Bem Vindos

Ola amigos bem vindos a Arcanoteca um espaço para RPG, mitologia, contos e curiosidades, esperamos que gostem do nosso conteúdo e nos visitem com frequência. (amigos nós não temos pop ups por favor deixem o seu ADblock desativado para nosso site pois isso nos ajuda muito a manter a Arcanoteca)

sábado, 11 de abril de 2015

Mitos e Lendas: A origem de Jack Risonho

A ORIGEM DE JACK RISONHO

Era véspera do natal nevoso de 1800, em Londres na Inglaterra e em uma pequena casa na periferia da cidade vivia uma menino solitário de 7 anos de  idade chamado Isaac. Isaac era uma criança triste sem nenhum amigo para brincar. Enquanto as outras crianças iam passar o tempo com suas famílias aguardando ansiosamente para abrir os presentes que foram colocados em baixo de uma árvore de natal bem enfeitada, o pequeno Isaac passou a santa noite sozinho em seu quarto no sótão empoeirado e frio. Os pais de Isaac eram muito pobres, sua mãe ficava em casa cuidando dele e seu pai trabalhava no porto de Londres durante o dia e a noite para sustentar sua família, apesar disso, grande parte de seu salário ele gastava com bebida no final de seu turno. Muitas vezes ele chegava em sua casa bêbado depois de ter sido expulso de algum bar de Londres e gritava com sua amada esposa, a mãe de Isaac.
Ocasionalmente ele agia com violência espancando ela forçando ela a ter relações sexuais com ele bêbado. Em uma dessas noites em partículas, Isaac permaneceu em silêncio, tremendo debaixo de seus lençóis sujos até que os gritos e estrondos diminuíssem. Assim o pobre garoto adormeceu, ele sonhou o quão legal seria ter um amigo com quem brincar, se ele pudesse rir e ser feliz como as outras crianças de Londres. Felizmente para o pequeno Isaac nesta véspera de natal sua solidão chamou a atenção de um anjo da guarda, que então preparou um presente muito especial para o menino triste de Londres.
À medida que o sol se levantou naquela manhã de Natal, Isaac abriu os olhos para encontrar uma pequena caixa de madeira estranha sob sua cama. Com os olhos arregalados de espanto, ele olhou para a caixinha colorida  se perguntando quem havia lhe dado. Obviamente ele não estava acostumado a receber qualquer presente, especialmente brinquedos. Os poucos que ele tinha haviam sido encontrados na rua. Isaac foi até o pé de sua cama na frente da caixinha misteriosa e apanhou com as duas mãos. A caixa era belamente pintada em estilos coloridos com desenho de um palhaço feliz em cada lado. Havia uma etiqueta na caixa que simplesmente dizia “Para Isaac”

No topo da caixinha havia uma frase escrita.
Isaac forçou os olhos para ler as palavras
- Ca-Ca-i-xa do  Ja-ck – Ri-Ri-so-nho - ele fez uma pausa - caixa do Jack Risonho?
Sua mente girou com a curiosidade ele agarrou a manivela da caixa. Isaac girou a manivela e a canção Pop Goes The Weasel começou a suar conforme ele girava a manivela. Quando a música chegou ao seu clímax, Isaac cantou junto com o verso final
-Pop goes the weasel - Mas nada aconteceu. Isaac deixou escapar um suspiro.
- esta quebrado... eu sabia - Ele colocou a caixa de volta para baixo na borda da cama e arrastou através de sua pequena sala empoeirada de sua cômoda, onde ele tirou seu pijama e colocou sua roupa esfarrapada habitual.

De repente, Isaac escutou um barulho alto vindo da cama atrás dele. Ele virou-se para testemunhar a caixa de madeira sacudindo violentamente. Então, sem aviso, a parte superior da caixa se abriu e um desfile de fumaça colorida e confete surgiu. Isaac esfregou os olhos em descrença do que ele estava vendo. Quando a fumaça se dissipou lá estava um homem alto e magro multi colorido um palhaço, com o cabelo vermelho brilhante, seu nariz em formato de cone era listrado tinha as 7 cores do arco-iris e os ombros cobertos de penas ele se sentou em cima de uma pilha de roupas sujas era um palhaço multicolorido.
O palhaço multi colorido abriu os braços e animadamente anunciou:
- Venham, venham todos! Seja grande ou pequeno! Para ver o melhor PALHAÇO DE TODOS OS TEMPOS ! Aqui, o único, JACK RISONHO"
Os olhos de Isaac se iluminou:

- Q- Quem é você? - Questionou Isaac.
O colorido carnie desceu da cama e com um sorriso feliz disse:
- Estou feliz que você tenha perguntado! Eu sou Jack Risonho, o seu novo amigo para a todo o sempre! Eu sou mágico, eu nunca me canso de brincar, eu sou um gênio no acordeão, e posso imitar quem eu quiser ... Em outras palavras, o que você gosta, eu gosto! - Isaac olhou para o misterioso homem palhaço
-amigos? Eu agora tenho um amigo? - ele gaguejou.
Jack olhou para o menino, enquanto levantava uma sobrancelha.
- amigos? Nós somos melhores amigos! Eu fui criado para ser seu amigo, muito mais do que imaginário.
Queixo de Isaac caiu
-Você sabe o meu nome?
Jack soltou uma risada de lunático.
-É claro que eu sei o seu nome. Eu sei tudo sobre você! Então, agora que as apresentações foram feitas... Como gostaria de jogar uma partida de pique esconde?
Isaac sorriu de orelha a orelha
- SERIO? Podemos brincar juntos? Eu adoraria! Eu... Oh... - Ele fez uma pausa - Eu não posso... Eu tenho que ir lá embaixo estudar com minha mãe e fazer algumas tarefas - seu sorriso desapareceu em uma decepção de olhar.
Jack colocou a mão no ombro de Isaac e com um sorriso disse:
- Está tudo bem! Eu estarei esperando aqui por você quando você voltar. - O sorriso de Isaac voltou quando ele olhou para seu novo amigo. Só então ele ouviu a voz estridente de sua mãe chamá-lo de lá de baixo.
- Bem, eu tenho que ir! Mais tarde eu venho para brincarmos, ok Jack? - Ele disse enquanto se dirigia para a porta.
Jack sorriu – Claro que sim Isaac!
Isaac olhou para Jack, que lhe deu uma piscadela e disse:
- Você deveria sorrir mais vezes. Combina com você."
Isaac sorriu feliz quando ele se virou e saiu pela porta.
Todo o dia Isaac contava à mãe sobre o homem palhaço colorido incrível que saiu de uma caixa mágica que apareceu no pé de sua cama. Sua mãe no entanto, não acreditava em uma palavra dele. Finalmente ele convenceu sua mãe a segui-lo até seu quarto para que ela pudesse ver o Jack Risonho por si mesma. Subiram as escadas e Isaac abriu a porta de seu quarto.
- Veja mãe? Ele está ali-... - Isaac fez uma pausa enquanto olhava o quarto que não continha nenhum homem vestido de palhaço dançando, nem caixa de madeira misteriosa. A mãe de Isaac não estava se divertindo. Ela deu a Isaac um olhar tão ameaçador que fez seus joelhos tremerem e seu estômago doer.
- M, mas mãe… ele estava...
A mãe de Isaac deu-lhe um fortíssimo tapa na cara. Seus olhos  começaram a lacrimejar, e seu lábio começou a tremer como se pudesse sentir que estava prestes a sangrar.
- Você é uma criança estupida e insolente! Como se atreve a mentir para mim sobre tal idiotice infantil! Quem gostaria de ser amigo de um verme inútil como você? Você vai ficar em seu quarto pelo resto da noite e não vai comer nada até lá ...
- Agora, o que você tem a dizer?
Isaac engoliu o nó na garganta, para poder murmurar uma resposta
-D-desculpa mãe.
Sua mãe olhou para ele por um momento antes de sair da sala com um tom desgosto.
Isaac ajoelhou na sua cama, enterrando seu rosto no seu travesseiro. Rios de lágrimas corriam pelo seu rosto quando ele começou a chorar.
-O que há de errado? - Uma voz disse. Isaac olhou para a borda da cama onde Jack Risonho estava agora, sorrindo sentado ao lado dele.
- on-onde você estava?" Isaac murmurou. Jack passou a mão pelo cabelo de Isaac para confortá-lo quando ele suavemente respondeu:
- Eu estava me escondendo ... Eu não posso deixar que seus pais me vejam ... Caso contrário, eles não vão deixar-nos brincar mais. - Isaac enxugou as lágrimas de seus olhos. - Olha criança. Me desculpe, eu tive que me esconder, mas eu só fiz isso por você! Porque hoje à noite podemos brincar e ter toneladas de diversão! - Jack disse sorrindo.
Isaac olhou para seu amigo vibrante e silenciosamente acenou com a cabeça e um pequeno sorriso começou a se formar nos cantos de sua boca. Naquela noite Jack e Isaac brincaram muito. Com um aceno de sua mão Jack fez os poucos soldados de ferro de Isaque ganharem vida e marchar ao redor da sala. Isaac foi surpreendido enquanto observava seus brinquedos mover ao redor da sala por conta própria. Então Jack Risonho e Isaac contaram um ao outro histórias de fantasmas assustadoras. Isaac perguntou a Jack se ele era um fantasma, mas Jack explicou que ele estava mais para uma entidade cósmica da sorte. No final da noite, Jack enfiou a mão no bolso e tirou uma variedade de deliciosos doces. Isaac estava em êxtase quando ele colocou a primeira bala colorida em sua boca, como se fosse a primeira vez que tivesse provado algum doce. Isaac se divertiu muito e riu tanto naquela noite que os anjos pareciam estar finalmente olhando para o pequeno Isaac... Pelo menos até que um incidente que ocorreu 3 meses depois ...
Era um dia ensolarado e agradável em Londres, o que era uma raridade. Assim, com a ajuda de um certo amigo não tão imaginário, Isaac foi capaz de terminar suas tarefas mais cedo e foi autorizado a sair e brincar um pouco. As coisas começaram bem simples, a dupla foi para trás da casa brincando de piratas, quando Isaac viu um gato do vizinho escondido em seu jardim.
- Hey! Temos um inimigo espião a bordo! - Isaac gritou, cativado pela fantasia e imaginação.
- Yo ho! receba-o capitão Isaac " exclamou o companheiro de Jack em seu melhor sotaque pirata saudável. Jack Risonho estendeu seu braço por todo o jardim e arrebatou o felino desavisado, que começou a lutar com bastante vigor.
- Não deixe ele fugir JACKE ou eu vou fazer você andar na prancha!" Isaac contrariou.
Jack apertou o gato e seus braços cresceram e estenderam-se como uma anaconda envolvendo-os ao redor do felino astuto, que se esforçava para salvar sua vida. Os braços de Jack não paravam de apertar o animal pressionando o ar para fora de seus pulmões. Os olhos do gato começaram a ser empurrados para fora das órbitas. Alto! Jack rapidamente soltou a criatura de sua mão sem vida e sua carcaça caiu no chão. Houve um silêncio enquanto os dois observaram o cadáver agora torcido e mutilado do gato. O silêncio foi finalmente quebrado por um riso barulhento ... vindo de Isaac ...
- Ahahahaha Uau! Eu acho que os gatos realmente não tem sete vidas! AHAHAHA! - Isaac exclamou com os olhos quase com lágrimas de tanto rir.
Jack risonho começou a rir também.
- He he ehe. Pois é... Mas não tem problema sua mãe encontrar um gato morto em seu jardim?
A risada de Isaac rapidamente foi diminuindo.
- Oh.. Você tem razão! Hum... eu vou só... jogá-lo de volta para o quintal do vizinho.
Isaac quase entrou em pânico então ele pegou uma pá perto e pegou o cadáver do gato quebrado e arremessou sobre o muro para o quintal do vizinho.
Ele rapidamente voltou para dentro e foi para seu quarto.
Cerca de uma hora e meia depois os dois começaram a ouvir sua mãe gritando furiosa.
Enquanto Jack permaneceu no quarto, Isaac desceu as escadas para enfrentar as consequências. Jack podia ouvir gritos e choro vindo lá de baixo, mas não conseguia entender o que estava sendo dito. Cerca de 30 minutos depois Isaac subiu as escadas de volta para o quarto chorando muito.
- Você está Bem? - Perguntou Jack, nervoso. Isaac apenas estrelou no chão enquanto ele falava: - Eu ... Tentei dizer a ela que foi você quem machucou o gato... Ela não acreditou em mim... Disse que não era real...
Jack franziu a testa sabendo que isso era tudo culpa dele.
Isaac usado a manga da blusa para enxugar suas lágrimas disse:
- Eu estou sendo enviado para um colégio interno... Eu estou partindo esta noite... e você não pode vir comigo...
Jack risonho ficou surpreso:
- O que? Eu-Eu não posso ir? Para onde irei?
Isaac não disse nada, mas apontou para a bela caixa colorida de onde seu amigo tinha surgido.
- Voltar pra la? Mas eu não vou ser capaz de voltar até que... - Jack fez uma pausa . Isaac olhou para cima quando seu único amigo, com lágrimas escorrendo pelo seu rosto.
- Jack... Eu prometo que vou voltar para você o mais rápido possível! - Jack olhou para a caixa e depois para Isaac.
- E eu estarei bem aqui esperando por você pequeno - Jack sorriu com uma única lágrima escorrendo pelo seu rosto. Ele andou até a caixa e com uma nuvem de fumaça foi sugado de volta, incapaz de ser livre até que mais uma vez alguém abrisse.
Isaac naquela noite foi mandado para um colégio interno. Pela primeira vez Jack Risonho sentiu-se sozinho. Mesmo quando preso em sua caixa ele era capaz de ver as coisas acontecendo ao seu redor, de modo que cada dia ele esperou que o amigo voltasse e cada dia o quarto ficava mais velho e empoeirado. Jack Risonho era para ser o melhor amigo de Isaac durante toda sua vida e agora ele o esperava dia após dia, mês após mês, para se reunir com seu amigo especial. Os pais de Isaac ainda moravam na casa, mas nunca algum deles veio para o quarto no andar de cima. A única vez que eles fizeram a sua presença conhecida foi quando Jack ouvia eles brigando. Ainda assim a vida de Jack se tornou uma solidão, solidão e decepções. Com o passar dos anos, as cores vibrantes e brilhantes de Jack começou a desvanecer-se em um borrão monocromático de breu vazio e o vazio totalmente branco e preto as cores do palhaço se foram. Preso sozinho... eterno e sem esperança.
13 anos se passaram até que o pai de Isaac naquela noite chegou em casa bêbado e começou uma discussão com sua esposa como de costume. As coisas partiram para a violência física mais uma vez, no entanto, desta vez, ela não voltou para cima. O pai de Isaac tinha batido tão forte em sua esposa que ela sangrou tanto até morrer e foi condenado à forca no dia seguinte. Com seus pais mortos, isso significava que com vinte 20 anos de idade, Isaac herdou a velha casa empoeirada, ele voltou a essa casa, Jack risonho ficou surpreso quando ouviu passos de seu velho amigo subindo as escadas para o sótão quarto pela primeira vez em 13 anos, no entanto, não foi o reencontro de Jack esperava.
Isaac parecia... diferente. Não só era mais velho, mas ele também parecia possuir esse olhar triste e estranho em seu rosto. Não era mais o jovem esperançoso e curioso que Jack conheceu a anos atrás. Jack aguardou Isaac para liberta-lo da prisão, ele havia esperado durante tantos anos, mas mesmo assim a caixa de Jack permaneceu la, intocada e despercebida em uma prateleira no canto da sala com todas as outras indesejadas bugigangas empoeiradas. Isaac tinha esquecido completamente o seu velho amigo. Surpreendentemente isso fez Jack Risonho sentir... nada. Ele estava vazio de esperança, isso deixou o palhaço monocromático cheio de tristeza e auto-piedade. Jack permaneceu em seu caixa, incolor e sem emoção.
No dia seguinte, Isaac saiu para trabalhar, ele fazia reparos de móveis para o bom povo de Londres. Jack esperou em seu cativeiro. Horas depois, um Isaac bêbado voltou para casa e cambaleou até as escadas para o seu quarto, mas desta vez ele tinha uma amiga com ele. Era uma amiga que Isaac tinha pego no bar mais cedo naquela noite. Ela era bonita, com longos cabelos loiros, olhos de safira azul e um sorriso que poderia fazer corações derreter. Jack Risonho foi traído, fora trocado por uma hóspede de Isaque:
- Quem é esta? Uma nova amiga? Por que Isaac precisa de novos amigos? Eu pensei que eu era o único amigo de Isaac.
Jack pensou consigo mesmo de dentro de seu confinamento infernal. Isaac e sua amiga sentou-se na cama e conversaram sobre a vida em Londres. Isaac fez uma piada sobre o tempo e os dois riram.
Jack Risonho assobiou com inveja e raiva vendo a nova amiga de Isaac. Isaac e a menina olharam profundamente nos olhos um do outro como eles se inclinaram para um beijo, lábios se tocaram com um turbilhão de línguas apaixonados um pelo outro. Jack ficou perplexo com essa demonstração de afeto estranho, pois nunca tinha visto alguém beijando antes. À medida que o beijo se tornou mais intenso Isaac passou a mão na longa coxa lisa da menina e seu vestido, no entanto o seu convidado apenas roçou a mão. Isaac era persistente, porém e mais uma vez passou a mão ao longo de sua coxa lisa e levanta sua saia, desta vez colocando a mão em cima de suas roupas de baixo de seda. A mulher teve grande descontentamento com os avanços sexuais de Isaac e empurrou Isaac fora antes de dar-lhe um tapa forte no rosto. Os olhos de Isaac ficaram escuros, ele olhou para a mulher, a sua paixão, uma vez bêbado se transformou em raiva movidos a álcool. O coração da mulher acelerou quando ela viu o rosto de Isaac ferver de raiva.
- PUTA ESTÚPIDA! - Isaac gritou quando ele quebrou o punho no rosto da menina.
Os olhos de  Jack Risonho se arregalaram quando ele testemunhou as longas faixas de um liquido vermelho escorrer do nariz da garota.
-Que brincadeira é essa?
Pensou ele, os olhos de uma virgem para tais visões violentas. Isaac agarrou firmemente o pulso da moça com uma mão enquanto ele rasgou sua calcinha com a outra.
A menina apavorada tentou revidar, mas Isaac a dominou. Ele acariciou seus seios grosseira e selvagemente agarrando o cabelo dela e forçando sua língua na garganta da jovem em soluços, que respondeu com uma mordida forte na língua de Isaac. Jack observava com os olhos arregalados e curiosos com o o seu velho amigo brincava com sua nova companheira.
Ele apertou o punho contra a sua boca enquanto ela encheia de sangue vermelho quente. A menina assustada saidu da cama e caiu no chão levantando-se ela correu para a saída. Isaac rapidamente saltou para a frente e foi capaz de recuperar o brinquedo em fuga agarrando o final de seu vestido.
Puxando-a de volta ele agarrou um castiçal que estava na cabeceira ao lado dele, e com toda a sua força bateu na parte de trás da cabeça da jovem , que se abriu como uma melancia madura. Sangue grosso espalhado em toda a sala com o corpo da menina convulsionando no chão por alguns segundos antes de ficar completamente imóvel. O sangue estava por toda parte, algumas gotas até respingaram na caixa de Jack, que estava curtindo muito o espetáculo e estava começando a rir. Pela primeira vez em 13 longos anos um sorriso começou a rastejar através do rosto de Jack Risonho, e, de uma risada súbita escapou de seus lábios frios, depois outra, e outra, até que Jack estava cacarejando e uivando com risos de dentro de sua caixa selada.
- Que brincadeira maravilhosamente fascinante! " Jack pensou enquanto observava o loiro cabelo da menina ficando  vermelho com fluxo de sangue em sua cabeça imóvel.
À medida que a adrenalina começou a diminuir Isaac percebeu que tinha de se desfazer do corpo. Pegou corpo sem vida da menina e pulou em cima da cama, ele então saiu do quarto fechando a porta atrás de si e trancando tudo antes de sair. Voltou só um dia depois e entrou na sala trasendo com ele uma lata de lixo de metal e sua bolsa de ferramentas de estofos de trabalho. Em seguida, ele limpou tudo de cima da mesa de madeira na parede oposta à porta, e depois arrastou a cama com cadáver ensanguentado no meio da sala. Isto não só deu espaço para Isaac trabalhar, mas também deu a Jack Risonh um lugar na primeira fila para todo o espetáculo. Jack olhava com um grande sorriso observando Isaac e seu novo “jogo” com o cadaver da mulher. Ele começou seu trabalho.
Primeiro, ele despejou o conteúdo de sua bolsa grande de ferramentas para a mesa de trabalho atrás de si. Uma variedade de facas, martelos, alicates e outras ferramentas. Sua primeira escolha foi faca curvada, que ele usou para remover a pele cuidadosamente do corpo. Essa pele foi então colocada em prateleiras para ser esticado e transformadas em couro. Uma vez que foi posto em prática, Isaac em seguida, usou um serrote para serrar os braços, pernas e a cabeça.
Depois de encher a lata de lixo com água sanitária e outros produtos químicos, ele afundou os membros até que a carne foi retirada dos ossos. Isaac pescou os ossos do cadáver e colocou-os sobre a mesa de trabalho, em seguida, na calada da noite, ele trouxe a lata de lixo do lado de fora e jogou os restos podres para os esgotos de Londres para serem varridos para o porto.
Durante os próximos 3 dias Jack Risonho assistiu com espanto um inspirado Isaac em seu trabalho transormando a anatomia humana em um móvel. Do fêmur foi feito para as pernas traseiras da cadeira, enquanto a tíbia com os pés ainda ligados, claro, foi feita para as pernas frotnais da cadeira. Uma armação de madeira foi utilizada para a base de apoio da cadeira , no entanto, o rebordo do suporte foi trabalhada usando a coluna vertebral . Os ossos do braço foram usados como os braços da cadeira, e foram presos no local por algumas costelas.
A pele agora couro foi costurada sobre o assento e respaldo da cadeira, e o cabelo louro dourado foi trançado em um forro para a base. No topo desta poltrona do inferno estava o crânio que pertencia à menina que tinha o cabelo loiro dourado, os olhos de safira, e o sorriso que poderia derreter corações. Isaac estava bastante satisfeito com o seu trabalho, e Jack Risonho também ficou impressionado com profunda criatividade de seu velho companheiro. Depois daquela noite, Isaac nunca mais tocou em uma gota de álcool novamente, pois ele agora possuía uma sede muito mais macabra.
Nas semanas seguintes, Isaac fez várias melhorias para sua pequena oficina de horrores. Ele tirou o colchão da cama e colocau uma linha de pranchas de madeira de espessura em seu lugar e então ele prendeu braçadeiras e tornozelerias nos cantos de cada aste. Isto significa que ele seria capaz de entreter seus convidados para um período mais longo sem que eles tentassem fugir. Isaac precisava apenas de uma última coisa antes de planejar um novo móvel grotesco. Ele trabalhou por uma semana direto.
Depois que uma camada de tinta branca foi aplicada, a criação de Isaac estava completa. Era uma máscara semelhante a de madeira algo que se vestir em um baile de máscaras veneziano. Tinha uma testa franzida e um nariz longo dos Trolls e lhe permitiria golpear o medo nos corações de seus queridos convidados. Com seu novo rosto completo e o quarto transformado em um ninho de assassinatos sangrentos, era finalmente hora de Isaac trazer um novo “companheiro” .
Na noite seguinte Jack Risonho observou o mascarado Isaac Grossman, carregando consigo um grande saco de estopa com seu mais novo convidado se contorcendo dentro. Ele jogou a bolsa sacudindo para fora em seu leito de tortura um menino amarrado, amordaçado e com muito medo, provavelmente apenas 5 ou 6 anos de idade. Isaac rapidamente desfez as amarras do garoto e em  seguida prendeu na cama por seus braços e tornozelos. Lágrimas escorriam sem parar para baixo do impotente rostinho do menino quando Isaac estabeleceu suas ferramentas na bancada. Isaac voltou empunhando um par de alicates enferrujados e sem perder tempo ele deslizou a mandíbula inferior do alicate sob unha do menino em seu dedo indicador direito e segurou com força. Os olhos da criança estremeceram quando ele começou a murmurar através de sua mordaça, implorando Isaac deixá-lo ir. Isaac sorriu quando ele se inclinou lentamente o alicate para trás, dolorosamente arrancando a primeira unha.
O menino gritou através da mordaça, ele se contorcia em agonia nas tábuas de madeira, o dedo começou a jorrar de sangue. Isaac então mudou-se para o dedo médio do rapaz, segurando firmemente a unha com o alicate enferrujados. Mais uma vez, ele empurrou o alicate de volta , mas desta vez o prego só arrancou no meio do caminho . O menino gritou de dor enquanto seus dedos se contraíram. Fixando o alicate na metada da unha que ficou, Isaac deu outro puxão . A unha arrancou, mas não sem levar uma boa dose de tecido da pele junto. Até mesmo Isaac ficou um pouco aturdido por esta visão dolorosa, ao contrário de Jack Risonho que estava cacarejando de alegria enquanto espionava as açãos perturbadoras de dentro de sua velha caixa empoeirada.
Isaac voltou para a bancada e trocou os alicates para um grande martelo de ferro. Ele, então, fez o seu caminho até o pé da cama de tortura, onde com uma mão ele segurava para baixo a perna esquerda do garoto. Ele levantou o martelo acima da cabeça como o menino chorou e implorou por misericórdia através de sua mordaça suja, então, com toda a sua força Isaac bateu o martelo sobre a rótula nua do rapaz, quebrando o osso em cascalho com um estalo alto! A criança convulsionado de dor com gritos estridentes abafando através da mordaça de pano amarrado com força em seu rosto.
Com o garoto de debatendo em intesa dor, Isaac colocou o martelo sobre a cama de madeira e voltou mais uma vez para a bancada de ferramentas onde se equipou com uma faca longa afiada. Sem demora, ele começou a entalhar as palavras - verme inútil - no peito palpitante da criança. Quando ele terminou o menino estava quase inconsciente. Isaac ajoelhou-se e sussurrou no ouvido do menino.
- Isto é o que acontece com as crianças podres que fazem caras desagradáveis ?? para as pessoas...
Os olhos do menino se encheram de lágrimas uma última vez. Isaac começou a esculpir na pele do rosto do menino, mas para surpresa de Isaac, o menino ainda se agarrava à vida. A criança mutilada apenas olhou para Isaac com seus grandes olhos redondos o que encheu o coração negro de Isaac de raiva e ódio.
- Seu rosto agora, ESTA MAIS FEIO DO QUE NUNCA - Isaac gritou quando ele pegou o martelo do pé da cama e começou a bater o crânio do pobre garoto.
Ele esmagou mais e mais, até que ela não passava de uma sangrenta massa de carne, servindo com sangue vermelho espesso e escorrendo para fora pedaços de massa encefálica. Do outro lado da sala Jack Risonho alegremente observou o grand finale, que tinha superado todas suas expectativas.
A Próxima convidada de Isaac era uma velha cega a quem ele convidou para um chá. Levou quase 5 minutos para a velha perceber que a cadeira em que estava sentada foi trabalhada com restos humanos, e mais 6 minutos para encontrar as escadas tentando fugir, apenas para se derrubar rolando, batendo e girando escada abaixo. Isaac decidiu acabar com a piada cruel lá com um simples furador de gelo através de sua cavidade ocular.
Depois disso, ele trouxe mais uma menina a quem ele alimentou a forçando a comer vidro quebrado antes de usar seu estômago como um saco de pancadas. À medida que as semanas se passaram mais e mais almas infelizes encontraram seu fim no sótão de Isaac Grossman. E com sua personalidade, louca e cada vez mais sádica,  Jack Risonho continuou apodrecendo dentro da caixa empoeirada... sendo testemunha de todos horrores orquestrados por Isaac ... até que em uma noite fria de Dezembro.
Os pregos enferrujados que estavam segurando a prateleira de bugigangas esquecidas finalmente quebrou e todas as coisas cairam no chão. Isaac ouviu o barulho alto do andar de baixo e decidiu subir até o sótão para investigar. Ele atravessou o piso de madeira manchado de sangue do sótão. Ao juntar os objetos Isaac deixou de lado algumas das bugigangas que quebraram no acidente, quando ele finalmente se deparou com a Caixa de jack Risonho de sua infância. Isaac mal reconheceu a caixa esfarrapada velha quanto ele o pegou e soprou um pouco da poeira. Em seguida, por qualquer motivo nostálgico ele decidiu agarrar a caixa enferrujada e começou a girar a manivela.
A horrível música Pop Goes The Weasel começou a suar da caixa velha, Isaac cantou junto o verso final "Pop goes the weasel... " a parte de cima da caixa se abriu, mas nada conteceu, estava vazio. Isaac esperava mais que isso, então jogou a caixa junto com as outras coisas quebradas. Após arrumar a prateleira ele se preparava para colocar algumas coisas que ainda estavam em boas condições de volta ao local. Então ele ouviu uma voz rouca e horrivel chamar por seu nome atrás dele.
- Issaaaaaaaaaaaaaaaaac.
Um choque frio percorreu a espinha de Isaac e os cabelos na parte de trás do seu pescoço ficaram iriçados até que ele virou-se lentamente... Todo o caminho através da sala pela lata de lixo estava no pesadelo de Jack Risonho. Ele estava completamente monocromático, com o cabelo preto mutilado pendia em mechas torcidas, dentes irregulares afiados decoravam seu sorriso torcido e seus braços pendiam como uma boneca de pano com seus longos dedos grotescamente quase raspando o chão.
Então, com um arrepiante voz rouca o palhaço diabólico falou:
- Como é bom finalmente estar livre! Sentiu minha falta Isaac?
Isaac estava paralisado de medo.
M- mas eu pensei que você não fosse real... IMAGINÁRIO.  - Isaac gaguejou. Jack respondeu com uma longa gargalhada horrível.
- HAHAHAHA! Oh, eu sou bastante real garoto... Na verdade, eu estive esperando todo este tempo por este dia para, finalmente, sair... Para poder brincar com o meu melhor amigo para a vida... Por.... Muito... Tempo!
Antes de Isaac pudesse responder, os longos braços de Jack se estendiam através do quarto envolvendo em torno das pernas de Isaac.
O palhaço começou a puxá-lo para mais perto, puxando-o para sua própria cama de tortura enquanto Isaac arrastava as unhas pelo chão. Ignorando completamente os apelos de Issac, Jack rapidamente pegou quatro pregos de três polegadas de ferro ao longo da bancada e pressionou-os em linha reta através das mãos e pés de Isaque, pregando-o na cama de madeira. Isaac rosnou de dor quando ele gritava para seu captor
– AAAH ! SEU PALAHAÇO FILHA DA PUTA!
Jack  Risonho apenas riu enquanto forçava e segurava a cabeça de Isaac no lugar dizendo:
-Se você não pode dizer algo agradável, então não diga nada!
Jack colocou aos seus longos dedos tortos na boca de Isaac, segurando firmemente a sua língua e esticando para fora o máximo que poderia. O palhaço então pegou uma faca afiada e longa da mesa e lentamente começou a cortar fora a língua de Isaac. Uma vez decepada ele arremessou a língua no chão, a boca de Isaac começou a transbordar de sangue. Jack respondeu empurrando um pequeno tubo de metal cilíndrico através da garganta de Isaac para atuar como um orifício de respiração temporário. Neste ponto Isaac já estava sentindo muita dor, e tinha os olhos cerrados fechados para evitar ver os horrores repugnantes que estavam sendo realizados em seu corpo.
- Vamos lá, não é divertido se você não prestar atenção ! – Jack Risonho disse brincando, mas Isaac manteve os olhos bem fechados. Jack suspirou.
- Como quiser.
Jack em seguida forçou ele a manter seus olhos abertos. Ele pegou alguns anzoís que estavam no frasco na prateleira e lentamente empurrou a ponta do gancho através da pálpebra superior em linha reta através da parte inferior da sobrancelha e para fora do topo, prendendo  permanentemente aberto. Então ele tirou um segundo gancho empurrando-o através da pálpebra inferior e prendendo- a no rosto. Jack repetiu o processo com o outro olho e em pouco tempo uma série de ganchos de metal pontiagudos davam a certeza de que Isaac não ia perder nenhuma ação. Jack Risonho então pegou a mesma faca que tinha usado para decepar fora a língua de Isaac e começou a se concentrar na remoção dos seus lábios. Jack cortou cuidadosamente duas longas tiras de carne fora da boca superior e inferior de Isaac, fazendo com que seus dentes e gengivas fossem completamente expostos formando um sorriso macabro.
-Hmm ... parece que alguém não usou o fio dental regularmente...
Jack Risonho riu baixinho enquanto pegava o martelo. Isaac tentou murmurar algo implorando por misericórdia, no entanto, apenas gemidos gorgolejou escapou de sua garganta. Jack levantou o martelo no ar e com um sorriso torcido, ele bateu com ele, dando um estalo como o martelo de ferro quebrou os dentes de Isaac como argila frágil. Jack deixou cair o martelo e começou a uivar de tanto rir quando ele rasgou a camisa aberta de Isaac. Tomando a faca mais afiada, Jack fez um corte reto para baixo no peito de Isaac todo o caminho para baixo após o estômago. Isaac gemeu de dor. Ele enfio so seus longos dendos dentro do corte descascando a pela de Isaac e exposndo seus musculos vivos ele esta prestes a realizar sua autopsia macabra.
Primeiro Jack começou a retirar os intestinos de Isaac, do mesmo modo um mágico iria puxar uma série de panos coloridos do bolso. Então, depois cortando fora um pequeno comprimento de intestino, Jack pressionou uma extremidade contra seus lábios negros frios e começou a soprar ar para dentro do órgão. Uma vez inflada, torceu  em forma de um poodle e com uma risada alto, exclamou:
-Eu posso fazer as girafas também! - Isaac estava em choque mas ainda sentia cada milimetro de dor insuportável, a criatura palhaço colocou suavemente o animal do balão macabro ao lado da cabeça de Isaac.
Para o seu próximo truque Jack Risonho arrancou seus rins. Segurando na mão, Jack voltou para o seu amigo em cativeiro e deu de ombros dizendo que...
- os rins não são realmente minha especialidade... - Jogando o órgão de lado Jack Risonho percebeu que Isaac estava começando a delirar para morrer.
- Já esta se sentindo-se cansado? Por que estamos quase no grand finale!
Jack Risonho exclamou quando ele enfiou a mão na manga e tirou uma agulha longa de adrenalina.
- Isso deve animar você um pouco mais !
Jack gritou enquanto enfiava a agulha na retina de Isaac e injetou o líquido em sua cavidade ocular direita. Jack mexeu e virou a agulha ainda mais no globo ocular de seu velho companheiro, Isaac cambaleou de volta à vida com a sensação de uma agulha fina raspar a parte de trás de sua cavidade ocular. Com uma risada sinistra Jack arrancou a agulha, puxando o olho para fora com ele. O olho direito de Isaac agora pendurado fora de seu soquete do pedúnculo ocular, ficou caido  para o lado de seu rosto.
Jack sorriu.
-Bem, agora que eu tenho toda a sua atenção...
O palhaço insidioso em seguida, tomou o seu longo dedo indicador torto e fez um buraco no estômago de Isaac. Jack abaixou a cabeça para baixo em direção a cavidade torácica aberta e estendeu a boca aberta. Em poucos segundos uma torrente de baratas imundas e vermes começou a rastejar para fora da garganta do palhaço, derramando peito aberto de Isaac. Cada barata e verme vil foram  abrindo seu caminho para a pequena abertura no estômago de Isaac, enchendo ele de insetos repugnantes. Como seu estômago ficou cheio e inchado, as baratas começaram a apressar-se a garganta, apertando o seu caminho para fora da boca e cavidade nasal.
Isaac estava a centímetros da morte quando seu captor se ajoelhou ao lado dele e falou em seu ouvido:
- Tem sido uma explosão de magia, mas parece que o nosso tempo juntos esta acabando. Não há necessidade de lágrimas, porque eu pretendo espalhar minha amizade para todas as crianças solitárias do mundo ! E tudo graças a você que alem de um bom amigo foi um grande professor muito obrigado meu querido Isaac!
E com essas palavras, Jack Risonho enfiou a mão no peito de Isaac e arrancou o coração ainda batendo.
Em alguns segundo na cama fria de madeira toda a vida de Isaac passou diante de seus olhos. Ele viu sua mãe, seu pai, o colégio interno, suas vítimas, e o último pensamento que vibrou em sua mente, era de um Natal muito especial, onde ele acordou para encontrar em sua cama uma caixinha que lhe deu seu primeiro amigo...
Há rumores macabros de que, quando a polícia finalmente encontrou o corpo podre de Isaac Grossman ainda infestado de vermes e baratas seu cadáver cujo rosto havia sido surrado e rasgado em pedaços nitidamente parecia estar feliz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário