Bem Vindos

Ola amigos bem vindos a Arcanoteca um espaço para RPG, mitologia, contos e curiosidades, esperamos que gostem do nosso conteúdo e nos visitem com frequência. (amigos nós não temos pop ups por favor deixem o seu ADblock desativado para nosso site pois isso nos ajuda muito a manter a Arcanoteca)

sábado, 15 de novembro de 2014

Menu Artigos: Gargulas - RPG Vampiro - WOD

GÁRGULAS 

Nos dias iniciais da Idade Média, a recente fundada linha Tremere estava em grande perigo. Perseguidos por todos os lados por agentes do Inconnu, mesmo o poder do recentemente criado Círculo dos Sete não era suficiente para salvá-los da extinção. Mesmo individualmente poderosos, eles simplesmente não tinham as hordas e as tropas necessárias para combater seus inimigos. Há rumores de que foi o próprio fundador do Clã que pensou numa solução. Capturando vários outros vampiros e criaturas místicas, incluindo um Gangrel e um Nosferatu, Tremere e seu Círculo usaram seus conhecimentos alquímicos para sintetizar uma nova raça de vampiros, para servir aos Tremere. Assim nasceu a primeira Gárgula, erguendo-se de um caldeirão borbulhante contendo misturas alquímicas e vitae de variadas criaturas. Baseando-se num trecho da Bíblia, seus criadores ordenaram "Crescei e Multiplicai-vos". E assim foi, rapidamente criando mais Progênies com camponeses assustados e liderando-os contra o Inconnu. Foi por causa da enorme força das Gárgulas que os Tremere sobreviveram. Por séculos as Gárgulas serviram os Tremere com grande lealdade, apesar dos inúmeros abusos. Finalmente, a paciência deles se esgotaram e estouraram mesmo para seus espíritos de tolerância. Durante a Idade Média, as Gárgulas se livraram dos Tremere; algumas foram para a Europa selvagem, outras estabeleceram-se em grandes cidades como Paris, enquanto outras ofereceram seus serviços como mercenários ou sentinelas para Vampiros ou Magos que podiam pagar seu preço em ouro e vitae. 

Apelido: São conhecidas apenas como Gárgulas. 

Aparência: Gárgulas têm aparência grotesca e monstruosa, como os Nosferatu - de quem são parcialmente derivadas. Com a idade, sua pele torna-se rochosa e estranhas protuberâncias surgem em variados lugares do corpo. Quase sempre têm aspecto "demoníaco", com chifres, orelhas e presas pontiagudas, feições animalescas e asas; possuem asas de morcego que crescem à medida que aumenta seu nível na Disciplina Visceratika. Cada nível ganho na disciplina permite voar 8 km/h adicionais. 

Refúgio: Preferem interiores ou ambientes subterrâneos, contendo muita pedra com a qual possam interagir ou manipular. Prédios abandonados, armazéns, galpões, esgotos, cavernas e estruturas parecidas são ideais. 

Antecedentes: Uma vez que não constituem um clã organizado, Gárgulas se reproduzem muito raramente - talvez como forma de desafio à imposição dos Tremere para crescer e se multiplicar. Quando Abraçam alguém, o fazem por razões especiais conhecidas apenas por elas. É comum que vítimas Abraçadas por Gárgulas percam todas as lembranças de sua vida mortal: sua própria mente é afogada pela magia e memórias impregnadas na vitae de seu Senhor. Gárgulas podem possuir qualquer Antecedente. 

Criação de Personagem: São construídas da mesma forma que vampiros comuns. Seus Atributos físicos e Talentos costumam ser primários. Uma vez que interagem pouco com outras pessoas, costumam apresentar Naturezas e Comportamentos parecidos. 

Disciplinas: Fortitude, Potência, Viscerátika.


Fraquezas: Possuem Aparência 0 e fracassam automaticamente em quaisquer testes sociais que envolvam aparência. Além disso, como foram criadas como uma raça de escravos, Gárgulas são naturalmente submissas. Sua Força de Vontade é reduzida em 2 pontos para testes de resistência à Dominação, poderes ou feitiços de controle da mente. 

Organização: Não existe um clã unificado de Gárgulas. São raras e sedentárias, raramente encontrando semelhantes. Seu senhor foi provavelmente a única que conheceram. 

Citação: "Você invadiu a propriedade do mestre. Eu conto até 10 - você foge ou eu alimento a terra com suas entranhas... 1...10." 
                                                                                                                                                  
Estereótipos 
Brujah - Barulhentos. Desconhecem o imenso valor do silêncio. 
Gangrel - São corajosos, lutam suas próprias batalhas. Não se escondem atrás de soldados. Serão sempre admirados por nós. 
Malkavian - Somos alienígenas uns para os outros. Suas mentes fluidas contrastam com nossa natureza sólida e estável. Ocasionalmente divertem-se à nossa volta, como pombos esvoaçando sobre as estátuas que somos. Dificíl dizer se um dia poderemos nos entender. 
Nosferatu - Não se deixe enganar. Usam sua aparência para se aproximar de nós, fingir que nos compreendem, mas desejam apenas empregar nossa força para seus propósitos. Além disso, sabem onde estamos e podem usar este conhecimento contra nós. Cuidado. 
Toreador - Têm poesia em suas almas. Ao contrário dos mesquinhos Nosferatu, não os odiamos por sua beleza: é um precioso tesouro que possuem, e fazem bem em apreciá-lo. Em seu lugar, não seríamos diferentes. 
Tremere - No passado servirmos a eles como soldados fiéis. Assim teria sido pela Eternidade, não fosse a crueldade que recebemos em troca. Evite-os a qualquer custo; tudo farão para tentar recuperar o domínio sobre seus escravos. 
Ventrue - Como os Tremere, pensam em nós apenas como força combativa. Acreditam que podem nos manipular à vontade para enfrentar seus inimigos. Sirva-os, mas apenas em troca de pagamento justo. 

Rumores sobre as Gárgulas:

As Gárgulas mais poderosas teriam a capacidade de modelar o próprio corpo, talvez através do poder conhecido como Câmaras de Rastejantes - sétimo nível de Visceratika. Com isso podem assumir aparência humana, sendo assim capazes de ingressar na sociedade mortal.
Uma das mais antigas Gárgulas, Ferox, está entre as dez criaturas mais procuradas pela Camarilla, ocupando a 7a posição da lista vermelha. A Camarilla oferece vastas recompensas por sua captura ou destruição.
Um levante de Gárgulas planeja um novo ataque contra os Tremere. No momento ocupam-se de aumentar suas fileiras; quando julgarem que estão em número suficiente, o ataque será rápido e fulminante.
Em vez de odiar as Gárgulas por sua feiúra, como fazem com os Nosferatu, uma corrente de vampiros Toreador aprendeu a ver grande beleza em suas formas rochosas. Consideram essas criaturas verdadeiras esculturas vivas, merecedoras de sua admiração. Uma Gárgula exerce sobre estes "adoradores" uma influência igual ao Fascínio, primeiro nível da Disciplina Presença.
Quando entram em torpor, Gárgulas transformam-se em pedra. Nesse estado elas não sofrem qualquer dano por exposição ao fogo ou luz do dia.
O que o Clanbook Tremere diz sobre as Gárgulas

Foram originalmente criadas para servir de guardiões das capelas Tremere, e têm cumprido esta função admiravelmente bem por muitos séculos. A primeira Gárgula era na verdade um vampiro criado artificialmente. Uma mistura alquímica de vampiros Tzimisce e Nosferatu produziu a primeira dessas criaturas monstruosas. Com a ordem de "crescerem e multiplicarem-se", as Gárgulas começaram a se alimentar de aldeões, criando mais Gárgulas para ajudar os Tremere. As Gárgulas recém-formadas esquecem seu passado humano, incorporando na totalidade, a lealdade canina mostrada aos Tremere pelas outras Gárgulas. Após séculos, porém, as Gárgulas começaram a exibir sinais de uma consciência crescente. Alguns dizem ser resultado do tratamento rude dado a elas por seus mestres. Sabendo que teriam o elemento surpresa, esperaram uma oportunidade para contra-atacar. A primeira rebelião contra uma capela Tremere deixou virtualmente todos os magi mortos ou gravemente feridos. Como um incêndio em campo seco, uma revolta generalizada de Gárgulas resultou na morte de muitos vampiros, dos dois lados. As Gárgulas sobreviventes, inapelavelmente inferiorizadas numericamente por seus mestres, fugiram para as montanhas em bandos, ou esconderam-se isoladamente em grandes cidades como Paris ou Hamburgo. Circulam muitos boatos sobre as atividades das Gárgulas desde aquela época, um deles dizendo que elas aprenderam a reproduzir-se naturalmente, pondo ovos. Diversas Gárgulas adaptaram-se à vida com outros vampiros, freqüentemente servindo como guardas ou "músculos" para os Tremere, a Camarilla e o Sabbat.

Nenhum comentário:

Postar um comentário