Bem Vindos

Ola amigos bem vindos a Arcanoteca um espaço para RPG, mitologia, contos e curiosidades, esperamos que gostem do nosso conteúdo e nos visitem com frequência. (amigos nós não temos pop ups por favor deixem o seu ADblock desativado para nosso site pois isso nos ajuda muito a manter a Arcanoteca)

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Menu Mitologia: O roubo do Fogo

O ROUBO DO FOGO


 Há muito tempo atrás, a terra era de todos, mas o fogo, não. O fogo possuía um dono. O dono do fogo era o Urubu rei. Para o Urubu rei não esfriar, ele o trazia sempre escondido debaixo das asas.
Os descendentes de Rupave o pai dos povos secavam os alimentos ao sol, e vendo a fadiga do trabalho o chefe tribal Baíra resolveu roubar o fogo para que eles pudessem cozer sua comida.
Baíra era muito inteligente. Sabia muitas coisas. Falavam que foi ele ensinou os homens a caçar passarinhos com visgo … Os ensinou a pescar com sangab, um de peixe fingido, para retirar os peixes de verdade. Baíra ensinou várias coisas á eles.
O chefe dos tribal, Baíra, foi ao mato, fazer uma experiência.
Cobriu-se de cupim e deitou-se, fingindo que estava morto. Veio a Mosca Varejeira, viu aquele morto e foi avisar o Urubu. O Urubu era o dono do fogo, e o trazia sempre consigo, debaixo das asas, dizem.

O Urubu desceu do céu, então, acompanhado de outros urubus, da mulher e dos filhos.

O Urubu então despiu suas vestes de penas e pôs se a caminhar. Preparou o moquém(uma churrasqueira primitiva) e pôs debaixo dele o fogo, mandando que os filhos vigiassem. Os filhos viram que o morto estava bulindo. Disseram ao Urubu. O Urubu não acreditou nos filhos. Disse-lhes somente que fossem matando as varejeiras com as flechinhas que haviam trazido.

Quando o fogo, debaixo do moquém, estava bem aceso, Baíra se levantou, de repente, e o roubou, fugindo.

Urubu saiu a persegui-lo com a sua gente.
Baíra escondeu-se no oco de um pau. O Urubu e sua gente entraram no oco do pau, atrás de Baíra.

Baíra saiu do outro lado, e atravessou um tabocal cerrado.
O Urubu não o pôde acompanhar.
Baíra chegou à margem do rio, largo, largo.
A gente dele, estava na margem de lá. E era muita gente, muita.
Baíra pensou como lhe levaria o fogo roubado ao Urubu.

Chamou a Cobra-Surradeira. Pôs-lhe o fogo nas costas e mandou levá-lo para a sua gente. Como a Surradeira corre muito, logo saiu a toda. No meio do rio, porém, a cobra morreu queimada.

Baíra, com um cambito, puxou o fogo para si. E o pôs noutras cobras.
As cobras iam até o meio do rio, mas não resistiam ao calor do fogo: morriam.
Baíra, então, pegou o Camarão e pôs-lhe o fogo nas costas. O Camarão foi até o meio do rio, mas não resistiu ao calor do fogo, morrendo queimado, todo vermelho.
Baíra puxou o fogo para si, de novo.

Pegou o Caranguejo e pôs-lhe o fogo nas costas. O Caranguejo foi até o meio do rio, mas morreu como o Camarão, ficando vermelho.

Baíra puxou o fogo e o pôs nas costas da Saracura. A Saracura, que anda muito, foi até o meio do rio, mas morreu queimada.

Então, Baíra pegou o Cururu. O sapo foi, aos pulos, até perto da outra margem do rio. Como já ia meio morto, de cansaço, os membros da tribo o puxaram para terra, com um cambito. E levaram o fogo para a maloca.

Baíra, do outro lado, pensou como deveria atravessar o rio. Mas Baíra era um grande pajé. Fez o rio estreitar-se. Deu um pulo por sobre as águas e foi à procura de sua gente.

Desde aquele dia os humanos tiveram fogo e puderam assar peixes e caças no moquém.


Fonte: Aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário