Bem Vindos

Ola amigos bem vindos a Arcanoteca um espaço para RPG, mitologia, contos e curiosidades, esperamos que gostem do nosso conteúdo e nos visitem com frequência. (amigos nós não temos pop ups por favor deixem o seu ADblock desativado para nosso site pois isso nos ajuda muito a manter a Arcanoteca)

sábado, 26 de setembro de 2015

Menu Mitologia Indiana: Naga

NAGA

Naga (do sânscrito: नाग, nāga) é uma palavra em sânscrito e páli que designa um grupo de divindades da mitologia hindu e budista. Normalmente têm a forma de uma enorme cobra-real, com uma ou várias cabeças.
No grande épico Hindu Mahabharata, os Nagas tendem a ser apresentados como seres negativos, perseguidos por Garuda, o homem-pássaro, ou vítimas merecedoras de sacrifícios a deuses-serpente.
O termo Naga é muitas vezes ambíguo, pois pode também se referir, em determinados contextos, a uma das várias tribos ou etnias humanas conhecidas como nāga e a certos a tipos de elefante e de cobra.
Um Naga feminino é um nagi ou nagini.
No grande épico Mahabharata, a representação de nagas tende para o negativo. No épico elas são chamadas de "perseguidores de todas as criaturas", e diz-nos "as cobras eram de veneno virulento, grande destreza e excesso de força, e que haviam se decidido a morder outras criaturas" (Livro I: Adi Parva, Seção 20). Em alguns pontos dentro da história, nagas são jogadores importantes em muitos dos eventos narrados no épico, freqüentemente não mais mal nem enganosos do que os outros protagonistas, e às vezes no lado do bem.
O épico freqüentemente caracteriza nagas como tendo uma mistura de características humanas e de serpente. Às vezes, os caracteriza como tendo características humanas de uma só vez, e como tendo traços de serpente na outra. Por exemplo, a história de como o príncipe naga Shesha veio para segurar o mundo em sua cabeça começa com uma cena em que ele aparece como um asceta humano dedicado ", com o cabelo amarrado, vestido com trapos, e sua carne, pele e tendões secaram devido às duras penitências que ele estava praticando. "Brahma está satisfeito com Shesha, e confia-lhe com o dever de levar o mundo. Nesse ponto da história, Shesha começa a exibir os atributos de uma serpente. Ele entra em um buraco na terra e desliza por todo o caminho para baixo, onde ele carrega a Terra em sua cabeça. (Livro I: Adi Parva, Seção 36.)

Nenhum comentário:

Postar um comentário