Bem Vindos

Ola amigos bem vindos a Arcanoteca um espaço para RPG, mitologia, contos e curiosidades, esperamos que gostem do nosso conteúdo e nos visitem com frequência. (amigos nós não temos pop ups por favor deixem o seu ADblock desativado para nosso site pois isso nos ajuda muito a manter a Arcanoteca)

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Menu Artigos: Sobre Invocações, Evocações e Banimentos

SOBRE INVOCAÇÕES, EVOCAÇÕES E BANIMENTOS

Embora essa temática em meio a bruxaria seja cercada de mistérios, segredos e muitas vezes seja pouquíssimo discutido, não deixa de ser um assunto necessário para debates, ainda mais para o conhecimento de neófitos (pessoas iniciantes nas práticas). O tema é pouco discutido por N motivos, alguns deste motivos são a caracterização cristã de possessão e a ideia de se receber espíritos voltada ao candomblé e Umbanda, que seriam a manifestação de espíritos ou seres sobre o corpo físico (material) de um indivíduo, que é normalmente visto com temor, outra caracterização frequente é a de que a descriminação dentro e fora das religiões impedem essas crenças e assim seguem uma série de questões de questões básicas e que devem sim ser debatidas, afinal, o que é a crença livre quando nos prendemos a rotulagens, a práticas e tradições?
Vamos portanto desmentindo e desmistificando alguns pontos básico sobre invocar e evocar. Ambos são a transformação de um ser espiritual em algo visível, cada um de uma forma específica e bastante própria.
Esses dois conceitos e práticas são realizados principalmente na Alta Magia, que é uma parte da bruxaria que centra suas práticas em algo mais específico e mesmo assim mais abrangente, como um leque. Embora por muitos wicannianos essas práticas sejam restritas a praticantes iniciáticos ou neófitos, pessoalmente acredito que dentro da bruxaria é tudo válido desde que se tenha conhecimento acerca da prática, ou seja, uma boa base teórica, crendo que não há tamanha importância no quesito classe, portanto, tudo é permitido pois é claro “tudo o que fizer voltará a você triplicado…”, então, só mexemos com aquilos que sabemos lidar ou conhecemos, se não, mantenham seus estudos.

A evocação é, portanto, a comunicação do indivíduo com a divindade, espirito ou elemental, evocação já é o convite à divindade para participar do ritual em matéria astral ou espiritual, fora do corpo do oficiante responsável, porém dentro do espaço sagrado. Isso possibilita a conversa direta e a percepção das energias divinas. O que é muito usado durante uma oração padrão. Enquanto que a invocação é o meio externo atingindo voluntariamente o meio “in”terno transformando o indivíduo em uma espécie de “hospedeiro”.

Evocação já é o convite à Divindade para participar do ritual em matéria astral ou espiritual, fora do corpo do oficiante responsável, porém dentro do espaço sagrado. Isso possibilita a conversa direta e a percepção das energias divinas. O que é muito usado durante uma oração padrão.

“Evocar vem do latim evoco are, que significa chamar a si, mandar vir, chamar para aparecer, fazer aparecer.”

Invocação se caracteriza por convidar a Divindade para participar do ritual no corpo de uma pessoa responsável. Foi muito usado por algumas pessoas do passado para santificar objetos ou lugares.

“Invocar vem do latim in vocare, que significa chamar em, ou seja, chamar em socorro, pedir auxílio, suplicar, pedir ajuda com uma prece.”

Muitas pessoas associam a invocação ou evocação com a possessão, daquela em que vemos em filmes de terror onde o suposto demônio domina o corpo material de uma pessoa e não sai de lá até que esse corpo físico seja exorcizado, que é uma forma de banimento do espirito para fora do hospedeiro. É bem comum vermos a palavra “exorcismo” na bruxaria, embora esse termo não seja tão usado por nós bruxos, pois está mais associado ao monoteísmo do que no politeísmo. É comum que a comunidade cristã entenda invocação e evocação como a tomada de um corpo por um espírito maligno ou um demônio, já nós, bruxos, não entendemos dessa forma, são formas de manifestação energética e espiritual, ambas com total controle do bruxo, portanto não se dá a possessão, embora em raríssimos casos aconteça quando algum indivíduo não domina técnicas e métodos necessários para que o espírito compreenda que o corpo físico não pertence a ele, então, é comum sim que o indivíduo possa sofrer com alterações deste nível, tendo sempre invocações espontâneas, onde o controle se dá pelo espírito, divindade ou ser, o que é errado, uma vez que nós controlamos nosso corpo material e não o plano espiritual a nosso corpo material, por isso, temos conhecimentos acerca das energias, planos e outros.

“Após essa distribuição de conceitos, é comum pensar em invocação igual à possessão, mas não, a possessão é a permanência não autorizada de um espírito ou divindade em algum corpo ou material, o que se caracteriza por uma forma imperialista de estar entre nós, pois a possessão tira o “dono” do corpo de qualquer autonomia e liberdade sobre suas ações, dando total direito ao ser que o possuí. E nossas Divindades não são assim, elas são convidadas a estar no corpo do responsável por isso, porém nossos Deuses não o possuem, Eles apenas agem através do corpo responsável, mas dando ao “dono” do corpo total autonomia e liberdade para agir, dando inclusive liberdade para dispersar o Deus que age dentre dele na hora certa.”

Já o banimento é a forma de retirada de alguma energia, ser, espírito, entidade e outros, seja de um ambiente, seja de um círculo, seja de um local específico. O banimento é a forma de privar algo de estar, de entrar, de permanecer, até mesmo de sair, em alguns casos mais centrados. Resumidamente, é o ator de “proibir’ ou “barrar”. O banimento é a forma de limitar energias, divindades ou outros seres que possam acabar “invadindo” um determinado espaço, trazendo algum tipo de malefício energético, é usado bastante no lar, é como por exemplo, deixar instrumentos direcionados à banir pendurados à porta para que seja sempre mantido, ou até mesmo a forma de banir por palavras, que é sempre atualizada quando se entra para dentro de casa e quando sai.

O simbolismo usado para ambas as ações é não mais, não menos, que o pentagrama, tão usado para diversos fins, como usado para trazer medo aos que sismam ser um simbolo medonho de poder sobrenatural do qual pode trazer a mensagem do anti-cristo, seja ele invertido ou não. O simbolo é usado de forma banal, encontrado em toda e qualquer loja esotérica e não só, muitos até mesmo em barraquinhas. O grande problema disso é não somente a banalização do simbolismo místico, mas da importância que tem para quem nada entende.É claro que vou abordar mais sobre este símbolo para conhecimento mais profundo deste, de raso, posso dizer que ele é um símbolo pagão, usado para diversos fins, alguns deles são: banimento, firmamento, proteção, catalização energética, rituais direcionados a elementos ou elementais, canalizadores de energias astrais, espirituais e outras, e segue uma lista extensa de objetivos. Nós bruxos, não trabalhamos somente com o pentagrama (que não é a Estrela de Salomão, chamada de Estrela de Davi, como é normalmente confundida por ai), mas com outros diversos símbolos pagãos que possuem desde as mesmas finalidades até as suas mais específicas.

Cada direção (o que chamamos de direcionar ou direcionamento = dar um objetivo, pautar, esclarecer, dar um rumo, dar uma direção, apontar…) tem sua determinada representação, norte: terra, leste: ar, sul: fogo, oeste: água, portanto, cada ponta do pentagrama representa um elemento natural (portanto, uma energia, não confundir com movimentação destes elementos de forma concreta, pois são energéticas), a ponta principal, da qual geralmente é representada na ponta da construção (ponta de pirâmide) representa o espírito, o Éter, a essência… O pentagrama em si é a representação da totalidade, da essência natural, contendo todas as formas energéticas básicas, ou seja, as energias naturais (que provém da natureza, respectivamente); essa ponta de cima é chamada de central. Seria portanto a criação do espírito e os elementais que neste existe, seguindo da ponta inicial ou central para ela mesma, portanto passando em sentido horário até o final do círculo, por isso, muitas vezes o pentagrama acompanha um círculo, porém, o pentagrama é somente a estrela do meio. O conjunto significa o círculo total da construção essencial, onde tudo está envolto por seus ciclos naturais. É possível entender como um portal, uma porta fechada e outra aberta, num modo grosso de falar.

texto Original de Stefanie Oliveira (SOL) no blog  Mistérios dos Deuses

Nenhum comentário:

Postar um comentário