Bem Vindos

Ola amigos bem vindos a Arcanoteca um espaço para RPG, mitologia, contos e curiosidades, esperamos que gostem do nosso conteúdo e nos visitem com frequência. (amigos nós não temos pop ups por favor deixem o seu ADblock desativado para nosso site pois isso nos ajuda muito a manter a Arcanoteca)

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Menu Artigos: Escatologia

A ESCATOLOGIA



O termo 'escatologia' designa a doutrina dos fins últimos, isto é, o corpo de crenças relativas ao destino final do homem e do universo. Tem origem no termo grego, geralmente empregado no plural, tá escháta 'as últimas coisas' [cf. Althaus, 1922; Guardini, 1949]. Porém, alguns especialistas, nomeadamente teólogos e historiadores da religião, empregam-no no singular, escháton 'o acontecimento final' [por exemplo,Dodd, 19361, para designar o Dia do Senhor, o Dia do Juízo Final, segundo o Apocalipse cristão.
Por vezes, nos textos dogmáticos gregos é usado como adjetivo, referindo-se a termos que designam o tempo eschatai mnerai 'os últimos dias', eschátos krónos 'o último tempo', escháte hora 'a última hora' [cf. Kittel, 1932, pp. 694-95].

Nenhum estudo, que eu saiba, informa sobre a data em que o termo foi introduzido na linguagem da teologia cristã, nem na história das religiões, nem sequer quando foi relativamente vulgarizado, permanecendo, no entanto, técnico e erudito. A sua introdução é recente. Data provavelmente do fim do século XIX, tendo-se tornado corrente no século XX. Para os dogmáticos antigos, que o usavam e escreviam em latim, a tradução era em geral novissima (e, por vezes, novissima tempora). Esta última expressão era usada na Idade Média: por exemplo, quando no século XIII, o franciscano Gerardo da Borgo San Donnino escreveu um tratado de "escatologia", o Liber Introductorius, uma Introdução ao Evangelho Eterno (Introductorium in evengelium aeternum) de Joaquim da Fiore, um dos seus adversários, o mestre parisiense Guillaume de Saint-Amour, publicou contra ele um panfleto intitulado De periculis novissimorum temporum, fazendo um jogo de palavras entre os perigos do fim do mundo e os que os joaquinistas faziam correr os seus contemporâneos.

O termo, empregado inicialmente – e ainda hoje – sobretudo a propósito das religiões hebraica e cristã, foi ampliado, pelos historiadores das religiões, às crenças sobre o fim do mundo existentes noutras religiões e pelos etnólogos, às crenças das sociedades ditas primitivas relativas a este domínio. 

Existe também uma tendência, em certos filósofos e teólogos do século XX, para ampliar o sentido da palavra e sobretudo do adjetivo "escatológico". O teólogo protestante Oscar Culmann, que considera abusiva esta extensão de sentido, define-a assim, a partir das idéias de um outro teólogo protestante, Bultmann e os seus discípulos. Segundo os seguidores de Bultmann é "escatológica" toda a circunstância em que o homem é colocado perante uma decisão. Culmmann pensa que estas concepções traem a influência do existencialismo de Kierkegaard e objeta: 1) "As palavras "escatologia" e "escatológico" ligam-se ao tempo final e não ao tempo da decisão. O tempo final é certamente um tempo decisivo, mas nem todo o tempo decisivo é tempo final"; 2) "A etimologia mostra claramente que a palavra tem um sentido exclusivamente temporal.
Ora, a escola bultmaniana renuncia precisamente à acepção temporal da expressão escháta, devendo, por coerência, abandonar também o termo" [1965].

A escatologia refere-se, por um lado, ao destino último do indivíduo e, por outro, ao da coletividade –humanidade, universo. Mas como me parece que esta consideração das enciclopédias contemporâneas amplia um pouco abusivamente aos indivíduos um termo formado e usado tradicionalmente para falar dos "fins últimos" coletivos e o destino final individual depende em grande parte do destino universal.
A escatologia individual só assume real importância na perspectiva da salvação que adquiriu. inegavelmente, um lugar de primeiro plano nas especulações escatológicas, mas não é certo que ela seja fundamental, nem original nas concepções escatológicas (cf. § 4). Os problemas ligados à escatologia individual são fundamentalmente os de um julgamento depois da morte, da ressurreição e da vida eterna, da imortalidade.

Na religião do Egito antigo e na religião cristã a tônica é posta no julgamento; o hinduísmo e o catarismo acreditam na migração das almas, a metempsicose, enquanto que a maior parte das religiões professam a crença numa sobrevivência individual única, envolvendo o corpo e a alma (mas, no Cristianismo, a alma é imortal, enquanto que o corpo só se reencontrará na ressurreição). A sobrevivência no além pode ser concebida de uma maneira semelhante à da vida terrestre (Islã), mas a maior parte das vezes, o além, em função do julgamento, tem um caráter de alegria ou de dor. A Antiguidade greco-romana fez da morada das sombras um lugar de trevas e tristeza – o Hades –, apesar de
prometer aos heróis os Campos Elísios, que eram mais serenos. Na Suméria o além apresenta-se sob a forma de um "país sem retorno", tão sombrio como terrífico. Em contrapartida, o outro mundo Celta é um mundo de prazer para o corpo e a alma, tal como o Wahalalla germânico, reservado, no entanto, aos deuses e aos heróis. 

O Cristianismo, ligando estritamente a vida terrena e a vida eterna, distinguiu um lugar de castigo, o Inferno, de um lugar de recompensa, o Paraíso, inventando depois um além temporário intermediário, o Purgatório (geralmente recusado pelos cristãos gregos, depois por muitos heréticos medievais, e finalmente, pelos protestantes). O budismo prevê, no termo de uma longa ascese, um paraíso de total distanciação, o nirvãna. Os desenvolvimentos doutrinais e as condições históricas tornaram por vezes difícil distinguir as fronteiras entre a escatologia e os conceitos com ela aparentados. O reconhecimento destas ligações permite uma melhor apreensão da importância filosófica e histórica da escatologia, mas obriga a fazer precisões e distinções. São em grande parte conceitos e idéias nascidos no quadro da escatologia judaico-cristã.

A escatologia foi-se aperfeiçoando através de escritos de natureza profética que descreviam um apokalypsis 'revelação' dos acontecimentos do fim dos tempos. Estes escritos judaico cristãos foram, em grande parte, escritos nos últimos séculos antes da era cristã e nos primeiros desta; um deles, o Apocalipse de S. João, foi introduzido pelo cristianismo no corpus do Novo Testamento. Dada a considerável importância adquirida por estes escritos, quer do ponto de vista dogmático, quer histórico, a apocalíptica está estritamente ligada à escatologia.

Oscar Cullmann distinguiu com razão – do ponto de vista teológico – escatologia e apocalíptica. Em primeiro lugar, acontece que os apocalipses judaico-cristãos datam do judaísmo posterior ao Êxodo e constituem um gênero literário nascido no interior da escatologia judaico-cristã. Em seguida, o apocalipse, mesmo tendo sido desencadeado
por um fato da atualidade, desvia-se do presente e da história, para evocar um futuro inteiramente desligado da "nossa experiência deste mundo".

Finalmente, "falta aos "apocalipses" um traço característico, quer da escatologia do Antigo Testamento, quer da do Novo: não se interessam pela história da salvação e pelo seu desenvolvimento' [1965]. Em contrapartida, Cullmann recusa-se a aceitar a opinião segundo a qual os apocalipses são "puras especulações, destinadas muito simplesmente a satisfazer a curiosidade do espírito humano" [ibid.], assim como o deslizar para o sentido pejorativo do substantivo e do adjetivo que deles derivam. Veremos em seguida a importância fundamental da apocalíptica na escatologia judaico-cristã e a manipulação e perversão a que se prestou.

As concepções escatológicas colocam muitas vezes, entre o aquém atual e o além do fim dos tempos, um longo período aqui em baixo, que é uma espécie de prefiguração terrestre desse além. Essa nova era, essa instalação do céu na terra (heavens on earth) deve, segundo o Apocalipse [20, 1-5] durar "mil anos", número simbólico que indica uma longa duração subtraída ao desenrolar normal do tempo. Este Millenium deu o nome a toda uma série de crenças, de teorias, de movimentos orientados para o desejo, a espera, a ativação dessa era: são os milenarismos (ou, segundo o grego, chiliasmos). Muitas vezes o aparecimento dessa era está ligado à vinda de um salvador, de um guia sagrado que ajuda a preparação para o fim dos tempos, deus ou homem, ou homem-deus, chamado Messias natradição judaico cristã, derivando daí o nome de messianismos, dado aos milenarismos ou movimentos similares, centrados em volta de uma personagem.

Milenarismos e messianismos adquiriram, na escatologia, uma importância de primeiro plano e evocá-los-ei no quadro da evolução histórica da escatologia judaico-cristã [cf. sobre o milenarismo, Cohn, 1957; Thrupp, 1962; sobre o messianismo, cf. Wallis, 1943; Desroche, 1969]. Mas não podemos esquecer-nos de que o milenarismo se centra sobre a parte do "fim dos tempos" que precede o fim propriamente dito; o seu programa é quase fatalmente político e religioso e, muitas vezes, confunde estes dois níveis (por exemplo, o caso de Savonarola). Por outro lado, Desroche sublinha com justiça que, "se a tradição escatológica tem por objetivo o fim do mundo, a tradição messiânico-milenarista visa apenas o fim de um mundo no momento do grande dia, o Millenial Day, que será ao mesmo tempo o início de uma nova Era, de uma nova Idade, de um novo Mundo" [1969, p. 23].

Os apocalipses, gênero literário característico da escatologia, procedem em geral sob a forma de visões, mas o tempo do fim é evocado muitas vezes sob forma profética. Há pois cruzamentos entre escatologia e profetismo [cf. Guariglia, 1959]. Alguns textos medievais atribuídos a Joaquim da Fiore têm o título de prophetiae: Vaticinium Sibillae Erithreae, Oraculum Cyrilliicum exposition abbatis Joachim, Vaticinia de Sun mis Pontificibus, Prophetiae et epistolae Joachimi Abbatis Florius; e vários outros tratados intitulados prophetiae [cf. Reeves, 1969]. 

Dodd aproxima e distingue profetismo e escatologia: "À profecia sucedeu-se a apocalíptica. Ela trabalha de acordo com o esquema profético da história, mas com certas direrenças. Abandona a tentativa de reconhecer um sinal divino no presente" [1936]. No Apocalipse e na profecia, o acontecimento divino, o escháton, corresponde sempre a uma viragem decisiva [ibid., p. 93]. Podemos dizer, mais simplesmente, que o futuro da profecia nem sempre é o do fim dos tempos, e que está mais radicado na história;contudo, historicamente escatologia e profetismo uniram-se muitas vezes, estabelecendo uma relação entre a primeira fase do fim dos tempos e a história presente e imediatamente futura. Por exemplo, na Inglaterra, no início do século XIX, William Ward, perscrutando os acontecimentos entre 1805 e 1830,vê neles a preparação da vinda visível do Senhor que intervirá entre 1830 e 12 de abril de 1835.

Uma outra afinidade, simultaneamente histórica e conceituai, é a que existe entre escatologia e utopia. Karl Mannheim, em páginas célebres, datou-a do início da Idade Moderna, na Europa. Ela ter-se-ia realizado primeiro entre os Hussitas, do século XV e, depois, com Thomas Münzer e os Anabaptistas no século XVI (cf. § 5). Segundo Mannheim, "a primeira forma de mentalidade utópica" foi "o chiliasmo orgiástico dos Anabaptistas" [1929]. A utopia milenarista é um corpo de doutrina que tende para um modelo de millenium – que se deve realizar num quadro espacial e temporal. Segundo Mannheim, "não tem importância nenhuma (embora isso possa ser significativo para a
história das variações dos motivos) que, em lugar de uma utopia temporal, obtenhamos uma utopia espacial" [ibid.].

Deve-se, no entanto, destacar que a utopia não é necessariamente milenarista e que o seu horizonte se pode limitar a um modelo ideal a realizar, sem previsão e espera, de uma segunda fase e de um dia final. Mas, embora a utopia tenha um ponto de partida histórico, em geral bem preciso, e vise substituir – de maneira violenta ou não – uma dada
situação histórica, tende, como bem o mostrou Lapouje [1973], a destruir o tempo, por ódio à história, como a escatologia. As relações entre escatologia e utopia foram postas em destaque por Tuveson na obra Millenium and Utopia [1949]. Mircea Eliade fez uma série de estudos sobre a mentalidade utópica e milenarista na América: por um lado, nos autores brancos americanos (do século XVI ao XX) e, por outro, nos índios Guarani [1969], tendo em vista sintetizar as relações entre os dois conceitos.

Finalmente, como a escatologia se constrói muitas vezes por referência às origens, implícita ou explicitamente (como o fim dos tempos aparece muitas vezes como um retorno à origem dos tempos e como o fim do mundo é posto em relação com a criação do mundo), a escatologia mantém também relações estritas com o mito. Esta problemática tem, além do mais, "o interesse de integrar, no domínio da escatologia, os mitos paradisíacos dos primitivos e dos grupos arcaicos" [cf. Eliade, 1963]. Como Mircea Eliade diz: "Os mitos do fim do mundo desempenharam um papel importante na história da humanidade. Puseram em evidência a "mobilidade" das "origens": de fato, a partir de um certo momento, a "origem" não está só num passado mítico, mas também num futuro "imaginário".

Mito e escatologia têm duas estruturas, dois discursos diferentes. O mito está voltado para o passado, exprime-se pela narrativa. A escatologia olha para o futuro e revela-se na visão da profecia que "realiza a transgressão da narrativa: está eminente uma nova intervenção de Yayéh, que eclipsará a precedente" [Ricoeur, 1971, p. 534]. Mas mito e escatologia "aliaram-se para darem, por um lado, a idéia de uma criação entendida como primeiro ato de libertação e, por outro, a idéia de libertação como ato criador. A escatologia, sobretudo na literatura tardia do cânon hebraico, projeta uma forma profética que é suscetível de fazer um novo pacto com o mito" [ibid., p. 535].

Por fim, a aproximação entre mito e escatologia tem a vantagem de iluminar toda uma exegese de escatologia bíblica que tende para a desmitologização da escatologia judaico- cristã. É este o caminho seguido por Bultmann [1954; 1957]. Trata-se de desembaraçar a escatologia cristã dos mitos da criação, devidos em grande parte à influência grega e que a desviam do seu verdadeiro objetivo – o fim dos tempos, para conduzi-la às origens, o que toma inútil a idéia da instauração de uma nova era, transformando-a no regresso à originária. Jesus Cristo não é fenômeno histórico do passado, mas está sempre presente como uma palavra de graça.

Antes de apresentar as diversas formas de escatologia e de seguir o desenvolvimento da escatologia judaico-cristã, é útilassinalar as tipologias mais comumente adotadas pelos especialistas de história das religiões.

Glasenapp [1960] distingue dois grandes tipos de religiões, segundo as suas atitudes face à criação e ao fim do mundo; 1) o Judaísmo, o Zoroastrismo, o Cristianismo e o Islamismo pensam que há uma criação e que haverá um fim do mundo, sem apelo, seguido da eternidade "bem-aventurada"; 2) o hinduísmo, o Budismo e a maior parte das escolas do universalismo chinês ensinam que o cosmos está numa alternância perpétua de situações: aparece periodicamente um universo que depois desaparece numa catástrofe. Depois de um período de repouso, começa a formar-se um novo universo que, depois de ter durado muito tempo, é, por sua vez, destruído. E esta sucessão prossegue, sem começo nem fim.
Esta tipologia tem o inconveniente de só ter em conta o conteúdo interno das religiões, sem considerar os tipos de sociedade e a época em que as crenças escatológicas se formaram e desenvolveram. Liga estritamente crenças sobre a criação e o fim do mundo. Não tem em conta o caráter privilegiado do judaico-cristianismo na elaboração de uma escatologia no sentido pleno, preciso e consciente do termo.

Bleeker [1963, p. 250-721 propôs outra tipologia: a) a religião primitiva; b) as religiões da Antiguidade; c) o gnosticismo; d) as religiões da índia; e) as religiões baseadas numa revelação profética, isto é, o Zoroastrismo, o Cristianismo, o Judaísmo e o Islamismo.
Esta classificação, mais sociológica e histórica, tem dois inconvenientes: 1) confundir, na mesma categoria, formas muito diferentes de escatologia das sociedades ditas primitivas, enquanto que devemos distinguir pelo menos entre escatologias primitivas, tais como as apreendemos através dos mitos, e escatologias nascidas em contato com a colonização moderna dos brancos, exprimindo-se, em geral, sob a forma de milenarismo; 2) esbater o caráter específico da escatologia judaico-cristã, o que não significa que o judaísmo e o cristianismo ocupem um lugar privilegiado entre as religiões, mas temos de reconhecer que a escatologia – tal como apareceu na história e na ciência das religiões – se formou e desenvolveu no quadro judaico-cristão e, só por extensão, se fala de escatologia a propósito de outros sistemas religiosos.

Fonte: História e memória - Jacques Le Goff. 1990.

Nenhum comentário:

Postar um comentário