Bem Vindos

Ola amigos bem vindos a Arcanoteca um espaço para RPG, mitologia, contos e curiosidades, esperamos que gostem do nosso conteúdo e nos visitem com frequência. (amigos nós não temos pop ups por favor deixem o seu ADblock desativado para nosso site pois isso nos ajuda muito a manter a Arcanoteca)

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Menu Contos: As Mangas de Jasmin

AS MANGAS DE JASMIN



As Mangas de Jasmim de Itamaracá - Lenda do Nordeste do Brasil
No ano de 1631, vivia na Capitania da Paraíba, Antônio Homem de Saldanha e Albuquerque, natural dessa mesma Capitania, que, encantado com a beleza e dotes de D. Sancha Coutinho, donzela de quinze anos, filha do abastado agricultor João Paulo Vaz Coutinho, senhor do "Engenho Andirobeira", situado a uma légua de distância da costa, aspirava a honra de a receber por esposa.

Dirigindo-se a seus pais, e solicitando a sua mão em casamento, eles a isso  se opuseram. Saldanha e Albuquerque, assim desenganado e desesperado pela recusa, que apagava todos os seus sonhos de felicidade e amor, sem mais esperanças e ambições, alista-se no exército, e marcha para o campo de guerra, quando as forças holandesas invadiram as plagas de sua província natal.

Saldanha e Albuquerque foi um dos heróis do célebre ataque do forte do Cabedelo. Passou-se para Pernambuco, e em 1933, na gloriosa defesa do Arraial do Bom Jesus, caiu, como morto, ferido por uma bala.

Em 1646, anos depois de suas desventuras, reaparece Saldanha e Albuquerque nessa província, mas trajando o hábito de sacerdote, sob o nome de Aires Ivo Corrêa.
A chegada dele foi assim celebrada:

  São treze anos passados,
  E de Jesus ao mosteiro
  Chega a Olinda em pobres trajes
  Um sacerdote estrangeiro

  Traz o rosto macerado,
  Que a dor o espr'ito lhe rende;
  Nos olhos se lhe apagaram
  As paixões que o mundo acende.

  Em anéis d'oiro os cabelos
  pelos ombros se declinam;
  Palavras qu'esse anjo solta
  Só perdão e amor ensinam.

Dias depois, partiu o Padre Aires para a ilha de Itamaracá. Por esse tempo, já não existiam os pais de D. Sancha Coutinho; e ela, triste, abatida, e ralada de saudades, aí vivia então, em casa de seu irmão Nuno Coutinho, quando apareceu o padre em sua casa; reconhecendo naquele humilde sacerdote, o seu desventurado amante, morreu subitamente.

  Quis ser ela a derradeira
  Em ver o santo varão,
  Mas põe-lhe os olhos no rosto
  "Ai, meu Deus!" e cai no chão.

Sobre o sepulcro de D. Sancha Coutinho, plantou o padre Aires Ivo Corrêa uma mangueira, de cujos frutos provêm as mangas de jasmim, tão celebradas pelo seu aroma e delicado sabor.

  E no lugar do sepulcro
  Uma mangueira plantou
  Onde o hábito de Sancha
  Até morrer aspirou.

  Visões que ela lh'ofr'ecia
  Não são d' humano juízo;
  A sombra que ela lhe dava 
  Era a sombra do pr'aíso.

  Inda em torno da mangueira
  Se vê um lindo jardim;
  E as mangas do Padre Aires
  São as mangas de Jasmim.

Escrito por Francisco Augusto Pereira da Costa, 1851-1923. Com o título de "As mangas de Jasmim", divulgou Pereira da Costa essa lenda, tradicional em Pernambuco. Foi posteriormente reunida à p. 69 do "Mosaico Pernambucano", revista de história de Pernambuco, nº 3-4, outubro-novembro de 1927, Recife. O autor informa: "esses versos são produção do Dr. José Soarez de Azevedo, fragmento de uma bela poesia sobre a tradição popular das mangas de jasmim, da ilha de Itamaracá.

Nenhum comentário:

Postar um comentário