Bem Vindos

Ola amigos bem vindos a Arcanoteca um espaço para RPG, mitologia, contos e curiosidades, esperamos que gostem do nosso conteúdo e nos visitem com frequência. (amigos nós não temos pop ups por favor deixem o seu ADblock desativado para nosso site pois isso nos ajuda muito a manter a Arcanoteca)

terça-feira, 5 de abril de 2016

Menu Mitologia: A Lança

A LANÇA 

Na Era Viking, certamente a arma mais utilizada era a lança. Isso porque, além de ser a arma mais antiga a ser confeccionada por humanos, ela garante uma zona de proteção ao guerreiro. É uma arma estável, difícil de ser retirada das mãos de seu portador, apesar de também poder ser arremessada. Como seu uso na “fortaleza de escudos” foi importado do Mediterrâneo, é um instrumento essencial para atingir oponentes protegidos e impedir a invasão destes no campo aliado – incluindo com cavalaria –, especialmente pelas laterais.
Dependendo do número de pessoas que formem a “fortaleza”, os lanceiros podem ser dispostos na segunda ou terceira fila. Eventualmente se arriscava acertar as pernas dos inimigos, mas o alvo principal era sempre o pescoço. Como se trata de uma arma de perfuração, é claro que há muitos golpes de oportunidade.

Essas armas podiam possuir uma “asa”, capaz de desarmar escudos, desviar a manipulação das armas do oponente ou puxá-lo, podendo causar algum dano, inclusive como golpe lateral direto. Evidentemente, este uso não é tão eficaz quanto o de um machado, mas pode servir como auxílio. As lanças com “asa”, no entanto, são menos estáveis para o arremesso, sendo preferível seu uso como arma de haste.

Por outro lado, as lanças curtas eram preferencialmente arremessadas, principalmente por terem sido muito usadas com escudos. Uma vez lançada, o guerreiro normalmente sacava outra arma para dar sequência ao combate. Essas lanças, mesmo quando não atingiam o inimigo, eram muito boas para atravessar os escudos, tornando-nos inúteis devido ao peso e à instabilidade. Normalmente se arremessava a lança antes do confronto direto, assim como o tiro de flechas. Certamente alguns guerreiros optavam por lutar com essas armas sem lançá-las, mesmo considerando sua inferioridade em relação às suas versões maiores.
Enquanto as lanças curtas mediam um pouco mais que a altura do seu portador, as longas podiam chegar a três metros. Por isso, dispensam o uso do escudo e são armas bastante versáteis, mesmo contra mais de um oponente, desde que se tenha uma boa área para recuo. Também é possível alternar o cabo como arma de contusão, ou mesmo usar sua lâmina para cortes, quando a estocada for desviada.

Em lutas individuais, mostra-se uma excelente arma, mesmo frente a um guerreiro protegido com um escudo, onde o alvo principal é o abdômen. Exige maior perícia, porém, quando é preciso confrontar alguém com o mesmo tipo de arma. Contra todas as outras, é preferível que o oponente apele para o combate desarmado, a menos que seja muito experiente com seu machado ou espada. Por isso, normalmente os lanceiros também portam facas.

Recomenda-se o treinamento em arremesso desde o início, não somente com lanças, mas também pedras, facas e machados, além do uso de arco e flecha. Obviamente, os alvos precisam ser fixos, no início, a fim de evitar acidentes.

Esta é uma arma que requer muito treino em deslocamento e bloqueio. Por ser perfurante, mesmo quando as medidas de segurança são tomadas, pode ser bastante perigosa em competições esportivas. Por isso, esse tipo de utilização, que permite o golpe em qualquer parte do corpo, só é recomendado pelo treinamento bélico proposto pelo Flokkr Fólkvangs.

Fonte: Aqui 

Nenhum comentário:

Postar um comentário