Bem Vindos

Ola amigos bem vindos a Arcanoteca um espaço para RPG, mitologia, contos e curiosidades, esperamos que gostem do nosso conteúdo e nos visitem com frequência. (amigos nós não temos pop ups por favor deixem o seu ADblock desativado para nosso site pois isso nos ajuda muito a manter a Arcanoteca)

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Cenário Egrégora: O principio.



No Princípio ...

No princípio só havia o Nada, portanto nada mais existia. Então o onipresente nada se dividiu em duas grandes forças cósmicas, o Caos e a Ordem. 
 O Caos era um força criadora, criativa, movimentadora que criava e colocava tudo em movimento. A Ordem uma força ordenadora, de inércia, de estase, colocando fim ao movimento que Caos começava tudo que o Caos criava e colocava em movimento a Ordem ordenava e paralisava novamente e assim ambos Irmãos criaram outra entidade cósmica o Tempo, o tempo era o período que existia entre o Caos colocar alguma criação em movimento e a Ordem cessar esse movimento. Desta forma o universo foi sendo criado e expandido inúmeras nebulosas, galaxias, constelações e ate mesmos dimensões foram sendo criadas pelas forças do Caos e da Ordem. Em determinado momento o Caos insatisfeito com o efeito de sua irmã, a Ordem, em suas criações teve uma grande idéia e dividindo parte do seu poder criou aquilo que seria tão poderoso quando ele mesmo, uma força tão caótica e ilimitada que certamente desequilibraria o Cosmos ele criou o seu avatar a Vida. A Vida imediatamente começou a se instalar no universo recém criado explodindo em incontáveis formas e faces, criando se infiltrando e se adaptando o poder de adaptação e mutação da vida era tremendo. A Ordem não sabia como lidar com as suas criações então foi se aconselhar com o sábio Tempo, após a conversa ela decidiu que não tinha outra saída senão fazer o mesmo abdicar de parte de seu poder e criar uma antítese para a Vida, o avatar da Ordem a Morte. Assim a Vida e a Morte tal qual seus criadores o Caos e a Ordem e o Tempo foram as grandes e principais forças cósmicas do Universo. 
Mas vamos deixar de lado um pouco a Macro Criação e vamos falar de um planeta que existe na nebulosa de Valtartar na galaxia Z61Xz no quadrante D25 se trata de Egrégora. 
Mas porque escolhi este local especificamente? Porque Egrégora foi de todo o infinito Cosmos o primeiro lugar tocado pela Vida, antes mesmo que a Ordem criasse sua antítese, a Morte, assim em Egrégora existe algo único em todo Cosmos: seres completamente imortais. 

Sobre Egrégora…

Egrégora é o quinto corpo planetário de um sistema solar de 12 planetas. O planeta se originou como todos os outros 11 de uma grande explosão de seu Sol, então passou a orbita-lo sendo o seu 5º pedaço por assim dizer. Enquanto orbitava o sol começou a aglutinar poeria cósmica e a esfriar entrando em um período glacial (mas mantendo seu núcleo quente), apos isso entrou em degelo e foi nessas circunstâncias que a vida o tocou. A atmosfera de Egrégora, força gravitacional, tamanho e passagem do ciclo temporal (comprimento dos dias, noites e das horas) são semelhante as da Terra porém em Egrégora existe a magia primordial, a energia cósmica que criou o universo e tudo que existe oriundos diretamente do próprio Caos. 

Quando a Vida tocou Egrégora só existiam elementos e minerais então as primeiras expressões de vida que foram criadas foram os quatro Grandes Dragões elementais, todos criaturas compostas de elementos vivos com a energia primordial circulando bruta em suas veias eram eles:

Ignis o Ardente: Dragão elemental do fogo, pai de todas as magias que usam o elemento fogo, luz e raio, ancestral de todos os dragões que cospem chamas, raios ou luz. Dizem que Ignis foi responsável pela criação dos humanos, halflings, Orcs e das Salamandras. Ignis é o mais velho e líder dos “Quatro Grandes” embora decidam os rumos do mundo por votação inúmeras vezes ele toma as rédias e impõe a seus irmãos sua vontade. E eles obedecem muito mais por respeito do que por qualquer outro fator afinal nenhum deles pode morrer e todos são imensuravelmente poderosos. 




Alquerion o Inconstante: Dragão elemental da água, pai de todas as magias que usam água, ácidos e o frio como elemento, ancestral de todos dragões que cospem ácidos e gelo. Embora todos os grandes dragões elementais possam mudar sua forma ao bel prazer Alquerion tem sua forma em constante mudança sempre em movimento jamais permanece por mais de 3 segundos com a mesma aparência. Dizem que foi o criador dos Elfos, tritões e os elementais da água. Também é dito que todos os monstros e seres aquáticos são seus descendentes. Alquerion é paciente e extraordinariamente inteligente costuma ser o mediador e o pacificador quando os irmãos resolvem ir as vias de fato. (o que é raro mas acontece). Ele é o segundo mais velho.  

Zephirus o Intocável: Dragão elemental do Ar, pai de todas as magias que usam o ar,gazes e a força gravitacional ou a ausência dela, (voô) como elemento. Também e o ancestral de todos dragões que cospem gazes e de inúmeras criaturas voadoras. Dizem que ele foi o criador dos Genasi, Djins e dos elementais do Ar. De todos os quatro grandes esse sem dúvidas é o mais veloz, Zephirus é hiperativo e pouco paciente. Ele também é o mais jovem  dos 04 grandes, sua peculiaridade é gostar de fazer brincadeiras e pregar peças nas outras raças.  De natureza zombeteira o espirituoso Zephirus prefere evitar combates mas quando não consegue usa todo seu poder para por fim logo ao assunto e ficar livre para se ocupar com outra coisa mais divertida. 




Therranus o Inexorável: Dragão elemental da Terra, pai de todas as magias que usam a terra, os metais e a escuridão como elemento, também dizem ser o inventor dos encantamentos e do efeito permanência que algumas magias possuem. Também é o ancestral de todos monstros subterrâneos e Vormes Gigantes. Dizem ser o criador dos Anões, Goblióides, Gigantes, Taurens, e de todos elementais da Terra. Embora seja muito sábio Therranus tem um temperamento difícil e rabugento, somente tolera a presença de seus irmãos quando é necessário que tomem a decisão de fazer alguma intervenção de outra forma ele  fica adormecido nas entranhas do mundo. Lendas dizem que os terremotos são causados por ele sempre que é despertado. 



Alem disso todos os quatro grandes por terem a energia primordial correndo em suas veias também controlam as magias de Cura, Telecinesia, Telepatia, Teletransporte, Transmutação, Invocação, Ilusão e todas escolas que existem exceto a Necromancia, afinal eles foram criados antes da existência da morte. Sendo esse conhecimento exclusivo das raças posteriores. 

No principio  Egrégora tinha apenas um macro continente e um mega oceano. Mas quando a Morte chegou ao planeta em busca de eliminar as crianções da Vida ela se deparou com os 04 Grandes e mesmo sendo incapaz de eliminá-los a batalha que se seguiu foi de proporções inimagináveis tamanho o poder desencadeado no confronto dos 04 Grandes contra a Morte que o macro continente se partiu e quatro pedaços espalhados pelo globo, com isso criando também 04 oceanos. Cada um dos 04 grandes ficou em um continente por um grande período de tempo após o combate estabelecendo a fauna e flora para somente muito depois se retirarem para seu descanso. Mesmo não derrotando os 04 Grandes a morte marcou sua existência em Egrégora e a partir daquele combate tudo que nasceu passou também a morrer. 

Therranus e Alquerion  em especial, foram os responsáveis pela criação de todas as plantas e vegetais em suas formas ancestrais, posteriormente assim como todas as coisas que tem vida elas evoluíram e se misturaram em muitas mais formas  e espécies. Os Quatro Grandes também criaram todos os Ancestrais de todos os animais bem como de todas as raças, que com o tempo também multiplicaram se adaptando as mudanças do planeta e se misturando gerando novas linhagens enquanto outras pereciam. Em outras palavras evoluindo. A unica exceção seriam os celestiais e os seus pares os abissais pois estes foram criados pelos deuses.  

Falando nisso mas e os Deuses ??...

Depois de milhares de anos Os Quatro Grandes resolveram deixar o rumo do mundo para suas criações, Ignis se retirou para o núcleo quente do planeta e lá permanece adormecido, Alquerion se estabeleceu nas profundezas do oceano e deslocasse de tempos em tempos, Therranus continuou a dormir nas entranhas do mundo e Zephirus se espalhou como o vento por toda a parte, dizem que esta acordado e aprontando suas travessuras, mas como prometeu aos irmãos, sem nunca intervir diretamente no rumo que as coisas tomam. As raças foram evoluindo e ficando inteligentes, era o incio da era dos Dragões. Os Dragões Cromáticos, Metálicos e Gema foram as raças que mais rápido evoluíram enquanto as demais raças ainda aprendiam sobre como viver em cavernas os dragões já dispunham de cidadelas e do controle sobre a magia que ainda era muito viva e abundante no mundo, os dragões desenvolveram a matemática, o alfabeto  Drak, composto de runas em dracônico arcaico e os princípios do método cientifico. Não demorou eles começaram a fazer as grandes perguntas filosóficas: “de onde viemos”, “para onde vamos”, “o que acontece quando morremos”. Sim embora tenham uma vida absurdamente longa para os padrões de qualquer outra raça, os dragões de carne podem morrer de velhice, apenas os dragões da linhagem de Ignis que ainda possuem a energia primordial em seus sopros de fogo e luz que são imortais pela ação do tempo mas podem ser mortos pela ação da violência, fome ou doença.
Tentando responder as grandes perguntas filosóficas nasceu a mitologia dracônica e o panteão dos deuses dragões. Esses deuses, a muito esquecidos, foram cultuados pelos dragões e seriam a personificação de conceitos como “o justo” ou “o Destruidor” ou “o bom” ou “o mal” e de fato estas divindades pré-históricas passaram a existir pela força da fé de seus adoradores. Assim os primeiros Deuses foram criados do imaginário dos dragões. 

Conforme a era dos dragões terminava também o poder de seus deuses se acabava, os dragões perderam suas cidadelas, assim como seus deuses perderam os seus templos e os seus fiéis. Logo os dragões passaram a ser raramente vistos em grupos, muitos começaram a se esconder e se isolar, os sobreviventes menos inteligentes perderam a civilidade e começaram a entrar em conflito com as outras raças, os mais espertos conseguiram ser idolatrados ou mesmo manter coexistência pacífica com as outras raças. Estas cada vez eram mais numerosas e também poderosas. As outras raças que eram mais lentas na evolução mas em números muito superiores, logo tomaram todos os territórios do mundo e assim como os dragões eles também passaram a tentar responder as grandes perguntas filosóficas criando assim a Mitologia e a Religião tanto Humana, Elfica, Anã, Orc, Goblinóide e de todos os seres pensantes. Desta maneira  criou-se todos Deuses e seus panteões. Embora sejam criações dos seus adoradores e recebam seus fabulosos poderes da energia mistica da fé, os Deuses não sabem disso. Eles são, e se comportam como foram idealizados, assim temos deuses da Vida e da Morte mesmo sendo tais forças muito mais antigas do que eles. O poder do imaginário juntamente com a grande abundancia de magia primordial fez com que esses seres fossem possíveis, mais uma das façanhas do Caos… e da Vida. Como sera que a Ordem e a Morte lidam com isso? Simples eles direcionam as raças para a auto-destruição incutindo ganancia, soberba e o fanatismo nos seres uma vez que uma raça termina seus deuses também terminam. 

Os Deuses foram os responsáveis pela criação de duas raças pensantes: os Celestiais e os Abissais (que posteriormente procriaram com as demais raças criando os Asimars e os Thieflings). Também foram os Deuses que perpetuaram alguns dos conceitos criados pelos dragões como o Bem e Mal. Dessa forma por mais irônica que possa parecer é atribuído aos Deuses a criação e a manutenção do universo. Mas vale lembrar que os deuses não são imortais e atemporais eles são extremamente vulneráveis as mudanças do mundo, se uma raça desaparece ou deixa de depositar sua fé neles, eles desaparecem e deixam de existir como ocorreu com os deuses dos dragões. Essas criaturas por mais virtualmente poderosas que sejam são quiméricas e passageiras perante a existência do mundo. Essa fraqueza no entanto não é de conhecimento de ninguém o que deixa os deuses de certa forma em uma posição de tranquilidade. 

Quem sou eu e como sei destas coisas?...

Ora meu caro a essa altura eu pensei que já tivesse deduzido quem sou eu que detenho todo esse conhecimento, eu sou o Caos, sim isso mesmo a entidade. E você será meu mais novo agente. Você sera o “Mestre” lhe darei um escudo de possibilidades junto com os Dados do Improvável, bem como o poder de criar e controlar vidas mundos e dimensões e espero que com esses poderes quase iguais aos meus você possa narrar feitos impossíveis e divinamente heroicos nesse mundo que lhe apresento. E lembre-se tudo que o Caos deseja é muita diversão !!!

Espero que tenham gostado!!
Até a próxima. 
Autor: MárcioLasombra

4 comentários:

  1. é possível conseguir o contato do autor deste cenário?
    forte abraço.

    ResponderExcluir
  2. É possível conseguir o contato do autor deste cenário?
    kpek2013@gmail.com

    ResponderExcluir
  3. sim e so escrever para arcanoteca@gmail.com

    ResponderExcluir