico.

sábado, 15 de fevereiro de 2014

Mitologia Grega: Perseu e a Meduza

PERSEU E MEDUSA


Acrísio, rei de Argos, era pai de Dânae, uma linda moça, mas estava desapontado por não ter um filho. Quando consultou o oráculo sobre a ausência de um herdeiro homem, ele recebeu a informação que nunca geraria um filho, mas no futuro teria um neto, cujo destino era matar o avô.
Acrísio tomou medidas extremas para fugir deste destino e isolou Dânae no topo de uma torre de bronze. Ela permanecia em total reclusão até que um dia Zeus veio visitá-la na forma de uma chuva de ouro. Dânae deu à luz a Perseu, mas Acrísio ainda tinha esperanças de evitar o destino. Mandou construir uma grande arca, colocou Dânae e seu filho dentro e lançou-os ao mar. Lançada pelas ondas, a arca chegou às praias de Sérifo, uma das ilhas das Ciclades. Dânae e Perseu foram cuidados por um honesto pescador, Dictis, irmão do rei de Sérifo, Polidectes, um homem inescrupuloso. Com o passar do tempo, Polidectes apaixonou-se por Dânae, mas Dictis protegia Dânae das investidas do rei, enquanto Perseu crescia.

Mitologia Oriental: O pote vazio

O POTE VAZIO

Há muito tempo, na China, vivia um menino chamado Ping, que adorava flores. Tudo o que ele plantava florescia maravilhosamente. Flores, arbustos e até imensas árvores frutíferas desabrochavam como por encanto.Todos os habitantes do reino também adoravam flores. Eles plantavam flores por toda a parte e o ar do país inteiro era perfumado. O imperador gostava muito de pássaros e outros animais, mas o que ele mais apreciava eram as flores. Todos os dias ele cuidava de seu próprio jardim.Acontece que o imperador estava muito velho e precisava escolher um sucessor.Quem poderia herdar seu trono? Como fazer essa escolha?Já que gostava muito de flores, o imperador resolver deixar as flores escolherem.No dia seguinte, ele mandou anunciar que todas as crianças do reino deveriam comparecer ao palácio. Cada uma delas receberia do imperador uma semente especial. – Quem provar que fez o melhor possível dentro de um ano – ele declarou – será meu sucessor.A notícia provocou muita agitação. Crianças do país inteiro dirigiram-se ao palácio para pegar suas sementes de flores.Cada um dos pais queria que seu filho fosse escolhido para ser o imperador, e cada uma das crianças tinha a mesma esperança.Ping recebeu sua semente do imperador e ficou felicíssimo. Tinha certeza de que seria capaz de cultivar a flor mais bonita de todas.Ping encheu o vaso com terra de boa qualidade e plantou a semente com muito cuidado.Todos os dias ele regava o vaso. Mal podia esperar o broto surgir, crescer e depois dar uma linda flor.Os dias se passaram, mas nada crescia no vaso. Ping começou a ficar preocupado. Pôs terra nova e melhor num vaso maior. Depois transplantou a semente para aquela terra escuta e fértil.

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Artista cria Lindas Versões dos Personagens de Caverna do Dragão

O pintor e artista digital Alexandre Salles é ilustrador profissional desde 1991. O brasileiro utiliza técnicas de fotorrealismo e surrealismo e suas ilustrações estão presentes em livros de medicina e ciência para garantir uma melhor compreensão às informações dos textos.
Fugindo um pouco da área científica, o artista criou sua própria versão de um dos desenhos mais marcantes que já tivemos o prazer de assistir durante a infância: Caverna do Dragão. Veja as fantásticas ilustrações de Vingador, Tiamat, Mestre dos Magos, Hank, Presto, Eric, Sheila, Diana, Bobby e Uni.
dungeon_master_by_axlsalles-d5v1nco   eric_the_cavalier_by_axlsalles-d55d4op