Bem Vindos

Ola amigos bem vindos a Arcanoteca um espaço para RPG, mitologia, contos e curiosidades, esperamos que gostem do nosso conteúdo e nos visitem com frequência. (amigos nós não temos pop ups por favor deixem o seu ADblock desativado para nosso site pois isso nos ajuda muito a manter a Arcanoteca)

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Mitologia Egipcia - AKHENATON NEFERTITI E ATOM

ATON e  AKHENATON - unha e carne



O deus Aton e o Faraó Akhenaton, juntos mudaram, por mais de uma década, a base religiosa do Egito. O líder político e religioso, tentou ensinar ao povo o sentido amplo do amor, sentido que o povo não estava preparado para assimilar. A mudança religiosa, rotulou Akhenaton como o Faraó Herético ou o Faraó Maldito, rótulo que sobreviveu ao tempo, apesar dos 3.300 anos que  separam  Akhenaton de nós. Para compreendermos esta fantástica mudança religiosa, é necessário conhecermos as poucas verdades, as centenas de especulações e termos a certeza de que todas as perguntas sem respostas,  um dia serão respondidas.Como e quando surgiu o deus Aton no Egito ?Quem era Aton ?Quem criou o monoteísmo no Egito ?Quem foi Nefertiti e Akhenaton ?Qual a verdadeira imagem de Akhenaton ?Por que o casal real foi contra os sacerdotes de Amon ?Quem foram os revolucionários ? Primeiro devemos observarmos alguns personagens e depois os fatos políticos  da época, para finalmente tentarmos entender um pouco o que foi a revolução religiosa do Egito.Árvore genealógica do Faraó Amenofis IVTutmés IV   -   Faraó, Pai de Amenofis III Yuya  -  Pai de Ti, era um dos sacerdotes do deus AminTuiu –  Mãe de Tiy, era a superior do Harém de Min e Amon, título exclusivo das mulheres egípcias.Amenofis III – Sucessor de Tutmés IV e Pai de Amenofis IVTi -  Mãe de Amenofis IV 

Akhenaton
O filho de Amenofis III não nasceu para reinar, o trono era indicado a seu irmão mais velho. Na época de seu nascimento o Egito gozava de prestigio e uma prosperidade bem consolidada.Tiy, mãe de Amenofis IV, pertenceu a classe das rainhas tebanas que criaram um movimento de libertação para as mulheres.      A carta de Amarna EA 28 e 29, deixa clara a influência  da rainha Tiy = Ti = Tii =   Tiyi  nos assuntos políticos. O rei Dusralta envia  uma carta para Amenofis IV, o novo rei;“ ... todas as palavras que troquei com seu pai, tua mãe Tiy as conhece ... “ Akhenaton surge no Egito como um revolucionário religioso, quando muda completamente as bases religiosas e social do povo egípcio. Apresentou-se diante de seu povo como um esposo apaixonado, pai zeloso, homem justo, poeta, orador e capaz de grandes sacrifícios pelo povo.  Este jovem Faraó soube equilibrar sua vida com ternura, bondade e doçura, numa época em que o povo estava acostumado apenas a sofrer. Foi através do deus Aton que ele conseguiu tamanho equilíbrio, apesar se sua pouca idade, tentou transmitir prematuramente a seu povo tudo que estava vivenciando.  


Quando e como surgiu Akhenaton e Aton ? 
Terá Akhenaton inventado ou renascido  o deus Aton ? Definitivamente, estas respostas ainda não chegaram até nós, teremos que esperar por um bom tempo, porém podemos analisar as inscrições, papiros e fragmentos que conhecemos  e chegarmos a uma opinião. Conhecemos verdadeiramente os seguintes fatos históricos:-  Ahmés, Faraó de existência duvidosa que representa o herói que definiu a transição do caos a ordem. Sua grande conquista foi derrotar os Hicsos. Sucedido por Amenofis I.-  Amenofis I (II Faraó da XVIII Dinastia), deixou um texto onde podemos ler: “subiu ao céu” ...  “uniu-se ao disco solar, corpo de deus, comunicando-se com aquele que o criou para brilhar eternamente”. Será Aton ?-  Tutmés I (III Faraó da XVIII Dinastia), acreditava na força criadora de Aton e que após a morte de um Faraó, sua alma iria para o céu unir-se ao disco solar para brilhar eternamente. Presença real de Aton.-  Amenofis II (VII Faraó da XVIII Dinastia), decidiu explorar as pedreiras de Tura, abrindo-se assim oficinas nas cidades de Mênfis e Heliópolis, desta forma o Poder do Faraó poderia combater o crescente Poder dos Sacerdotes do deus Amon.-  Tutmés IV, sucessor de Amen-hotep II, após uma caçada, adormece perto da Esfinge  e tem um sonho profético. Neste sonho a esfinge promete-lhe o trono do Egito, caso a liberte das areias do deserto. Tutmés IV segue as ordens da Esfinge e ao tornar-se Faraó, adota o nome “aquele que purifica Heliópolis e satisfaz Ré “. Esta nova postura do Faraó, acarreta num afastamento do Clero de Amon. O deus Ré (Rekhmiré), “aquele que conhece o sol” ou “o que conhece como Ré” é identificado pouco a pouco com Aton. Surge a semente do conflito religioso.-  Amenofis III (IX Faraó da XVIII Dinastia), foi o primeiro a assumir o culto ao símbolo solar = Aton. Em seu governo havia um homem com o título “intendente na morada de Aton”.Obs.:   Esclarecimentos sobre o governo de Amenofis III.Este Faraó enfrentou problemas dentro do Egito. Os sacerdotes de Amon dispunham  de bens próprios e uma riqueza considerável, que era administrada por escribas. Este Clero possuía  toda uma equipe de funcionários tais como artesões e camponeses .  Surge então paralelamente um país-divino (poder paralelo – tão atual ...) que algumas vezes, chegava a nomear o Faraó, já que o clero  de Amon assumia  uma posição política real. Amenofis III faz o culto ao deus Aton crescer, na tentativa de diminuir a influência dos sacerdotes de Amon. Nesta época podemos encontrar Hapusineb, um sacerdote  do clero de Tebas, que começou a agir como um verdadeiro monarca. Surge então a necessidade de rompimento e Amenofis III  afasta-se de Tebas e de Amon, iniciando assim a modificação na visão religiosa do Egito. A presença de Aton fica fortalecida durante o reinado de Amenofis III, que durou aproximadamente 40 anos. Ainda durante o reinado de Amenofis III, a importância de Aton é nítida  quando o lago que foi construído para recreação da rainha Tiyi, é inaugurado. Além do lago o casal real inaugura também a barca que serviria para os passeios  da rainha. Esta barca chamava-se: “Esplendor de Aton” ou “Aton é resplandecente”.Há um texto egípcio que descreve:“... sua majestade ordenou que fosse escavado um lago para a grande esposa real Tiyi . Seu comprimento era de três mil e setecentos côvados. Sua largura  de setecentos côvados. Inaugurado no décimo sexto dia do terceiro mês. ... ” Diante de fatos tão concretos, podemos concluir que Amenofis IV = Akhenaton, ao estudar arquitetura e símbolos religiosos, teve um contato mais profundo com o deus Aton e seu culto. Conhecimento que já vinha  de seus antecessores biológicos, pois todos haviam tido uma relação mais próxima com o sol divino, o que nos leva a concluir que o deus Aton esteve presente na vida  de Akhenaton muito antes de seu reinado. Akhenaton, como todo filho real, estudou os textos sagrados, os hieroglifos e foi iniciado nas ciências sagradas. Uma forte influência na personalidade de Akhenaton, foi a do sábio Amen-hotep, filho de Hapu, seu instrutor particular. Amen-hotep, antes de ser instrutor de Akhenaton, teve uma longa  carreira de serviços prestados ao Faraó Amenofis III, pai de Akhenaton. Amen-hotep foi Arquiteto, Administrador, Homem de confiança de Amenofis III, Chefe  de todas as obras do rei. Era considerado um símbolo vivo da perfeição, vivendo até a idade de 110 anos. Tudo leva a crer que houve um entendimento perfeito entre Amenofis III e seu filho Amenofis IV, no campo afetivo, psicológico e político.  Teria havido uma corregência entre pai e filho ? Por muitos anos acreditou-se que sim, devido a um erro de interpretação da carta de Amarna  EA 27, escrita pelo rei Mitanni a Akhenaton, que refere-se a Amenofis III como falecido, durante o ano 2 de seu reinado, que foi interpretado como 12, o que provocou um erro de cálculo e tornou-se uma prova concreta da corregência. O pai de Akhenaton, Amenofis III, morreu mais ou menos no 2 ano do reinado de seu filho. Os  anos do governo de Akhenaton, são descrito da seguinte forma: 
Ano 1  -  Amenofis é coroado Faraó, tendo em vista o grave estado de saúde de seu pai, que sofria com fortes dores de dentes e nas gengivas. 
Ano 2  -  Morre Amenofis III,  e  Amenofis IV -  Faraó a um ano,  recebe várias cartas de saudações de governantes estrangeiros, juntamente com as confirmações da continuidade nas relações políticas. Neste ano o nome de Aton, ainda não constava dos cartuchos reais.
Ano 3  -  O nome de Aton é incorporado aos cartuchos.
Ano 4 -  Amenofis IV (14 anos de idade) casa-se com Nefertiti (16 anos de idade) e celebra o festival de Set. No final do ano 4, nasce sua primeira filha Meritaton.
Ano 5   Amenofis IV muda seu nome para Akhenaton e o nome de Nefertiti para Nefer neferuaton. São colocadas as estelas fronteiriças para a fundação da cidade de Akhenaton.
Ano 6  -  Nasce a segunda filha Maketaton e a família real muda-se para a nova cidade Akhenaton. A cidade completa um ano e o casal real coloca uma estela fronteiriça para marcar esta data.
Ano 7  -  As obras seguem rapidamente em Akhenaton e Tebas, neste ano são concluídos vários templos para Aton.
Ano 8  -  São colocadas  as últimas estelas fronteiriças  que delimitavam as fronteiras da nova cidade. Nasce sua terceira filha Ankhesenpaaton. As obras em Tebas são abandonadas e todas as forças físicas são utilizadas em Akhenaton.Obs.: Ankhesenpaaton mais tarde muda seu nome para Ankhesenamum e casa-se  com Tutancâmon, seu meu irmão. Não é conhecida a verdadeira identidade da mãe de Tutancâmon, que provavelmente tenha sido Kiya, sabemos com certeza que não foi Nefertiti nem sua irmã Beneretmut.
Ano 9  -  Uma grande celebração na cidade que dura dias; surge a segunda forma do nome real de aton.Obs.:  A partir do nono ano do reinado de Akhenaton o Faraó, modifica seu nome buscando desta forma romper totalmente com o misticismo anterior , desta maneira, Aton ficou distante do  Egito politeísta. No primeiro cartucho podemos  traduzir o seguinte texto: "Que viva Ra-Horajty, que se alegra no Horizonte". No segundo cartucho podemos traduzir o seguinte texto: "Em seu nome de luz (em lugar de Shu) que está em Aton".
Ano 10 -  Nasce a quarta filha – Neferneferuaton.
Ano 11 -  Cresce o poder de Neferneferuaton = Nefertiti, que passa a denominar-se  ' A esposa do Rei “.Obs.: O nome da quarta filha e o nome de sua mãe, causam grande polemica quanto a figura feminina que estava ao lado de Akhenaton em seus últimos dias.
Ano 12  -  É realizada uma recepção  aos emissários estrangeiros. Surge a peste bubônica, matando grande parte da população. Acredita-se que a vinda de tantos estrangeiros tenha sido a consequência da primeira pandemia constatada na historia da humanidade.
Ano 13 -  Nasce a quinta filha do casal – Neferneferuna e morre o rei Mitanni de nome Dushratta.
Ano  14  -  Nasce a sexta filha do casal -  Setepenra e morre sua terceira filha Maketaton, com idade entre 8 e 12 anos. A causa da morte é um enigma. Doença ou afogamento ? Em Amarna há uma tumba com as inscrições do enterro da mãe de Akhenaton e sua filha, juntas. Após o décimo quarto ano, as três últimas filhas do casal (Neferneferuaton, Neferneferuré e Stepenré) ficam sem registros na história, simplesmente desaparecem.
Ano 15  -  Neferneferuaton = Nefertiti muda seu nome para Anjjeperuna Smenjkara (ano 1). A primeira filha Meritaton passa a substituir o nome da mãe que desaparece da história. Como também substitui o nome Kiya.Obs.: Há uma teoria de que Nefertiti teria abandonado Akhenaton, tendo ido viver num palácio ao Norte da cidade do sol, devido aos riscos da crise política. Nefertiti teria levado Tutancâmon. Akhenaton nomeia um corregente Semenkaré. Quem seria Semenkaré ? Irmão de Tutancâmon ? Filho de Amenofis III com alguma esposa secundária ? Não há indícios para essas respostas.Temos sim registros de que Meritaton casa-se com Semenkaré.  Será Nefertiti ? Talvez ...
Ano 16  -  Akhenaton fica doente, talvez morto.
Ano 17  -  É anunciada a morte de Akhenaton com mais ou menos 29 anos. Sua esposa Anjjeperuna (seria Nefertiti ou sua filha ?), escreve ao rei Hitita e solicita o envio de um seus filhos para governar junto com ela (casamento).Tutancâmon está com 9 anos de idade.Obs.: Até os dias de hoje permanece a dúvida, sobre quem escreveu a carta ao rei hitita. O grande projeto não realizado foi a construção de 3 grandes cidades para Aton. Akhenaton  -  cidade central.Gem Aton  - provavelmente na Etiópia? -  provavelmente na Síria As duas últimas cidades não foram construídas, ficaram apenas em projetos.


Nefertiti 
“A beleza chegou” era o significado do nome Nefertiti; mulher charmosa e de aparência excepcional. Assim era a esposa de Amenofis IV. Provavelmente a pronuncia de seu nome fosse “Naftayta”, embora não devamos esquecer que ainda hoje não conhecemos com exatidão a pronuncia egípcia. O arqueólogo alemão Ludwig Borchardt, encontrou numa escavação no antigo Aketaton (local de trabalho do escultor Tutmósis), um busto com 50 cm de altura, esculpido em pedra calcaria e gesso. Essa escultura tinha apenas um dos olhos pintados, indicando ser um modelo, um rascunho para uma escultura definitiva, que nunca foi localizada. Devemos  lembrar, para uma analise clara, que a arte Amarna era a base do embelezamento do casal real e não a verdadeira aparência. Em 1.932, John Pendleburg, encontra uma cabeça sem inscrições, nas escavações em Tel-el-Amarna. As duas esculturas são quase idênticas, o que permitiu confirma a autenticidade dos traços de Nefertiti. A confirmação do rosto de Nefertiti, lhe confere vários títulos e definições. “Mulher de beleza fascinante e infinita” , olhar orgulhoso, rosto com traços proporcionais, bochechas levemente alteadas , sobrancelhas finas e com curvaturas delicadas, nariz fino, lábios grossos, pescoço longo e dois furos na orelha. Assim são as imagens de Nefertiti que conhecemos. Fragmentos do Papiro de XVIII Dinastia.Hino a Nefertiti“ ...Com seu esbelto colo e peito radiante tem por cabelos verdadeiros lápis-lazúli; seus braços superam os da deusa do amor e seus dedos são cálices de lótus. Ela “a de nobre andares” quando pisa a terra faz com que todos se voltem para contemplá-la e é como se contemplassem aquela que é a Única ... “. Nascida provavelmente em 1.666  a.C. , tendo desaparecido da história em mais ou menos 1.336, com 30 anos de idade em média. Sua origem ainda é desconhecida. Os egiptólogos trabalham com 3 teorias:I – Princesa Mitânica Tadkhepa, com chances de ter sido noiva de Amenofis III (Faraó e pai de Amenofis IV = Akhenaton), embora tenha se casado com Amenofis IV filho do Faraó.II – Filha de Amenofis III com uma esposa secundária, o que a tornaria meia irmã de Amenofis IV. Esta teoria  é pouco provável, já que o título de “Filha do Faraó”, nunca foi usado por Nefertiti. III – Filha de Ti = Ty (mãe de Amenofis IV e esposa do Faraó Amenofis III) com Ay (alto oficial da corte de Amenofis III), esta  teoria possui ramificações, onde alguns egiptólogos acreditam que Ti não era mãe biológica e sim uma ama de leite de Nefertiti. Esta bela  mulher tornou-se governante com Poder, por mais de uma década. Casou-se aos 15 anos, com Amenofis IV, que na época deveria ter 14 anos. Sua força, poder e beleza a conduzirão a condição de governante poderosa do Egito, por vários anos, talvez por um período de 15 anos, logo após desaparecer sem deixar rastro. Nefertiti era comparada a uma estrela brilhante.Texto de uma estela fronteiriça. “Claro rosto, alegremente enfeitado com dupla pluma, soberana da felicidade, dotada de todas as virtudes, com cuja voz nos alegramos, Senhora da Graça, grande de amor, cujos sentimentos enchem de alegria. O senhor dos dois países ...A princesa herdeira, grande de indulgência, Senhora da felicidade, resplandece nas suas plumas, alegrando com a sua voz aqueles que a ouvem, encantando o coração do rei em sua casa, satisfeita com tudo o que lhe dizem, “A Grande e bem amada esposa do rei “, Senhora dos dois países, “Belas são as belezas de Aton “, “A bela chegou “, vivendo para sempre. “Nefertiti teve seis filhas:1- Merit Aton = Meriaton2- Meket Aton = Meketaton3- Ankhesenpaaton4- Neferneferuaton5- Neferneferuré6- Setepenré Esta mulher poderosa e fantástica, conseguiu conciliar poder, família e feminidade. Em seus pertences diários haviam, perucas, roupas justas ( que não era comum a época ), joias variadas e cosméticos para realçar os olhos, na cor preta e verde (malaquita moída misturada a gordura), rouge e batom.
Dúvidas:1- Nefertiti morreu ? Como ? Quando ?-  Alguns egiptólogos afirmam que há evidências de que tenha morrido no 14°  ano do reinado  de Akhenaton, época que uma praga  epidêmica assolou no Egito.2- Nefertiti sucedeu o marido no trono ?-  Precisamos antes entender. Akhenaton teve um filho com Kia (uma de suas esposas), mais não foi este o seu sucessor. Registram mostram que o sucessor foi Smenkhkare.      

Quem foi Smenkhkare ?      
Talvez, meio irmão de Akhenaton. Esta dúvida permanece sendo tema de vários estudos.      O que temos com certeza e documentado, é que Nefertiti e Smenkhkare, usavam o mesmo codinome Neferneferuaton, como um nome adicional. O que faz com que alguns egiptólogos acreditem que Nefertiti  tenha assumido o reinado no lugar de seu marido. Smenkhkare, é uma brecha na historia da XVIII Dinastia, sabe-se  que existiu e foi corregente de Akhenaton nos últimos anos e mais nada. Todo o resto é fantasia. Muitos estudos e pesquisas permitiram que os egiptólogos reconstruíssem 100 cenas  de um portal  num templo de Karnak. Estas cenas são todas de rituais  e na grande maioria , fica clara a presença  de Nefertiti, em todos os rituais, oferendas  e sacrifícios. Sacrifício ?   Sim, embora esta palavra não soe  bem com a nova religião do deus Aton. Os sacrifícios permaneceram como uma prática religiosa. O deus Aton era um deus de sacrifícios.Estela fronteiriça da cidade de Aton, descreve:“ O Faraó surgiu num grande carro de electrum (liga de prata e ouro), semelhante a Aton quando brilha  na sua região de luz  e enche a terra com seu amor. Por uma bela estrada, previamente  traçada, chega ao coração da nova capital em construção, onde faz um sacrifício a Aton: A terra rejubilada e cada oração se alegrava, ao verem o Faraó fazer uma grande oferenda a seu pai -  cerveja, pão, gado de chifres compridos e pequenos, caça, vinho, frutas, incensos e legumes “. O casal  real ofereciam sacrifícios ao deus Aton. Pratica idêntica ao deus Amon, o que vem fortalecer  a tese de que a reforma religiosa que o Egito sofreu na XVIII Dinastia, foi mais uma tentativa de diminuir a influência dos sacerdotes de Amon no governo. 

A reforma religiosa teria sido responsabilidade exclusiva do casal real ? 
Não, eles foram apenas os finalizadores de uma força que precisava ser abatida, para que a soberania governante dos Faraó sobrevivesse. No reinado de Amenofis III, já havia o culto ao deus Aton; embora não tivesse força para fazer frente ao deus Amon, somente com o aval do Faraó, o deus Aton tomou a liderança religiosa. O pai de Akhenaton, construiu o palácio Malkata, para servir de residencia a família real. A construção  ocorreu a margem ocidental  e não na margem oriental, onde estava sendo erguida a cidade de Karnak, que idolatra Amon. Amenofis IV – Akhenaton, nasceu nesta construção a margem ocidental. Esta escolha para a nova construção (margem ocidental) parece ser um ato de afastamento, até mesmo um rompimento com os sacerdotes de Amon. Como toda residencial real, possuía jardins floridos que rodeavam todo o palácio, muito luxo e requinte, pisos decorados e pinturas nas paredes sobre peixes, pássaros, plantas e tudo pudesse ser atribuída ao criador. Amenofis III é classificado pelos egiptólogos como um homem preguiçoso e irresponsável. Homem que buscava prazeres mundanos, guloso (tinha sérios problemas dentários) e sem controle financeiro. Com esses defeitos, procurou cercar-se de uma corte de homens dignos, o que proporcionou ao país um grande destaque social e arquitetônico. Sua cúpula era formada de homens de valor, tais como:Amen-hotep (filho de Hapu) -  Mestre de Obra. Sutu e Hor - Arquitetos.Beki – Diretor de Celeiro e  possuía vários pensadores. O que possibilitou a realização de grande obras: Palácio sul de Medinet Habu. Templo de Sobeb no Sudão. Templo da regeneração  a margem ocidental (colosso de Menon). Templo de Luxor (obra mais bem acabada). e muitas outras obras. Akhenaton foi o Faraó do amor. Podemos carinhosamente, denominá-lo como um rei pai ou um rei deus. Já que valorizou  a família, o amor e a amizade. Homem que pregava a todos:-  Que a família era o centro da evolução.- Procurar o bom dentro de cada pessoa.-  Não a guerra. Apesar de todo o seu lado humano, soube se impor como um pai soberano e político. Foi forte o suficiente para inovar na religião e na política. Akhenaton viveu apenas para ensinar o que acreditava ser a fonte da vida. O casal real Nefertiti e Akhenaton, foram o símbolo do amor, da família e do divino. O culto diário era uma forma de renovar as esperanças  e poderem comunicar-se com todo o povo do Egito através do Sol. Ensinaram ao povo que devemos nos comunicar com todos os seres vivos, entrosarmo-nos com os movimentos da natureza, tais como água e vento Entrosarmo-nos com os animais e reconhecer o divino em tudo. Aton era o casal vivo no Egito. A imagem real do casal luz, representava o equilíbrio do ciclo do sol. O rei celebrava o culto da luz da manhã, a rainha celebrava o culto da luz da noite. O casal real e suas filhas, saiam todos os dias da residência oficial para irem até o grande templo de Aton. Esse deslocamento era em um carro puxado por cavalos, tendo sempre a formalidade de um ritual, o que nada mais era do que uma procissão religiosa. Durante esta procissão, o povo da cidade de Akhenaton gritava - “Vida,  Prosperidade e Saúde “. Quem conduzia o carro era o próprio Faraó, que com um braço guiava o carro e com o outro braço enlaçava a cintura de sua esposa Nefertiti. Seu símbolo “O disco Solar”, era apenas uma forma de representar a vida para o povo. Este homem de físico frágil, teve o privilegio de ter sido o  mestre de obras  de sua própria  cidade cósmica. Cidade que teve suas fronteiras demarcadas pelo próprio Faraó. Akhenaton e Nefertiti, mantiveram por muito tempo, o governo com autoridade, conduzindo o culto a Aton com serenidade. Apesar da da cidade de Akhenaton ter sido construída em tempo recorde, há dados concretos sobre a vida cotidiana e seus luxos,  tais como :-  Agradáveis jantares oferecidos pelo casal real, que eram ricos e variados. Obs.: Descrição no tumulo de Huia, camareira da mãe de Akhenaton – Tiyi. Ani, economista do Faraó, circula pelas ruas da cidade de Akhenaton, com um traje branco e peruca, demonstrando um colar de ouro de quatro voltas, que recebeu do próprio Faraó, como recompensa por sua devoção ao casal real.

Como era a cidade de Akhenaton ? 
Uma cidade planejada e dividida para proporcionar bem estar a todos os seus habitantes. Do mais humilde  ao mais nobre. Possuía prédios administrativos que pertenciam a polícia e a toda linha administrativa do tesouro. Havia um prédio para cuidar dos serviços de outros países e dos estrangeiros, muitas residências, comercio e sua joia mais preciosa, a “morada da alegria”, que era um templo a céu aberto  de Aton.Homens do Governo de Akhenaton: Para efetuar mudanças tão bruscas na religião, nas artes e construir a nova capital. O jovem e inexperiente Faraó,  cercou-se de homens de confiança e amigos, para ocupar cargos chaves  na cidade de Akhenaton. Não podemos esquecer que seu pai fez o mesmo. Documentos comprovam  que foi graças ao sólido grupo de conselheiros  e dignitários, que Akhenaton  conseguiu uma boa administração. São eles : Ramose, O Vizir , foi o elo perfeito entre o Egito  tradicional e o Egito de Akhenaton. Em seu tumulo, em Tebas, é decorado com a arte  clássica e a arte armaniana. O que permitiu constatar o equilíbrio entre os estilos. Ipi, era o governador de Mênfis. Beki era chefe dos escultores de El-Amarna (foi ele o criador do estilo Amarniano), filho de Men, que pertenceu ao grupo de escultores de Amenofis III.Meriré, sumo sacerdote de aton, representava um chefe de cerimônia, já que cuidava  do desenrolar das cerimônias do Grande Templo. Hatiai, intendente dos trabalhos do Faraó e arquiteto. Maa-Nakht-Toufet era mestre de obras. Ahmose, portador da cartela real, escriba  e primeiro cortesão. Ranefer, era condutor do carro real do faraó e quem cuidava dos cavalos. Maia, era general do Exercito. Pentu, era o médico da corte. Tetu, cuidava da analise e da seleção dos estrangeiros que desejassem residir na cidade. Mahu,  que chefiava a polícia de sua Majestade. Seu tumulo fica em El-Amarna (nº 9), o que nos permitiu conhecer um pouco das funções de seu cargo, que cuidava até mesmo de pequenos incidentes. Mahu, atuou em interrogatórios de prisioneiros, impediu ataques de nômades e cuidou  do controle  dos postos de guardas, que mantinham a vigilância da cidade  durante o dia e noite, já que a cidade recebia muitos visitantes. As inscrições demonstram que os militares e os polícias tinham  plena consciência de suas funções e conhecimento básico de que estavam a serviço do Faraó. A cidade de Akhenaton teve harmonia em sua projeção, o que proporcionou um grande equilíbrio nas populações da cidade  e do campo. Os homens de confiança que foram escolhidos pelo próprio Faraó para ajudar no governo, não eram da classe dos Nobres, e sim da classe mais baixa da sociedade e seus amigos. Conforme declaração de Huia (mmordomode Tiyi ) e outro funcionário de El-Amarna. Uma das grandes dúvidas que permanece é a ascensão de estrangeiros na administração egípcia. Dois grandes homens do governo de Akhenaton a quem devemos dar destaque foram :Ay,  possuía o título de “pai divino”, talvez fosse tio de Akhenaton. Considerado o mais alto funcionário do reino. Foi também designado com os títulos: Favorito do deus perfeito, Escriba real, Comandante de todos os carros, Intendente de todos os cavalos do faraó.  Recebeu vários colares de ouro do Faraó, na presença do povo de Akhenaton. Em seu túmulo, nas paredes, esta inscrito textos fundamentais como “ o grande hino a Aton, hinos ao Faraó e a Aton e Orações, que transformou o local em um verdadeiro santuário.  Mais tarde, tornou-se faraó.Horembeb, foi um escriba real, homem letrado e um jurista apaixonado. Ele não foi o único militar responsável por Akhenaton, provavelmente supervisionava toda a corporação do Exercito, com manutenção e conservação. É descrito como homem integro e obediente das ordens reais. Mais tarde, também tornou-se Faraó.Aspecto físico de Amenofis IV = Akhenaton. Antes de uma analise, é necessário lembrar-nos, simples mortais, que ainda não estamos preparados para enxergarmos um Akhenaton teológico, distante de nossos conceitos estéticos. Os artesões da época receberam ordens para representá-lo simbolicamente e não fisicamente. Esta ordem é coerente com a visão de que Aton é pai e mãe dos homens. Seu representante na terra era Akhenaton, que foi representado em todas as esculturas de forma assexuada, representando a forma perfeita  entre o masculino e o feminino. Encontramos um pensamento igual no Evangelho Gnóstico de Thomas. ... “O reino de Deus”, chegará quando os dois forem um, quando o masculino for feminino e quando não houver nem masculino nem feminino.

O grande deus: 
Aton precedeu ao Faraó Akhenaton, mais foi Akhenaton que criou o monoteísmo no Egito. Ele foi o faraó que fortaleceu o deus único e rompeu definitivamente com o politeísmo. Quem foi Aton para para o Egito de Akhenaton ? Aton é um criador, de amor e não de punição. Um deus que responde a todos na imensidão da vida eterna. É o deus que tudo recria. Não sendo apenas um disco solar, mais o olho sagrado do sol que dá vida. Aton é o rei do universo, guiando os destinos. Aton é vida que gera vida. Sua representação é o disco solar que brilha nos céus, tendo nascido de dentro de uma flor de lótus, seus raios apresentam  mãos nas extremidades, significando mãos de sol, trazendo felicidade, força e vida a cada novo renascer. Aton transmite alegria e amor aos corações. Amor renovado a cada manhã aos homens, crianças e todo tipo de vida. Seu amor não exclui nada nem ninguém. O único erro de Akhenaton, talvez tenha sido levar seu pensamento até o fim, o povo não estava preparado para uma proximidade com o divino. O Faraó Akhenaton não quis destruir o passado do Egito, apenas desejou acrescentar sua própria experiência. Nosso querido Faraó Sonhador, que vivia admirando um paraíso ilusório, comparava a natureza e a família como um testemunho vivo de deus.Para entendermos a relação entre o Faraó Akhenaton e o deus Aton, é necessário conhecer o pequeno e o grande hino a aton.


Pequeno Hino a Aton: 

"Oh Aton vivente, Senhor da Eternidade,és esplêndido quando nasces !
És resplandecente, perfeito, poderoso.
Teu amor é grande, imenso.
Teus raios iluminam todos os rostos,teu brilho dá vida aos corações quando enches as Duas Terras com teu amor.
Deus que se formou a si mesmo,que cria cada terra e as coisas que nela existem, homens, rebanhos,animais e de todos os tipos de árvores que crescem sobre a terra.
Eles vivem enquanto tu brilhas sobre eles.
Tu és a mãe e o pai de tudo que criaste.
Quando nasces, seus olhos te contemplam.
Teus raios iluminam toda a terra.
Todo coração bate mais forte à tua vista, pois tu nasces como seu Senhor.
Quando te pões no horizonte do ocidente,eles repousam como se estivessem mortos.
Suas cabeças estão cobertas, suas narinas sem ar,até que voltas a brilhar na região oriental do horizonte.
Então seus braços se erguem em adoração ao teu Ka;tu alimentas seus corações com tuas bençãos.Quando resplandeces, todos os lugares ficam em festa.
Homens e mulheres cantam de alegria no pátio da Capela de Benbene em todos os templos da cidade de Akhetaton,o Lugar da Verdade em que seu coração se alegra.
Nos seus interiores se oferecem alimentos. 
Teu filho é santificado por suas preces,oh  Aton vivo, quando apareces nas procissões.
Todas as criaturas que criaste pulam de alegria diante de ti.
Teu venerável filho alegra-se,oh  Aton vivo, que surge no céu diariamente !
Seu venerável filho Wa em Ra.
O filho de Ra não para de exaltar tua perfeição.Neferkheperure, Wa em Ra.                     
Eu sou teu filho para te servir e exaltar teu nome.Tua força e teu poder estão firmes em meu coração.
És o Aton Vivo e a tua emanação é eterna.
Tu criaste os céus longínquos para brilhar nele e vigiar toda a tua criação.
És o Uno mas existem milhões de partículas de vida em ti.
Para fazê-las viver, insuflas sopro de vida em suas narinas.
Ao ver seus raios, os botões se abrem em florese as plantas que surgem do solo se fortalecem ao teu nascer.
Ao ver os seus raios, todos os animais se erguem em suas patas,as aves saem de seus ninhos agitando as suas asas alegrementee voam em louvor ao Aton Vivo, seu criador."


Grande Hino a Aton:

Tu surges na terra de luz do paraíso Ó Aton vivo, que dá vida.
Quando nasces ergues no horizonte oriental.
Enches todas as terras com a tua beleza.
Tu és belo, grande resplandecente, Sublime sobre todas as terras o país;  os teus raios abraçam e iluminam as terras Até o limite de tudo o que criastes. 
Sendo Rá alcanças os seus limites e os subjugas para teu filho amado. 
Tu estás longe, mas os teus raios encontram-se sobre a terra, Apesar de vê-lo seu caminho é oculto Tu estás diante de nós, mas as pessoas não veem o teu caminho.
Quando tu te pões na terra ocidental, A terra fica na escuridão como morta.
Os que dormem encontram-se em suas casas, As cabeças cobertas, um olho não vê o outro.
Se roubassem seus bens que se acham debaixo de suas cabeças,Eles nem perceberiam. Todos os leões saem de suas cavernas,Todas as serpentes mordem.
A escuridão é uma tumbaPara eles claridade.Jaz a terra em silêncio.
Seu criador repousa na sua terra de luz no horizonte.
Na aurora tu reapareces no horizonte.
E és irradiante como o disco solar do dia (Aton)Tu eliminas as trevas e lanças teus raios.
As duas terras estão em festa.As pessoas acordam e ficam de pé.Tu as fizeste levantar.
Eles banham-se e vestem-se,Os seus braços estão em adoração à sua feição.
A terra inteira se põe a trabalhar.
Todo animal goza de sua pastagem,Árvores e relvas brotam e verdejam.
Os pássaros voam de seus ninhos,Com as asas levantadas para teu kaTodos os rebanhos ágeis estão sobre os seus pés,Tudo que se levanta e voa, parte,Tu nasces para eles.
Os barcos seguem para o norte, seguem para o sul também,Todos os caminhos se abrem quando tu surges.
Os peixes no rio arrojam-se diante a ti movem-se deslizando em tua direção,Os teus raios chegam ao meio do mar.
Tu fazes crescer a semente na mulher,Tu fazes o semem nos homens,Tu fazes viver o filho no ventre da mãe,Tu o acalentas para que não chore,Tu o alimentas no ventre!
Dás a respiração, para alimentar tudo o que ele faz.
Quando sai do ventre para respirar, no dia de seu nascimento,abre-lhe a boca e Provês as suas necessidades.
O pássaro fala dentro da casca do ovo;Tu ali dentro lhe dás ar para viver.
Determinas um tempo para ele sair do ovo;Quando ele sai do ovo, para piar, ao seu nascimento,já caminha em suas pernas.
Quão numerosas são as tuas obras!Apesar de ocultas à vista,Ó Deus Único ao lado do qual não há outro!Tu criaste a terra ao teu desejo,Quando tu estavas só,Com os homens, as manadas, e as revoadas dos pássaros.
Tudo o que há sobre a terra e anda sobre seus pés,Tudo aquilo que está no céu e que voa sobre suas asas.Os países estrangeiros, da Síria, e Núbia, a Terra do Egito.
Tu colocaste todo homem em seu lugar,Proveste as suas necessidades, cada um com o seu alimento,É contada sua duração de vida .
Suas línguas diferem no falar, suas características também;Suas peles são distintas, pois tu diferenciaste os povos
.Fizeste um Nilo no subterrâneo,Tu o trazes quando queres, para dar sustento às pessoas,Pois tu as criaste para ti.Senhor de tudo, que trabalhas por eles,Senhor de todas as terras, que brilha para eles,Ó Aton do dia, grande em glória!
De todas as terras distantes, tu os mantêm vivos,Fizeste um Nilo celestial, que desce para eles,E que faz ondas nas montanhas como um mar,E banha os seus campos com o que eles necessitam.
Quão perfeitos os teus planos,Ó senhor da eternidade!Um Nilo do céu para os estrangeiros,E para todas as criaturas no deserto que caminham sobre pernas,Mas para o Egito, o Nilo que vem de Duat.
Os teus raios trazem a nutrição para todas as plantas;Quando tu brilhas, elas vivem e prosperam para ti.
Tu fazes as estações para que se desenvolva tudo o que tu crias:
O inverno para refrescá-las, o ardor para que te degustem.
Tu fizeste o céu distante, para brilhar nele.
Para ver tudo que fazes, enquanto tu és Um,Nascido em sua forma de Aton vivo,Brilhante e radiante, próximo e distante.
Tu fazes milhões de formas de ti, sozinho,Povoados, vila, campos, estrada e rio.
Todos os olhos o contemplam acima deles,Quando tu estás acima da terra como, Aton.
Quando tu vais e não há olho cuja visão tu criaste,não para olhar para ti como só mais uma de suas criaturas.
Tu estás ainda em meu coração.
Não há nenhum outro que te conheça exceto teu filho,Nefer-kheperu-Rá Ua-en-Rá Akhenaten, A quem ensinastes.
A terra passa a existir por tua mão como tu a criaste,Quando tu alvoreces, eles vivem, quando tu te pões eles morrem;Tu mesmo és vida - se vive de ti.
Os olhos veem beleza, enquanto tu não te pões.
Deixa-se todo o trabalho quando tu descansas no Ocidente;O teu alvorecer é um fortalecimento para o Rei,E todos movem-se desde que fundastes a terra.
Tu os levantas para o teu filho que saiu do teu corpo.
O rei que vive pela verdade (Maat), o Senhor das duas terras,O Senhor dos Dois Países Nefer-kheperu-Rá O único de Rá,o filho de Rá que vive pela verdade (Ma’at),O Senhor das duas coroas Akhenaton, Sublime em sua vidaE da Grande Rainha a quem ele ama,A Senhora das Duas Terras Nefer-neferu-Aton Nefertite,Que vive e rejuvenesce por toda a eternidade"


Registros históricos, deixam claro que  Tutmés = Tutmosis I (III Faraó da XVIII Dinastia/ em + / - 1.504 a 1.492 a C.), considerava Aton uma força criadora, simbolizada pelo sol . O  seu surgimento ao culto foi no governo de Tutmés = Tutmosis IV ( VIII Faraó da XVIII Dinastia/ em + / - 1.401 a 1.391 a C.). Amenofis III ( IX Faraó da XVIII Dinastia/ + / - 1.391 a 1.353 a C.), foi quem antecipou  o grande conflito religioso provocado por Akhenaton.  Portanto não cabe a Akhenaton  o título de Faraó Maldito ou Herético. Este ponto de vista é particular e esta fundamentado na seriedade e no respeito que tenho pelo Egito.

Elise/2008
Bibliografia:
O casal solar  - Christian Jacq A cosmologia Egípcia – Moustf Gadall
A noviça e o Faraó – Hermínio  Miranda Akhenaton – Roger Bottini Arquivos Psíquicos do Egito – Hermínio Mirana A cidade de Akhenaton e Nefertiti – Samson     
Akhenaton - O Rei Herético – Redford B. (textos traduzidos)

Nenhum comentário:

Postar um comentário