Bem Vindos

Ola amigos bem vindos a Arcanoteca um espaço para RPG, mitologia, contos e curiosidades, esperamos que gostem do nosso conteúdo e nos visitem com frequência. (amigos nós não temos pop ups por favor deixem o seu ADblock desativado para nosso site pois isso nos ajuda muito a manter a Arcanoteca)

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Menu Mitos e Lendas: The Hoock - O gancho

THE HOOCK - O Gancho

The Hook ou Hockman trata-se da  lenda urbana sobre o homem gancho, é muito popular e antiga, tendo relatos desde o meio dos anos cinquenta, mas seu ápice foi com a publicação, em 8 de novembro de 1960, de uma carta afirmando ser um relato verdadeiro este acontecimento.

Verdade ou não, os relatos sempre falam de um casal que foi para uma estrada deserta namorar, quando a música do rádio foi interrompida por um boletim especial, informando que um maníaco havia fugido do hospício e estava pelas redondezas. A notícia mandava que todos ficassem em suas residências pois ele era extremamente perigoso e a descrição dada só aumentava o terror a seu respeito: tinha cerca de dois metros de altura, cabelos raspados e no lugar da mão direita, que fora decepada, havia um grande e afiado gancho.

Após ouvir isso tudo, a garota ficou histérica, começou a insitir com o namorado para irem embora, de início ele não aceitou, achou que era só uma desculpa para ela sair dali, mas depois de muita insistência, o rapaz arrancou furioso com o carro.
Quando chegaram à casa da garota, ele desceu e deu a volta para abrir a porta do carona, mas viu algo que fez seu sangue gelar, um gancho sujo de sangue pendurado na maçaneta.

Acredita-se que essa história tenha surgido como uma forma de assustar as pessoas, no sentindo de fazê-las acreditar que aqueles que cometem adultério, prostituição e / ou sexo fora do casamento seriam punidos por esses atos. Nas décadas de 50-60, os índices de prostituição eram altíssimos nos EUA, e essa história surgiu na tentativa de frear um pouco o aumento desse tipo de prática, através do medo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário