Bem Vindos

Ola amigos bem vindos a Arcanoteca um espaço para RPG, mitologia, contos e curiosidades, esperamos que gostem do nosso conteúdo e nos visitem com frequência. (amigos nós não temos pop ups por favor deixem o seu ADblock desativado para nosso site pois isso nos ajuda muito a manter a Arcanoteca)

domingo, 17 de abril de 2016

Menu Mitologia: Deuses Sumérios - Deuses que são como padrinhos

DEUSES SUMÉRIOS: DEUSES QUE SÃO COMO PADRINHOS



Em nossa tradição, encontramos a figura do padrinho. 
Geralmente ele é alguém muito próximo a nós e sua função mais importante é a de nos proteger. Imagine, agora, que as divindades sumérias também se apresentavam como "padrinhos". Mas com uma diferença: os deuses eram protetores ("padrinhos") de cidades. Nesse sentido, as pessoas que habitavam aquele lugar também estavam sob sua proteção, como se fosse um santo padroeiro. 

É possível afirmar que são vários os poderes divinos que governavam tanto sobre a Mesopotâmia quanto sobre as mentes e os corações de seu povo. Esses deuses eram imanentes à natureza e tão numerosos quanto suas partes: o céu, a terra fértil, as águas que regam o solo, a Lua, o Sol, as estrelas e também o poder gerador que socorria as criaturas da natureza, incluindo a humanidade. 


Cada cidade tinha o seu próprio deus protetor a quem era dedicado o templo principal. Alguns dos deuses só tinham importância local. Outras divindades exerciam um domínio mais amplo, que muitas vezes era conseqüência do poder 
adquirido pelas suas cidades de origem. Por exemplo: Marduque e Assur chegaram a ser muito importantes devido à prosperidade crescente da Babilônia e da Assíria. Em geral havia uma grande tolerância religiosa, e os deuses de uma região assimilavam os da outra. 

As orações dos príncipes das cidades eram, antes de qualquer coisa, dirigidas aos deuses tutelares da família, e as divindades subordinadas funcionavam nesse papel para muitas pessoas. De acordo com a teologia oficial, essas pequenas divindades permaneciam a serviço dos deuses das cidades, de forma bastante concreta: como poderes primários de bem-estar e, necessariamente, como advogados diante dos grandes deuses. Representações desse período mostram como o fiel é conduzido diante dos grandes deuses pela deidade tutelar revelando que a divindade não pode sozinha atender plenamente a todos os desejos do solicitante.

Fonte: As Religiões que o Mundo Esqueceu - Como Egípcios, Gregos, Celtas, Astecas e Outros Povos Cultuavam seus Deuses. Pedro Paulo Funari (Org.), 2012.

Nenhum comentário:

Postar um comentário