Bem Vindos

Ola amigos bem vindos a Arcanoteca um espaço para RPG, mitologia, contos e curiosidades, esperamos que gostem do nosso conteúdo e nos visitem com frequência. (amigos nós não temos pop ups por favor deixem o seu ADblock desativado para nosso site pois isso nos ajuda muito a manter a Arcanoteca)

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Menu Mitologia Grega: Atalanta e Hipomenes

ATALANTA E HIPOMENES




Logo depois de seu nascimento Atalanta foi abandonada numa floresta por seu pai que desejava descendentes masculinos. Nas montanhas uma ursa amamentou a criança. Certa vez, quando uns caçadores passavam por aquela região, encontraram a criança, levaram-na e a criaram. Atalanta cresceu nas frescas montanhas recobertas de florestas, tornando-se forte e ágil como uma gazela e seu maior prazer era caçar com sua lança. 

Em Calidon os primeiros frutos da colheita deviam ser sacrificados aos deuses. Infelizmente o rei Eneus esqueceu-se do sacrifício e, por isso, Artemis furiosa com a negligência enviou sobre o seu reino um enorme e furioso javali, que destruia plantações e colheitas. O rei mandou chamar os mais nobres homens para lutar contra o terror e o vencedor receberia a pele do javali. No entanto, como nenhum homem conseguisse vencê-lo, Atalanta se ofereceu e conseguiu lutar e vencer o terrível javali.

Assim Atalanta conquistou a reputação de grande caçadora. Seu pai a procurou levando-a para seu reino. Ela tinha o rosto muito masculino para uma mulher e. ao mesmo tempo, muito feminino para um homem. Sobre seu destino foi-lhe revelado: “Não te cases, Atalanta, porque o casamento será tua ruína”.

Essa predição a atemorizou de tal forma que ela decidiu fugir da companhia dos homens, dedicando-se inteiramente aos exercícios corporais e à caça. Quando algum pretendente à sua mão tornava-se mais insistente, ela geralmente se livrava da perseguição impondo-lhe uma regra: “Eu serei o prêmio daquele que conseguir vencer-me numa corrida, mas a morte será o castigo de quem tentar e perder”.

Apesar do risco que acompanhava essa proposta, muitos candidatos já haviam tentado conquistá-la sem sucesso e em todas as oportunidades o jovem Hipomenes tinha sido o juiz da disputa. A princípio ele se perguntava indiferente: “Será possível que alguém seja tão louco a ponto de arriscar sua vida desse modo, só para conquistar uma esposa?”. Até que um dia ao vê-la tirar as vestes para disputar uma das provas, ele entendeu a razão pela qual os interessados continuavam a chegar, e murmurou consigo mesmo: “Perdoai-me jovens, eu não sabia qual era o prêmio que irias disputar”. 

Hipomenes passou a desejar que todos os candidatos fossem derrotados. Esse sentimento crescia e se tornava mais forte a cada vez que o rapaz via a virgem correr. Para ele, nesses momentos ela ficava ainda mais bela, mais desejável, com os cabelos soltos agitando-se sobre os ombros e o rubor do esforço físico lhe coloria a face. Ao mesmo tempo, a brisa parecia dar-lhe asas aos pés e assim os concorrentes ficavam para trás, distanciados e eram mortos impiedosamente ao final da disputa.

Certo dia Hipomenes não mais se conteve e, fixando seus olhos nos olhos de Atalanta, ele disse: “Por que te vanglorias de vencer esses lerdos? Eu me ofereço para a disputa”. Sem saber o que responder, Atalanta apenas pensou: “Que deus pode tentar um homem tão jovem e tão belo a se arriscar dessa maneira? Tenho pena dele, não por causa de sua beleza mas sim porque é tão moço. Bom seria que desistisse ou caso seja tão louco para insistir, que me vencesse”.

Diante da sua hesitação de Atalanta, os espectadores reagiram. Enquanto isso, Hipomenes implorava ajuda de Afrodite, deusa do amor: “Ajude-me, senhora, pois foste tu que me impeliste a amá-la”. Ouvindo a súplica, Afrodite que tinha nos jardins uma árvore de folhas e ramos amarelos com frutos de ouro, colheu três frutos e sem que ninguém notasse, os entregou a Hipomenes, já posicionado na linha de partida, ensinando-o como usá-los.

Dado o sinal de largada, Atalanta e Hipomenes partiram na corrida incentivados pela plateia. Logo Hipomenes começou a respirar com dificuldade, sentindo a garganta seca, as pernas se tornando pesadas, o ímpeto diminuindo, apesar da meta ainda se encontrar distante. Seguindo as instruções de Afrodite, Hipomenes deixou cair uma das maçãs de ouro e Atalanta admirada parou para pegá-la, permitindo que Hipomenes ganhasse dianteira.

Mas Atalanta voltou a correr e logo alcançou o adversário. Ao percebê-la Hipomenes largou a segunda maçã. Novamente Atalanta parou para pegá-la mas reiniciou a corrida aproximando rapidamente do desafiante. Quando estava quase a ultrapassá-lo, próximo da linha de chegada, Hipomenes viu que só lhe restava apenas uma oportunidade e mais uma vez suplicou para Afrodite: " Oh deusa, faça frutificar tua dádiva" e jogou a última maçã de ouro.

Enquanto Atalanta se distraiu com a árvore de ouro que crescia, Hipomenes venceu a corrida. Atalanta ficou satisfeita com o presente de Afrodite e Hipomenes por ter conseguido vencer. Porém, felizes na comemoração se esqueceram de agradecer à deusa Afrodite. Com essa ingratidão não ficaram impunes os ofensores: a deusa Cibele que punia a ingratidão os fez perder a forma humana: Atalanta foi transformada em leoa e Hipomenes em um leão. Eles foram atrelados ao carro da deusa, onde ainda podem ser vistos em todas as suas representações, na escultura e na pintura. A profecia se cumpria: o seu casamento seria sua ruina.

Refleão:

Atalanta é uma imagem da fuga do feminino, inicialmente ainda não integrada. Ela se inscreve na linhagem de mulheres que não se interessam em se unir ao masculino, porque ela deseja alguém que seja igual a ela, veloz, ágil e forte. O mito de Atalanta é simbolizado nas mulheres auto-centradas e a sua lança simboliza isso. O tema central deste mito é a união dos opostos e posteriormente uma transformação.


Do grego Tálanta, que significa a sofredora, a mulher que suporta, Atalanta se dedicava à caça. Poderia se pensar que ela teria uma força muito grande, mas na verdade era aparente. Ela tinha um método preciso de deixar que seus pretendentes saissem na frente com vantagem na corrida, mas todos invariavelmente perdiam a corrida e eram abatidos. A Atalanta do mundo moderno é a executiva que, absorvida pelo trabalho, não tem tempo para se dedicar aos seus sentimentos e emoções.


Da forma como ela fora criada, Atalanta andava armada e seu desejo era permanecer na solidão, imersa na sua natureza. Para fugir do casamento ou da união com o masculino, tinha seus truques e conseguia vencer seus pretendentes usando-os. Isso tem uma significação ampla, uma negação das diferenças entre o masculino e o feminino. O seu desejo em retardar o casamento está na falta de consciência acerca da própria sexualidade; é neste mundo das disputas que ela não se sente rejeitada. 


No mito, o amor rompeu isso com Afrodite, que não admite rebeldes ao amor, ajudando Hipomenes. Os pomos de ouro representam os truques da sedução. Com seus truques, Hipomenes venceu a corrida e ajudou Atalanta encontrar sua porção mulher: a união dos opostos e a transformação, do ser uno ao ser duplo, do feminino no masculino. Os conteúdos da alma se integram e nesta conquista o brilho de ouro que a fascina, faz com que Hipomenes sutilmente a alcance e vença a corrida. 


A transformação em um casal de leões pode ser entendida como uma passagem da sexualidade infantil, para uma sexualidade mais amadurecida. Atalanta abandona a imagem do feminino fugidio para ser mulher. Este processo psicológico do desenvolvimento dos lados contra sexuais internos é requisito para o desenvolvimento no caminho da auto descoberta. Muda para uma personalidade madura, consciente de suas responsabilidades e ciente de ter experienciado a mais profunda conexão da existência. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário