Bem Vindos

Ola amigos bem vindos a Arcanoteca um espaço para RPG, mitologia, contos e curiosidades, esperamos que gostem do nosso conteúdo e nos visitem com frequência. (amigos nós não temos pop ups por favor deixem o seu ADblock desativado para nosso site pois isso nos ajuda muito a manter a Arcanoteca)

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Menu Mitologia Egípcia: Ápis

ÁPIS




Na mitologia egípcia, Ápis (Hap, Hapi ou Hape) era um touro sagrado venerado em Mênfis. Era tido como encarnação dos deuses Osíris e Ptah. De acordo com um mito, Ápis era a encarnação viva de Ptah , enquanto ele vivia e de Osiris quando ele morria. Representava-se este touro com um amuleto em forma de cobra na testa e com um círculo solar sobre a cabeça, entre os chifres. A mãe de um touro Ápis recebia o título de ” Vaca de Ísis “. Só podia existir um touro Ápis de cada vez. A busca por um touro substituto começaria com a morte do Ápis atual. O novo Ápis era transportado para Mênfis em um barco decorado construído especificamente para a ocasião.

Ápis era intimamente relacionado ao mito do ciclo de morte e regeneração de Osíris. Diodoro da Sicília disse que quando Osíris morreu, sua alma passou para o primeiro touro Ápis e depois foi preservada em cada novo touro. Sendo parte animal, parte deus, Ápis foi escolhido para culto devido ao seu invulgar conjunto de marcas: um triângulo branco na testa, padrões alados brancos nos ombros e nas ancas, uma silhueta de escaravelho na língua e pelos duplos na ponta da cauda. Durante a vida, era mantido num santuário especial, apaparicado por sacerdotes, enfeitado com ouro e jóias e adorado pelas multidões.

Ao passar os vinte e cinco anos de idade, o touro era morto por afogamento e substituído por outro mais novo. Se morresse antes dessa idade era mumificado e enterrado em Sakara (necrópole das primeiras dinastias reais, perto do Cairo) com toda a pompa. O luto por este animal durava setenta dias, período no qual era realizada a mumificação do animal e também cerimônias sem fim. No dia do enterro do boi, a população corria às ruas para participar nesta cerimônia de luto nacional. Carpindo-se e arrancando os cabelos, amontoavam-se junto à estrada que conduzia ao deserto, à catacumba atualmente conhecida como Serapeum, na necrópole de Sakara. Formando uma procissão, sacerdotes, cantores do templo e altos funcionários depositavam a múmia numa rede de galerias subterrâneas escavadas na rocha calcária. Ali, sepultavam a múmia num sarcófago de madeira ou granito.Pensava-se que ao morrer, a sua essência divina se transferia para outro boi quando morria, iniciando-se então a busca de um novo animal. Entretanto, o corpo do falecido era transportado para o templo. Quando um novo boi tomava o lugar do antigo, eram também grandiosas as festas em sua honra.

De acordo com Plutarco, acreditava-se que cada touro Ápis era gerado milagrosamente pela luz da lua. Heródoto, por outro lado, diz que o touro Ápis era concebido por um raio lançado por Ísis. Ápis era tido como um símbolo a fertilidade e força. Heródoto também relatou que um touro Apis do século VI a.C. foi esfaqueado até a morte pelo rei persa Cambises . Dizem que o rei foi levado à loucura como uma punição por este ato sacrílego. Plutarco também se refere a uma lenda sobre o abate do touro Apis por Cambises . ele diz que que, depois de o touro foi morto, seu corpo foi jogado para fora do templo. Nenhum carniceiro podia chegar perto do animal sagrado, exceto os cães. Ao devorar o corpo do touro Ápis, os cães perderam seu lugar de honra na religião egípcia e tornaram-se animais “impuros”.

O culto do touro era muito difundido nas civilizações da Antiguidade, e Ápis foi igualmente alvo de devoção pelos gregos e romanos. Durante o Período Ptolemaico, um novo deus chamado Serápis foi concebido para tentar unir o povo grego e egípcio. Serápis absorvia alguns dos atributos de Zeus, Asclépio, e Dionisio e fundiu -los com alguns atributos de Osíris e alguns dos atributos de Ápis. No entanto, embora os colonos gregos gostassem desse deus híbrido, Serápis nunca foi realmente aceito pelos egípcios nativos .

Nenhum comentário:

Postar um comentário