Bem Vindos

Ola amigos bem vindos a Arcanoteca um espaço para RPG, mitologia, contos e curiosidades, esperamos que gostem do nosso conteúdo e nos visitem com frequência. (amigos nós não temos pop ups por favor deixem o seu ADblock desativado para nosso site pois isso nos ajuda muito a manter a Arcanoteca)

quinta-feira, 30 de julho de 2015

Menu Mitologia: Lilith

LILITH

Na Bíblia o nome da Lilith só aparece uma vez em: Isaías 34:14: E as feras do deserto se encontrarão com hienas; e o sátiro clamará ao seu companheiro; e Lilite pousará ali, e achará lugar de repouso para si.
Lilith é o demónio feminino, mãe de demónios. Possuidora de grande beleza, é a concubina preferida de Lúcifer, (uma das suas 5 esposas, a preferida delas), e possui o título de rainha do Inferno. Lilith é um Succubus – ver Succubus 
Lilith é na verdade a primeira mulher de Adão, a primeira mulher criada por Deus e que antecedeu Eva. Contudo ao contrário de Eva que foi criada a partir da costela de Adão, e que por isso era obediente, Lilith foi gerada em pé de igualdade com Adão, e por isso revelava traços de grande independência, o que desagradou ao seu esposo humano. Lilith era também livre e lasciva, sendo que se recusava a sujeitar sexualmente a Adão, ou sequer e submeter á sua suposta superioridade, ( Lilith recusava-se a ficar debaixo de Adão durante o coito, sendo que Adão não aceitava essa posição de inferioridade do macho ), o que muito desagradava ao primeiro homem. Por assim ser, Lilith abandonou o Paraíso e fugiu para o Mar Vermelho, onde conheceu e manteve relações com diversos demónios. Ao perceber que a sua esposa tinha fugido, Adão queixou-se chorosamente a Deus. Deus ouviu os lamentos de Adão, e assim enviou 3 dos seus anjos para ir buscar Lilith e faze-la regressar para junto do seu esposo. Lilith foi abordada pelos 3 anjos que a foram buscar, a quem maliciosamente respondeu que já não poderia regressar ao paraíso para viver na companhia do marido, pois já se tinha desgraçado nas suas prostituições com os demónios e não era digna do esposo.

quarta-feira, 29 de julho de 2015

Menu Artigos: Como utilizar símbolos mágicos

COMO UTILIZAR SÍMBOLOS MÁGICOS

Por C. Mariette, no Blog Martinismo e Cura. 

O símbolo está em relação com você, é um amigo, ele fala e escuta. Tudo é símbolo, ele está em toda parte. Alguns entre nós somos capazes de construir novos símbolos, novos mitos, novas lendas.

Para que serve o conhecimento se ele desembocar no vazio? Construir um símbolo é muito mais compensador do que poderíamos imaginar, então porque se privar deste uso legítimo.


COMO UTILIZAR UM SÍMBOLO ?

Selecione seu problema, uma dificuldade na vida, um desejo, uma necessidade verdadeira. O que deve fazer? De preferencia, no início, não escolha algo difícil, tudo pede um pouco de treinamento. Antes de correr uma maratona, uma distância de 500m é o suficiente, mas repetindo várias vezes.

Por exemplo: No caso de uma doença. Escolha um símbolo relacionado a uma saúde radiante; A imagem de um campeão no momento de seu triunfo ou a lâmina do taro da força, esta dama dominando as mandíbulas do leão. A primeira tem repercussões diretas obre o mental e o físico, o segundo símbolo atinge diversos planos.

Uma séria reflexão permitirá encontrar o símbolo de sua necessidade, evitando as armadilhas da aparência, como daquelas pessoas que desejaríamos nos tornarmos, mas cuja vida cotidiana é às vezes terrificante. ( estrelas de cinema, manequins, etc…).

terça-feira, 28 de julho de 2015

Menu Mitologia Oriental: Bushido

O BUSHIDO

Bushido(武士道 ?) literalmente, "caminho do guerreiro", é um código de conduta e modo de vida para os Samurai (a classe guerreira do Japãofeudal ou bushi), vagamente semelhante ao conceito de cavalheirismo que define os parâmetros para os Samurais viverem e morrerem com honra.É originário do código moral dos samurai e salienta a frugalidade, fidelidade, artes marciais, mestria e honra e até a morte. Nascido de duas principais influências, a existência violenta do samurai é atenuada pela sabedoria e pela serenidade do Confucionismo e do Budismo. O Bushido foi desenvolvido entre os séculos 9 e 12 e inúmeros documentos traduzidos a partir dos séculos 12 e 16 demonstraram a sua grande influência em todo o Japão, embora alguns estudiosos terem mencionado que o "termo Bushidō em si é raramente mencionado na literatura pré-moderna".Durante o período da ditadura militar feudal Xogunato Tokugawa estabelecida no Japão em 1603 por Tokugawa Ieyasu, os aspectos do Bushido ficaram formalizados no Direito Feudal japonês. A Lenda dos 47 samuráis", é uma história japonesa, considerada como lenda nacional neste país, por vários estudiosos. Este evento aconteceu aproximadamente entre 1701 e 1703. É a lenda mais famosa do código de honra Samurai: o Bushidō.A história conta que um grupo de samurais (exatamente 47) foram forçados a se tornarem rōnin (浪人?)(Samurais sem um senhor), de acordo com o código de honra samurai,depois que seu daimyō (senhor feudal) foi obrigado a cometer seppuku (ritual suicida) por ter agredido um alto funcionário judicial nomeado Kira Yoshinaka, em uma sede do governo.

sábado, 25 de julho de 2015

Menu Mitologia Grega: Cronos - O senhor do Tempo

CRONOS - Senhor do Tempo

Na mitologia grega , Cronos / k r oʊ n ə s / ou Kronos / k r oʊ n ɒ s / ( grego : Κρόνος , Kronos ) era o líder e mais jovem da primeira geração de Titãs , os descendentes divinos de Urano , o céu, e Gaia , a Terra. Ele derrubou seu pai e governou durante o mitológico Idade de Ouro , até que foi derrubado por seu próprio filho Zeus e preso em Tártaro .

Cronos foi geralmente representado com um Harpe , Scythe ou foice , que foi o instrumento que ele usou para castrar e depor Urano , seu pai. Em Atenas , no décimo segundo dia do mês Sótão de Hekatombaion , um festival chamado Kronia foi realizada em honra de Cronos para celebrar a colheita, o que sugere que, como resultado de sua associação com a Idade de Ouro virtuoso, Cronos continuou a presidir como um patrono da colheita . Cronus também foi identificado em antiguidade clássica com a divindade romana Saturno .
Mitologia grega e mitos primitivos 
Em um mito antigo gravado por Hesíodo 's Teogonia , Cronos invejava o poder de seu pai, o governante do universo, Urano. Urano atraiu a inimizade de mãe Cronus ", Gaia , quando ele escondeu os gigantescos crianças menores de Gaia, a cem entregou Hecatonchires e de um olho só Cyclopes , no Tártaro , de modo que eles não vejam a luz. Gaia criou uma grande foice de pedra e ajuntaram Cronos e seus irmãos para persuadi-los a castrar Urano. 

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Ritual da Boa Sorte

RITUAL DE BOA SORTE

Olá amigos para aqueles que gostam de misticismo e não vêem nada de mais em tentar métodos alternativos para aumentar as chances de sucesso em suas buscas do dia dia trago para vocês um Ritual mágico para aumentar a boa sorte no dia. Esse ritual busca potencializar as boas energias para que nesse dia você tenha um pouco mais de sorte. Para que o Ritual funcione e necessário ter um objetivo pratico em mente. (busca de emprego, tentativa de promoção, etc.)

O Ritual funciona da seguinte maneira, assim que você acordar você deve tomar um bom banho para lavar todas as energias da noite, não precisa ter nada de diferente apenas tome seu banho, depois coma alguma coisa e escove os dentes. Antes que você deixe o seu lar para mais um novo dia você deve se sentar no chão (pode ser de sua casa mesmo) com o peito dos pés e os joelhos tocando o solo. Então faça um circulo de giz branco ao seu redor começando da direita para a esquerda, e por fora deste circulo outro começando da esquerda para a direita. Em seguida você deve repousar as palmas das mãos sobre as coxas respirar fundo e mentalizar o seu objetivo. Enquanto mentaliza repita o seguinte mantra 5 vezes. 

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Menu Artigos: Magia do Caos

MAGIA DO CAOS

Do ótimo blog: Teoria da Conspiração

Qual é o melhor livro de Magia do Caos para iniciantes? Essa é provavelmente uma das perguntas mais frequentes que me fazem. Os primeiros livros de Peter Carroll ainda possuem influência forte da magia cerimonial tradicional, enquanto seus livros mais recentes (com a possível exceção de Epoch) estão repletos de fórmulas matemáticas e explicações de física para serem plenamente compreendidos por todos. Sendo assim, eu costumo recomendar “Understanding Chaos Magic” de Jaq D Hawkins, especialmente por conter uma história da Magia do Caos e explicações acessíveis sobre a Teoria do Caos. Esse é um dos livros mais populares de MC na Alemanha.

A partir de alguns conceitos apresentados nesse livro, irei delinear algumas ideias gerais do que seria o caoísmo na magia. Essa não é uma tarefa fácil, já que esse sistema de magia moderna (metassistema, ou “atitude” em relação à magia) está constantemente se transformando e com certeza não é mais o mesmo que era na década de 70. Porém, saber o que estava ocorrendo no cenário do ocultismo, na ciência e na arte algumas décadas atrás nos dará boas pistas dos motivos de algo como a MC ter surgido, alguns de seus objetivos e importância.
Jaq D Hawkins pediu para Kenneth Grant, que guardou muitos dos escritos de Austin Osman Spare, responder a uma série de perguntas sobre seu velho amigo, o que resultou numa história detalhada e exclusiva sobre o autor. A própria palavra “Caos” é primeiramente associada com AOS, e a IOT seria posteriormente considerada por Carroll como a herdeira mágica do Zos Kia Cultus (Ordem espiritual desenvolvida por Spare). A obra SSOTBME de Ramsey Dukes e os escritos de AOS influenciariam os magistas que formariam a IOT.

quarta-feira, 22 de julho de 2015

Menu Mitologia Oriental: Ronin

RONIN

Um Ronin(浪人; 浪 = Onda, 人 = Homem). foi, no Japão feudal, um samurai que não seguia a um daimyo, ou seja, que não possuía um mestre. Era considerado o mais extensa e profunda forma de penitência de um guerreiro samurai, pois além de não mais possuírem o direito de ter um mestre para seguir, os ronins não podiam ceifar a própria vida através do seppuku, uma ação vista como restauradora da honra, estando eles "presos" à uma vida de uma "inominável desonra" — não possuindo, portanto, um sentido para sua existência. O samurai que perdesse seu daimyo deveria praticar o seppuku (切腹) de acordo com o bushido (武士道), porém houve casos em que isso não ocorreu, seja por vontade do daimyo, ou por diversos outros motivos como, por exemplo, a vingança dos quarenta e sete ronin (na língua japonesa não há variação entre singular ou plural nas palavras, ambas as formas tem a mesma grafia e pronúncia, sendo diferenciadas apenas pelo artigo ou número).Os ronin não seguíam o principio básico do bushido de lealdade ao daimyo - lembrado que ser ronin nunca foi uma opção e sim uma condição imposta normalmente pelo daimyo - sendo assim, não eram considerados samurai, mas ainda assim portavam um daisho (大小), o símbolo máximo da casta samurai.Ser ronin consistia em viver peregrinando, ocupando-se de pequenos serviços em troca normalmente da refeição do dia e da pratica das artes samurai. Os ronin tornaram-se temidos por sua grande habilidade em combate e por sua independência do código samurai, o que os tornava muito mais temíveis que os já temidos samurai.

terça-feira, 21 de julho de 2015

Tudo sobre o Hulk

TUDO SOBRE O HULK - DOSSIÊ COMPELTO

Ola amigos, estava eu peregrinando pelo youtube quando de deparo com um excelente canal, cujo assunto são quadrinhos, o ótimo CENTRA HQS. E só para dar um gostinho resolvi trazer para vocês uma séries de vídeos onde eles revelam e explicam praticamente TUDO sobre o Incrível HULK !!!. Espero que gostem !!

HUUULLKK SMAAASH !!



segunda-feira, 20 de julho de 2015

Menu Artigos: Os Tipos de Lobisomen

OS TIPOS DE LOBISOMEN

Lobisomem ou lican (do grego λυκάνθρωπος: λύκος, lykos, "lobo" e άνθρωπος, anthrōpos, "homem"), é um ser lendário, com origem na mitologia grega, segundo as quais, um homem pode se transformar em lobo ou em algo semelhante a um lobo em noites de lua cheia, só voltando à forma humana ao amanhecer.
Tais lendas são muito antigas e encontram a sua raiz na mitologia grega. Segundo As Metamorfoses de Ovídio, Licaão, o rei da Arcádia, serviu a carne de Árcade a Zeus e este, como castigo, transformou-o em lobo .Uma das personagens mais famosas foi o pugilista arcádio Damarco Parrásio, herói olímpico que assumiu a forma de lobo nove anos após um sacrifício a Zeus Liceu, lenda atestada pelo geógrafo Pausânias.
Segundo lendas mais modernas, para matar um lobisomem é preciso acertá-lo com artefatos feitos de prata.

Tipos:

• Simbiontes: (homo Lúpus hominídeo, ou hominídeo) Os que mais se parecem com humanos, tendo um cheiro mais puxado para o dos humanos, dificultando assim ser encontrado e um dos mais controlados. Eles são da raça dos mortais, podendo ser transformados pela transição hereditária ( de geração em geração), ou pela mordida.

sábado, 18 de julho de 2015

Menu Contos: O Afogado

O AFOGADO

Os primeiros meninos que viram o volume escuro e silencioso que se aproximava pelo mar imaginaram que era um barco inimigo. Depois viram que não trazia bandeiras nem mastreação, e pensaram que fosse uma baleia. Quando, porém, encalhou na praia, tiraram-lhe os matos de sargaços, os filamentos de medusas e os restos de cardumes e naufrágios que trazia por cima, e só então descobriram que era um afogado.Tinham brincado com ele toda a tarde, enterrando-o e o desenterrando na areia, quando alguém os viu por acaso e deu o alarme no povoado. Os homens que o carregaram à casa mais próxima notaram que pesava mais que todos os mortos conhecidos, quase tanto quanto um cavalo, e disseram que talvez tivesse estado muito tempo à deriva e a água penetrara-lhe os ossos. Quando o estenderam no chão viram que fora muito maior que todos os homens, pois mal cabia na casa,mas pensaram que talvez a capacidade de continuar crescendo depois da morte estava na natureza de certos afogados. Tinha o cheiro do mar e só a forma permitia supor que fosse o cadáver de um ser humano, porque sua pele estava revestida de uma couraça de rêmora e de lodo.Não tiveram que limpar seu rosto para saber que era um morto estranho. O povoado tinha apenas umas vinte casas de tábuas, com pátios de pedra sem flores, dispostas no fim de um cabo desértico. A terra era tão escassa que as mães andavam sempre com medo de que o vento levasse os meninos, e os poucos mortos que os anos iam causando tinham que atirar das escarpas. Mas o mar era manso e pródigo, e todos os homens cabiam em sete botes. Assim, quando encontraram o afogado, bastou-lhes olhar uns aos outros para perceber que nenhum faltava.Naquela noite não foram trabalhar no mar. 

quarta-feira, 15 de julho de 2015

AS AVENTURAS DE HÉRCULES E DE ISIS



Ainda dá tempo de apoiar!


“As Aventuras de Isis” conta a história da formação do mundo Egípcio, do casamento de Ísis e Osíris, da traição de Set e a busca pelas partes de Osíris por todo o Egito, encontrando diversos outros deuses em sua jornada iniciática.

“As Aventuras de Hércules” conta a incrível história do herói solar Hércules e seus doze trabalhos, representações da passagem do sol pelos doze signos zodiacais e também nossa jornada interior em busca da iluminação.

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Menu Artigos: Magia Negra no Feng Shui

MAGIA NEGRA NO FENG SHUI

Por Gilberto Antônio Silva

As pessoas de modo geral têm uma visão bastante equivocada do Feng Shui. Acham que é aquilo que aparece nas revistas de decoração e programas femininos, onde se coloca um sofá cor de mostarda na sala para harmonizar o “cantinho da prosperidade”. Isso tudo é bobagem. O Feng Shui tradicional chinês é uma poderosa ferramenta para se manipular energia. E manipulação de energia pode ser usada para qualquer fim que se deseje, benéfico ou não. Vou mostrar um bom exemplo disso.
Antes gostaria de deixar clara minha definição de “magia negra”, que muitos poderão achar simplista, mas que considero muito prática e objetiva: Magia Negra é toda manipulação de energia sutil ou forças naturais com finalidades egoístas e/ou que causem prejuízos a outros de modo deliberado. Dentro do Feng Shui existem várias técnicas de estudo das formas do ambiente que se incluem nas chamadas “Escolas das Formas” como “Luan Tou” (“Topo da Montanha”) ou “Xing Fa” (“Método da Forma”). Acredito que não precise explicar aqui a importância das formas geométricas e suas influências energéticas, fartamente exploradas pelos grandes iniciados antigos, dentre eles os taoistas chineses.

sábado, 11 de julho de 2015

Menu Artigos: O Plano Astral

O PLANO ASTRAL

Por Adi:

Eliphas Lévi descreve a Luz Astral como sendo um agente que é natural e divino, material e espiritual, um mediador plástico universal, um receptáculo comum das vibrações cinéticas e das imagens das formas, um fluído e uma força, que podem de certo modo ser chamados de Imaginação da natureza, e diz que essa força é o grande arcano da magia. Já a definição que muitos esoteristas dão ao Plano Astral, é que se trata de um estágio de substância plástica refinada, menos densa e grosseira que a matéria, de natureza magnética e elétrica, servindo como o fundamento real sobre o qual as formas e o acúmulo de átomos do universo físico se ordenam a si mesmos. É dito também que o Plano Astral é povoado por vários tipos de espíritos, desde os desencarnados, até por espíritos de luz, de anjos e demônios a elementais, que esse plano compreende desde as faixas mais densas vibratórias (infernais) até as mais elevadas e sutis, que há cidades como as daqui do plano material, e que é pra esse plano que os desencarnados vão depois da morte.

quinta-feira, 9 de julho de 2015

Menu Artigos: As Diferenças entre Magia e Magia Negra

AS DIFERENÇAS ENTRE MAGIA E MAGIA NEGRA

Fonte: Anoitan 

Muitos acreditam que praticar magia está relacionado a criar efeitos mágicos como fazer chover, enriquecer, parar uma tempestade, ou seja, controlar os elementos da natureza, obter poder e controle até mesmo sobre outras pessoas, entre outras proezas. Por isso os ingênuos e iludidos e também os mal intencionados participam dos muitos grupos de magia espalhados pela net com o único intuito de tais proezas.
Depois da febre que o livro “O Segredo” causou por ter disseminado que tudo é possível de se criar nesse nosso universo material, e de que querer é poder, partindo do pressuposto de que se seguir  determinadas fórmulas e práticas mágicas que eram de conhecimento dos bem sucedidos, sábios e ricos homens do passado, práticas essas que pertenciam à determinadas ordens herméticas e secretas, é indiscutível que muito do interesse na prática da magia atualmente, esteja voltado pra esses interesses materiais citados acima.
Uma das primeiras coisas que se ensina na prática da magia é como criar uma forma pensamento bem definida, associada com a vontade e com o sentimento, porque o quanto mais ela for definida muito maior a probabilidade dela se materializar. E nunca antes as pessoas gastaram tantos neurônios e tempo visualizando a “ferrari” na garagem e uma casa dos sonhos.
E só pra ficar claro, eu não estou dizendo que sonhar com essas coisas seja errado, ou que pensar em ganhar dinheiro e ficar rico seja errado também. Não é esse o sentido do post, mas é sobre a utilização da magia com esse intuito.

quarta-feira, 8 de julho de 2015

Menu Alquimia: Alquimia, Individuação e Orobóros: Hermes Trismegisto

ALQUIMIA, INDIVIDUAÇÃO E OROBÓROS: Hermes Trismegisto

O que está em cima é como o que está embaixo.
E o que está embaixo é como o que está em cima
– Princípio da Correspondência (O Caibalion)

Esta é a terceira parte da série de sete artigos “Alquimia, Individuação e Ourobóros”, que é melhor compreendida se lida na ordem. Caso queira acompanhar desde o começo, leia as parte 1 e 2.

Hermes Trismegisto

A alquimia é uma ciência antiga, cujos primórdios são incertos, porém encontrados ao longo de muitos anos e civilizações, como uma arte. Os objetivos da realização do trabalho alquímico são, entre outros, transformar metais densos em ouro, e obter o elixir da vida, a pedra filosofal, que garante a vida eterna, através da manipulação da prima matéria.As origens da Alquimia são associadas à figura emblemática de Hermes Trismegisto. Tal entidade, é na verdade resultado de diversos sincretismos ao longo do tempo e, à ela, foi atribuída a autoria dos textos alquímicos e herméticos mais importantes da história, como a “Tábua de Esmeralda” e “Corpus Hermeticum” . Um sincretismo religioso é o processo de absorção da cultura e influência religiosa de um sistema, por outro. Por exemplo, o arquétipo da Deusa Afrodite, é análogo à Vênus romana, cujo culto tem origens a adoração da Deusa fenícia Astarte.Os representantes mais relevantes destes sincretismo são o Deus Egípcio Thoth e o Deus grego Hermes (sendo o equivalente romano, Mercúrio).

terça-feira, 7 de julho de 2015

Menu Contos: Nascimento de um Personagem

NASCIMENTO DE UM PERSONAGEM

por Franciolli, Tomo de Velino 

Algum de vocês aí é pai? Sim? Não?
Somente quem é pai E jogador de RPG entende a angústia sobre a qual vou lhes falar.
Quando o pai é participativo, durante uma gravidez normal, suas preocupações só começam na hora do parto, ou pelo menos é nesta hora que elas se intensificam e se tornam críticas. A angústia, apreensão e aflição são tamanhas que até a respiração falha.
Em meu mundo, nascemos de uma forma ligeiramente diferente!
No meu nascimento EU me senti assim, por que no meu mundo, existimos antes de sermos concebidos na forma de consciência elementar e tenha certeza que não gostamos nem um pouco da sensação de ser abortados.
No meu mundo somos concebidos a partir de uma ideia e para existirmos fisicamente precisamos de infusão divina que são os dados sendo rolados.
É esta infusão divina que nos direcionará, que nos guiará rumo ao que seremos, mas elas não ditarão o que seremos e nem onde vamos chegar. Isso cabe a nossa capacidade em vencer os obstáculos que nos são impostos, os que impomos sobre nós mesmos e a alguma limitação com a qual nasçamos (sim, não somos uma sociedade espartana).

sábado, 4 de julho de 2015

Menu Alquimia: Alquimia, Individuação e Ourobóros: Psicologia Analítica

ALQUIMIA, INDIVIDUAÇÃO E OROBÓROS: Psicologia Analítica 

“Só o que está separado pode ser devidamente unido.”
– Alquimista desconhecido



Esta é a segunda parte da série de sete artigos “Alquimia, Individuação e Ourobóros”, que é melhor compreendida se lida na ordem. Caso queira acompanhar desde o começo, leia a introdução.

sexta-feira, 3 de julho de 2015

Menu Mitologia Grega: Pentesileia e Hipólita

PENTESILEIA E HIPÓLITA

Na mitologia grega, Pentesileia foi uma rainha amazônica, filha de Ares e Otrera, e irmã de Hipólita, Antíopa e Melanipe. O Pseudo-Apolodoro diz como Pentesileia entrou na guerra de Troia: Pentesileia e sua irmã Hipólita estavam caçando quando esta acidentalmente matou Hipólita com sua lança. O acidente causou tanta dor em Pentesileia que ela tinha vontade de morrer, mas como uma guerreira amazona tinha quer fazer em batalha. Dessa forma ela foi facilmente convencida a entrar na guerra de Troia
Alguns escritos narram a entrada de Pentesileia na guerra de Troia:

"Esses foram os jogos funerais de Heitor. E agora chegou uma Amazona, a grande filha do coração do homem - degolado Ares."

"Agora eles dizem que foi Pentesileia das Amazonas para ganhar distinção de bravura e que, para o futuro da corrida diminuída cada vez mais e, em seguida, perdeu toda a sua força, consequentemente, em tempos mais tarde, sempre que qualquer escritores recontar sua valentia, os homens consideram o histórias antigas sobre as Amazonas a serem contos fictícios ". (Diodorus Siculus, ii. 46).

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Menu Alquimia: Alquimia, Individuação e Ourobóros: Introdução

 ALQUIMIA, INDIVIDUAÇÃO E OROBÓROS: Indtrodução

Introdução

O homem que volta ao mesmo rio, nem o rio é o mesmo rio, nem o homem é o mesmo homem. Esta suma de Heráclito define bem a constante transformação do 
indivíduo e denota como a transformação é um aspecto presente, tanto no homem quanto na natureza. As coisas fluem, mudam, se transformam e transmutam.
Assim é a consciência, um sistema em constante transformação, porém, com que finalidade? 

A vida humana é calcada por ciclos. A primeira infância, segunda infância, puberdade, adolescência, juventude e vida madura são as etapas comumente conhecidas no desenvolvimento humano. Simbolicamente, cada ciclo pode ser interpretado como uma nova vida, e o fim dos ciclos como uma morte. A vida, morte e ressureição, são então, etapas arquetípicas do desenvolvimento psico-espiritual, no qual, para atingir um novo nível de consciência, é necessário realizar sacrifícios e abdicar dos antigos paradigmas da consciência, se integrar, mudar e melhorar.

quarta-feira, 1 de julho de 2015

Menu Mitologia: Hastur, Mythos de H.P. Lovecraft

HASTUR - Mythos de H.P. Lovecraft

Hastur é classificado pelos estudiosos do Mythos de Cthulhu como um dos mais poderosos Grandes Antigos. 
Assim como os outras divindades ancestrais, Hastur é suscetível ao poder cósmico que o mantém aprisionado no coração de uma estrela negra próxima ao Sistema de Aldebaran, na constelação de Touro. Há controvérsia a respeito de sua origem. Alguns o consideram uma entidade cósmica, gerada através de um dos movimentos cíclicos de Azathoth no centro do Universo. Para outros a origem de Hastur poderia ser traçada até alguma realidade paralela ou dimensão pouco conhecida, da qual ele escapou ou foi ejetado incontáveis milênios atrás.
Hastur se relaciona a várias simbologias e lugares, nomes como Carcosa, o críptico Símbolo Amarelo, o Lago de Hali, e o Rei Amarelo são repetidos exaustivamente dentro de sua mitologia e fazem parte de um bem definido conjunto de ethos e princípios dogmáticos. De todas as entidades do Mythos, Hastur talvez seja o que mais se aproxime de constituir uma religião organizada. O Deus está ligado a princípios como niilismo, decadência e estagnação.
No passado, ele foi venerado por humanos na Samaria, Attluma e Hyboria. Seus cultistas se reuniam para ouvir as palavras de sacerdotes que professavam uma espécie de evangelho conhecido como "Verdades do Impronunciável". Ironicamente, Hastur atendia também pelo nome de Kaiwan, o deus patrono dos pastores, peregrinos e viajantes que era considerado benigno. O culto existiu na Atlântida Antediluviana e chegou até a Hyperborea, embora não tenha conseguido penetrar nesses lugares e garantir um grande número de adeptos.